e-Sports

CBLOL 2022: Jogador da Rensga é penalizado por atitude inadequada

Nesta quarta-feira (02), o CBLOL publicou uma nota sobre o caso do topo Seungmin “Trap” Shin da Rensga Bitpreço. Na última segunda-feira, denúncias envolvendo crime de racismo e xenofobia foram publicadas nas redes sociais denunciando o comportamento de Trap. Na nota, o CBLOL considera o comportamento do jogador como conduta inadequada grave e aplicou punição ao coreano da Rensga.

Rensga sofre punição após toplaner xingar em SoloQ brasileira
Topo da Rensga tem comportamento inadequado na SoloQ e é punido pelo CBLOL. — Imagem: Reprodução/Twitter

Na imagem acima, o toplaner da Rensga em conta secundária, é pego falando que “pessoas brasileiras jogam como macacos”. A punição aplicada para o jogador, está dentro das normas do CBLOL, especificamente a 10.2.4 que fala sobre discriminação e difamação, leia:

Membros das equipes não podem ofender a dignidade ou integridade de um país, pessoa ou um grupo de pessoas por meio de palavras ou atos de desprezo ou ações de raça, cor de pele, etnia, nação, origem social, gênero, língua, religião, opinião política ou qualquer outra opinião, status financeiro, idade ou qualquer outro status de orientação sexual.”

Trap irá receber como punição, R$ 5 mil de multa e ficará três jogos sem atuar pela Rensga Esports. A suspensão deverá ser cumprida pelo CBLOL, mas o jogador também não poderá atuar no Academy. Segundo a nota, o atleta estará suspenso das partidas contra a Netshoes Miners, FURIA e Flamengo.

A Rensga se posicionou diante do caso e disse repudiar qualquer tipo de violência, seja verbal ou não verbal, e atitudes desportivas, sejam elas quais forem. Leia na íntegra:

A organização já tomou medidas necessárias em relação envolvendo o topo Seungmin “Trap” Shin. Serão aplicadas a ele as sanções cabíveis bem como o reforço dos nossos valores competitivos.
Por outro lado, a Rensga Bitpreço alerta que o jogador também foi alvo de graves ataques com viés racistas e xenófobos no servidor brasileiro. Espera-se que punições contundentes também sejam aplicadas para jogadores não integrantes de organizações.

Vale lembrar que a equipe goiana passa por um momento complicado na tabela do CBLOL e do CBLOL Academy. As seis partidas restantes da fase regular são importantes para o time que busca por uma vaga milagrosa nos playoffs.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado.

As últimas

To Top