Basquete

Além da quadra: Janeth relembra carreira na WNBA e seleção brasileira na NBA House Digital

NBA House Digital Janeth
Foto: Reprodução/NBA House Digital

A sexta edição da NBA House Digital aconteceu nesta terça-feira, 20, com mais uma programação muito especial ao fã do basquete. Ao todo foram vários nomes de peso que trouxe muito impacto antes de mais um confronto entre Phoenix Suns e Milwaukee Bucks. Antes do título da franquia do Wisconsin, nomes como Janeth Arcain abrilhantaram o dia no evento.

Em mais um Papo com a Lenda, Everaldo Marques, narrador dos canais Globo, entrevistou Janeth Arcain, uma das maiores jogadoras da história do Brasil. Com mais de duas décadas de carreira, a ex-armadora colecionou passagens por grandes clubes no país, mas fez parte da onda de atletas brasileiras que estiveram na WNBA, a liga profissional dos Estados Unidos.

— Eu tive uma carreira muito grande sendo 24 anos como atleta federada sendo 21 anos na Seleção Brasileira e oito na NBA com quatro títulos. Eu iniciei a minha carreira com 13 anos e tive o incentivo da mãe. Cheguei a ir para o interior de São Paulo, em Catanduva, ganhei como melhor atleta assim que cheguei lá e depois eu deslanchei. Foram vários campeonatos sul-americanos, pan-americanos, mundiais, até ir para a WNBA onde tive uma passagem grandiosa e um reconhecimento que me deixa muito feliz — afirmou Janeth.

Siga o Esporte News Mundo no TwitterInstagram e Facebook.

Assim como muitas atletas projetam, Janeth sempre teve o sonho de jogar em uma grande liga profissional e aos poucos o projeto foi ganhando formal. Com a criação da WNBA em 1996, a brasileira foi uma das primeiras a experimentarem jogar no mais alto nível do basquete mundial. No Houston Comets, a ex-jogadora foi tetracampeã em apenas oito temporadas pela equipe.

— Sempre foi um sonho jogar nos Estados Unidos. Eu tive convites para jogar no high school, mas queria jogar lá profissionalmente. Após os Jogos Olímpicos de Atlanta, começavam a surgiu os boatos de uma liga nos Estados Unidos e quando chegou o convite eu nem quis saber onde iria jogar. A minha vontade era estar lá, era a realização de um sonho e eu tive a felicidade de cair em uma das maiores equipes da história da NBA.

Pela Seleção Brasileira, Janeth foi um dos maiores nomes da história com times que trouxeram muita alegria para os brasileiros. Com a geração de ouro, a ex-jogadora foi campeã mundial em 1994 e chegou para os Jogos Olímpicos de Atlanta com muita moral. Apesar da derrota para as donas da casa, a brasileira destacou a grande fase que a seleção verde e amarela teve, mas relembrou os “perrengues” para chegar até a grande decisão da competição.

— Nós chegamos em Atlanta com uma moral muito grande pois éramos campeãs mundiais. Estávamos em uma crescente desde 1987 e estávamos sendo observadas devido a grande geração. Tivemos a felicidade da Hortência voltar e conseguimos conquistar a medalha antes dela encerrar a carreira. Quando você está na Vila Olímpica, a concentração muda porque tem muitas coisas novas e nós conseguimos isso. Nós jogamos muito em Atlanta contra os Estados Unidos, mas elas tiveram a felicidade de fazerem um grande segundo tempo para vencer. Mas tivemos perrengues para chegar até a final mesmo sendo favoritas — encerrou Janeth.

Além de Janeth, a NBA House Digital teve novamente um Resenha Bud com Ricardo Bulgarelli, Karol de Souza e Fernando Medeiros fazendo o esquenta para o jogo 6. Posteriormente, o Desafio NBA 2K21 com streamers e o show de Gabriel O Pensador encerraram mais uma edição do evento promovido pela liga.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top