Basquete

Além da quadra: NBA House Digital encerra edição com Tony Parker e basquete feminino

NBA House Digital Tony Parker
Foto: Reprodução/NBA House Digital

A NBA House Digital chegou ao fim nesta quarta-feira, 21, após o encerramento da série entre Milwaukee Bucks x Phoenix Suns, que terminou com o título da franquia do Wisconsin. Com grandes atrações como Tony Parker, o evento promovido pela NBA Brasil fechou com chave de ouro o pré-jogo das finais

A primeira atração do dia foi Tony Parker. O francês é considerado um dos maiores nomes estrangeiros da história e relembrou a grande carreira que teve na NBA. Em um bate-papo com o narrador do Grupo Globo, Everaldo Marques, o ex-jogador destacou os primeiros passos que teve na liga e como um nome em especial foi importante para ele se tornar a figura emblemática.

— No começo foi bem difícil, mas meu pai me ajudou bastante. Ele é americano e me ajudou com o idioma. Ele explicou bastante de basquete para mim. Na minha chegada em San Antonio, aos 19 anos, eu tive uma vantagem: o treinador Popovich. Tive sorte de ter um treinador que me colocou logo de cara, me colocou no time titular e meu oportunidades — afirmou Parker.

+ Siga o Esporte News Mundo no Facebook, Twitter e Instagram.

Estar em San Antonio foi um encaixe perfeito para Tony Parker. Com um estilo intrigante de jogo, o time que era repleto de estrangeiros deu liga muito rápido e conquistou quatro títulos em uma fase esplêndida. Um dos segredos, de acordo com o francês, era o time ter o mesmo objetivo e sem nenhum grande destaque individual que pudesse prejudicar o andamento coletivo.

— A regra 1 é que ninguém da equipe tinha um ego inflado. Todos pela equipe e jogando reciprocamente. Tudo o que importava era ganhar os campeonatos e isso começou com o Tim, um dos mais altruístas entre as estrelas da NBA. Sempre deixava eu e o Manu (Ginobili) fazer nossa parte e todos os outros faziam a deles. Era maravilhoso jogar com grandes nomes e um treinador incrível. Tudo se encaixava para que pudéssemos jogar no mais alto nível — completou.

Parceiro de grandes estrelas da liga, Tony Parker leva Tiago Splitter como um dos melhores da carreira. Apesar do curto tempo juntos na NBA, a dupla conquistou um título, mas tinha uma grande sintonia em quadra que proporcionou até uma “dívida” entre os dois.

— O Tiago é um dos meus colegas de time preferido de todos os tempos. Quando eu fazia muitas bandejas e tinha espaço para invadir, o Tiago fazia um trabalho incrível e mantinha o espaço e segurava todo mundo. Eu devo muitas bandejas a ele. Ele é muito inteligente. Metade da equipe era de fora dos EUA, tínhamos grande entrosamento, jogávamos em equipe e compartilhávamos as passadas de bola com a mentalidade europeia, coisas desse tipo — disse Tony Parker.

Antes de encerrar a carreira, Tony Parker teve uma passagem pelo Charlotte Hornets, presidido por Michael Jordan. Fã de carteirinha de um dos maiores jogadores de todos os tempos, o francês relembrou como foi estar no mesmo ambiente que o ídolo e que ambos ainda mantém um vínculo fora das quadras.

— Ele era meu ídolo desde criança, meu jogador favorito. Minha família é de Chicago então são todos fãs dos Bulls. Então jogar pra ele e ter ele como meu chefe foi uma grande experiência. Nós criamos uma relação de amizade e sempre conversamos por mensagem — encerrou.

Além do Papo com a Lenda, a NBA House Digital teve um bate-papo muito importante sobre o basquete feminino. Com apresentação de Yara Fantoni, o trio formado por Magic Paula, Ticha Penicheiro e Andrea Cruz debateram sobre o crescimento da categoria, a importância de ligas profissionais como a WNBA e a fundamentação do esporte desde cedo na vida de várias meninas.

— Agora as meninas tem um incentivo porque eu quando era pequena não tinha a WNBA e eles começam com 12 a 13 anos a ter pessoas para desenvolverem seu basquete. Os pais são fundamentais no desenvolvimento e incentivar a praticar o esporte. E não é só o basquete. O basquete é importante, mas tem que ser fora dele também — concluiu Ticha Penicheiro, ex-jogadora portuguesa que esteve por 15 temporadas na liga profissional dos Estados Unidos.

Ao todo, a edição 2021 da NBA House Digital trouxe muitas lendas do basquete internacional e nacional, bate-papo com personalidades, histórias e temas importantes no esporte e sociedade. Com shows e uma plataforma toda online, o evento trouxe toda a experiência de um pré-jogo antes de cada decisão das finais da liga tudo ao alcance do celular ou computador.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top