Cruzeiro

Cacá volta a se manifestar sobre imbróglio: ‘Amadorismo do Cruzeiro na pessoa do presidente do clube’

Cacá volta a se manifestar sobre imbróglio: 'amadorismo do Cruzeiro na pessoa do presidente do clube'
Foto: Bruno Haddad/ Cruzeiro

A troca de farpas entre o zagueiro Cacá e a diretoria do Cruzeiro continuou nesta sexta-feira (2), com o jogador voltando às redes sociais para se pronunciar sobre o caso e a divulgação de documentos, que supostamente comprovariam a ausência de débitos da agremiação para com o jogador, feitas pelos canais oficiais do clube. O defensor classificou a exposição de valores como um atitude amadora do presidente Sérgio Santos Rodrigues e ainda postou documentos que mostram um atraso de cerca de um mês no pagamento dos valores acordados.

Na primeira publicação, feita em seu Instagram oficial, Cacá afirmou que os documentos postados pelo Cruzeiro na noite de ontem (1) são referentes ao pagamento de salários atrasados que vinham desde 2020 e não sobre o acordo firmado a partir de sua venda ao futebol japonês, que rendeu cerca de R$ 10,7 milhões aos cofres do clube. O defensor ainda se mostra incomodado com a atitude da direção celeste em expor os valores acordados.

Olá nação celeste ,sem muitas delongas venho aqui nem pra dizer que é em respostas ao amadorismo do CRUZEIRO na pessoa do presidente do clube, Sérgio Santos Rodrigues, em postar valores da minha negociação.

Cacá, em seu Instagram

O jogador, em seguida, detalhou os acordos e débitos firmados com o Cruzeiro, afirmando que o atraso do pagamento já é de um mês. Cacá disse ainda que abriu mão de 6,5% dos 10% que tinha direito a receber do valor total da negociação com o Tokushima Vortis, do Japão, para que a transferência pudesse ser concluída. O atleta ainda lamentou ter que expor o clube que ama, mas ressaltou a mágoa por ter sido “taxado de mentiroso” pelo posicionamento da diretoria celeste.

Sinto expor o clube que amo e defendi por tantos anos, que me recusei a sair de graça em gratidão a todos que me ajudaram e aos funcionários que merecem com a minha venda receber mas além de não receber os meus direitos, de ficar sem resposta ainda ser taxado de mentiroso e o fim da picada.

Cacá, em seu Instagram

O jovem defensor ainda afirmou que a exposição partiu pela vontade de viajar para o Japão, onde se apresentará a seu novo clube, com sua situação com o Cruzeiro acertada e deu a entender que irá acionar o clube na justiça.

Quando postei ontem sobre o que me devem e o fiz somente porque gostaria de ir embora pro Japão com todas coisas resolvidas, mas como estou embarcado no exato momento para o Japão e infelizmente, essa situação não foi resolvida. Saliento que o único caminho para uma solução, vocês já sabem né?

Cacá, em seu Instagram

Confira a nota na íntegra:

O acordo

No post seguinte, o zagueiro publicou imagem que mostra o acordo de pagamento firmado com o Cruzeiro no dia 23 de fevereiro e o prazo legal de dez dias para quitação dos valores, o que configuraria um atraso de cerca de um mês. Além disso, a nota afirma que o clube foi notificado em duas oportunidades para que efetuasse a quitação dos débitos, o que não aconteceu. Confira a nota, na íntegra, abaixo:

Entenda o caso

O zagueiro Cacá veio a público, na noite de ontem (1), se manifestar sobre débitos do clube em relação a um montante acordado no momento de sua venda para o futebol japonês, afirmando que o clube não havia honrado os compromissos e que ele tinha ouvido que precisaria entrar na justiça para receber. O Cruzeiro rebateu, em seguida, afirmando em Nota Oficial que havia quitado os valores, publicando fotos dos comprovantes. O presidente do clube, Sérgio Santos Rodrigues, chegou a compartilhar a nota.

Mas, nesta sexta-feira (2), Cacá respondeu com imagens que mostram que os comprovantes publicados pelo clube são referentes a salários atrasados ainda de 2020, que não tem relação com os acordos firmados no momento da concretização de sua venda para o futebol japonês.

Para saber tudo sobre o Cruzeiro, siga o Esporte News Mundo no Twitter, Instagram e Facebook.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado.

As últimas

To Top