Atlético-MG

Atlético-MG se garante no G4 em ano de decepção ao fazer mais do que o esperado; entenda

Foto: Pedro Souza / Atlético

No começo de 2020, a maioria do torcedor do Atlético aceitaria fechar que o clube terminaria no G4 do Brasileiro 2020, já que as contratações não eram grandes demais para melhorar tanto o time, que foi 13° no Brasileiro de 2019. Ao fim da 37° rodada do campeonato, o Galo finalmente se garantiu no G4 e vai direto para a fase de grupos da Libertadores 2021, mas para muitos torcedores, a “conquista” não foi mais o suficiente, já que o Galo teve chances de título até a 36° rodada.

O Galo começou a temporada com o venezuelano Dudamel no comando, que tinha como time base: Michael, Guga, Igor Rabello (Réver), Gabriel e Guilherme Arana; Jair, Allan, Nathan (Hyoran); Otero, Savarino e Ricardo Oliveira (Di Santo). Time esse que foi eliminado na primeira fase da Sul-Americana para o Santa Fé-ARG e caiu precocemente na Copa do Brasil para o desconhecido Afogados. Após as eliminações, o torcedor já esperava mais uma temporada lutando para não cair, mas a diretoria, com a ajuda de investidores, fez esforços para mudar o clube antes que fosse tarde.

Time do Atlético que foi eliminado para o Santa Fé, na Sul-American – Foto: Bruno Cantini / Atlético

Dudamel foi demitido e Sampaoli foi contratado. Com a chegada do argentino, veio também a pandemia. Em um período de mais de 4 meses sem futebol, o Atlético, os investidores e Sampaoli reformularam o time do Galo. Foram contratados, desde a chegada do argentino, 10 jogadores, sendo eles: Everson, Mariano, Bueno (empréstimo), Jr Alonso, Alan Franco, Zaracho, Sasha, Keno, Marrony e Vargas. Com isso, o time base do Atlético passou a ser: Everson, Guga, Réver, Jr Alonso e Arana; Jair, Allan e Hyoran (Nathan); Keno, Savarino e Vargas (Sasha). Ou seja, uma mudança quase que de meio time. Isso pois Alan Franco foi titular, mas teve complicações com a covid-19 e Zaracho não se adaptou rápido (estava a 7 meses sem atuar antes de chegar ao Galo) e ainda se lesionou.

Dos titulares do Atlético na temporada 2019, apenas Guga e Jair se mantiveram como titulares em 2020. Réver revezava na defesa com Igor Rabello e Leonardo Silva.

Com o time remontado praticamente do zero e o esquema ousado, Sampaoli fez o torcedor do Atlético sonhar com o título, mas mais uma vez o Galo tropeçou muito e ficou sem chances de vencer o Brasileiro. Fazer o torcedor sonhar foi o que fez Sampaoli cair na própria “armadilha”, já que o elenco do Atlético não é o suficiente para vencer o torneio, mas ele fez o torcedor acreditar que era sim. Poderia ter conquistado o título se não fossem os tropeços, mas foram tropeços “normais” de um time que foi inteiramente remontado no meio do ano.

Neste fim de temporada, muitos dos torcedores que lá no início aceitariam facilmente o time terminar no G4 (principalmente após as eliminações precoces) hoje estão furiosos com o clube e o treinador por não terem conquistado o título. Mas o projeto do Atlético segue, com ou sem Sampaoli – que está próximo de deixar o Galo e se acertar com o Olympique de Marselha – e parece ser bem promissor. Principalmente se analisarmos as contratações que o clube já fez (Hulk, Nacho Fernandez e Dodô), as que ainda pretende fazer e que em breve terá um estádio próprio, o que também já mostrou que faz diferença para quem quer ser campeão, vide Palmeiras e Corinthians.

Para saber tudo sobre o Atlético-MG, siga o Esporte News Mundo no TwitterFacebook e Instagram.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top