Futebol Internacional

Clubes ingleses fundadores da Superliga Europeia vão precisar pagar multa, segundo jornal

Foto: divulgação

A Superliga ainda segue dando o que falar na Europa. De acordo com informações do jornal “Daily Mail”, os clubes ingleses que estiveram envolvidos na criação da polêmica liga serão punidos pela Premier League. A primeira divisão inglesa também vai passar a punir clubes que estiverem envolvidos novamente em possíveis criações de torneios paralelos. A punição é de perda de até 30 pontos.

Siga o Esporte News Mundo no TwitterInstagram e Facebook

Arsenal, Chelsea, Liverpool, Manchester City, Manchester United e Tottenham foram os ingleses envolvidos. Com isso os clubes pagaram de 3,7 milhões de libras (R$ 26,3 milhões). O montante total chega na casa de 22 milhões de libras (R$ 156,7 milhões na cotação atual). O jornal também informa que o pagamento não será feito rapidamente. Todo o dinheiro arrecadado deve ser usado para iniciativas envolvendo torcedores, comunidades carentes e o desenvolvimento do futebol de base.

+Superliga Europeia tinha apoio secreto da Fifa, diz imprensa da Inglaterra

A Superliga Europeia foi criada com objetivo de fazer frente com a Champions League. Insatisfeitos com os valores apresentados pela UEFA, dirigentes dos considerados gigantes do Velho Continente se uniram em busca de idealizar um torneio que abrangesse apenas os maiores clubes e alguns convidados. Times da Espanha, Inglaterra e Itália foram os principais envolvidos e chegaram a programar algumas datas, mas a pressão externa acabou com os sonhos dos cartolas.

Durante a criação do torneio em abril deste ano, os torcedores de todos os clubes se uniram contra o torneio e seus respectivos dirigentes. Após grande pressão e apelo popular, cada time em particular foi desistindo da ideia e pedindo desculpas aos seus torcedores pela ação. Apesar do recuo, clubes e cartolas seguem queimados devido ao atrito criado com a UEFA e correram risco de serem banidos das próximas edições da Champions League.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top