Geral

Coronavírus: Rio tem 285 infectados aguardando vaga em UTI

No Rio de Janeiro, 285 infectados pelo novo coronavírus aguardam vagas em leitos da UTI. Com a rede estadual de Saúde saturada, o governo anunciou a criação de oito hospitais de campanha, que ainda demoram a ser abertos.

A única unidade destinada aos pacientes de Covid-19 que ainda possui camas de UTI disponíveis observou um crescimento significativo na ocupação de leitos ao longo do último fim de semana: na sexta-feira (24), 51% da UTI estavam ocupados. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, hoje, a taxa é de 75% na unidade.

O Palácio Guanabara estipulou que até o dia 30 de abril as unidades seriam entregues. Porém, até o momento, o governo abriu somente 30 vagas dos oito hospitais que ainda estão em fase de construção, sendo apenas 10 de UTI. A unidade é localizada no Leblon e está sendo operada pela Rede D’Or.

Foto: Divulgação

O maior hospital de campanha do Estado, construído no estádio de atletismo Célio de Barros, que pertence ao Maracanã, será aberto somente em maio. Ele disponibilizará 400 leitos, divididos igualmente entre UTI e enfermaria.

A capital fluminense lida com a falta de vagas em UTIs desde meados de semana passada. Das 919 pessoas internadas com Covid na cidade, 315 estão em UTI. Ou seja, o número de pessoas na fila é quase igual ao de internados.

A Secretaria Estadual de Saúde divulgou um informativo sobre a criação de novos leitos para tratamento de pacientes suspeitos ou confirmados da Covid . Confira:

“A Secretaria Estadual de Saúde informa que, até o momento, 521 novos leitos exclusivos para tratamento de pacientes suspeitos ou confirmados da Covid foram abertos em todo o Estado do Rio de Janeiro. Desse total, 256 são UTIs e 265 enfermarias. Além dessas unidades destinadas, há ainda 137 leitos para o tratamento da Covid em áreas isoladas de outras unidades estaduais”, apontou o governo.

Em toda rede estadual, a ocupação dos leitos de UTI chegou a 81%; de enfermaria, 70%. Dos 7.111 casos confirmados, 645 pessoas foram vítimas da doença no Rio de Janeiro.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

As últimas

Ao topo