Cruzeiro

Mais dois? Jogando a Série B, Cruzeiro supera Atlético-MG em bilheterias e patrocínios no ano de 2020; veja rankings nacionais

Mais dois? Jogando a Série B, Cruzeiro supera Atlético-MG em bilheterias e patrocínios no ano de 2020; veja ranking nacional
Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

Apesar de um 2020 difícil, terminando a temporada somente na 11ª colocação da Série B, o Cruzeiro teve melhores resultados que o principal rival, Atlético-MG, em alguns setores de fora das quatro linhas. Além de ser o clube mineiro com maior receita proveniente de seu respectivo programa de sócio-torcedor, a Raposa também liderou nas estatísticas de ganhos com bilheterias e patrocínios no estado de Minas Gerais.

Os rankings foram feitos pelo site Sports Value, especializado em marketing e finanças. Os números foram retirados dos balanços contábeis do ano de 2020, divulgados pelos próprios clubes.

Bilheteria

No pequeno período em que os estádios ficaram abertos para o recebimento de público, num período que durou de janeiro à março de 2020, antes da pandemia chegar ao Brasil, o Cruzeiro liderou em valores recebidos com bilheterias em Minas Gerais. Foram R$ 1,042 milhão proveniente de vendas de ingressos, quase o dobro do segundo colocado no estado, Atlético, que arrecadou R$ 692 mil.

Os valores são ainda mais relevantes visto que o único clássico entre Cruzeiro e Atlético disputado na temporada, ainda com torcida, teve mando alvinegro, que levou bom público o Mineirão e pôde garantir a renda daquele jogo, que costumeiramente movimenta os maiores públicos dentre os jogos das equipes.

Veja também: Mesmo na Série B, Cruzeiro supera Atlético-MG em receitas com sócios em 2020; veja ranking nacional

Os números consolidaram um liderança que já vinha nas mãos do Cruzeiro, que mesmo com a péssima temporada de 2019, onde foi rebaixado no Campeonato Brasileiro pela primeira vez em sua história, arrecadou R$ 18,516 milhões, contra R$ 16,836 milhões do Atlético. Veja o ranking nacional de ganhos com bilheteria em 2020 (os números foram arredondados):

1- Flamengo: R$ 30 milhões
2- Corinthians: R$ 7 milhões
3- Palmeiras: R$ 7 milhões
4- São Paulo: 7 milhões
5- Bahia: R$ 5 milhões
6- Coritiba: R$ 5 milhões
7- Internacional: R$ 4 milhões
8- Fluminense: R$ 3 milhões
9- Vasco: R$ 3 milhões
10- Botafogo: R$ 2 milhões
11- Fortaleza: R$ 2 milhões
12- Athletico Paranaense: R$ 2 milhões
13- Cruzeiro: R$ 1 milhão
14- Ceará: R$ 1 milhão
15- Atlético-MG: R$ 1 milhão
16- Goiás: R$ 0
17- Atlético Goianiense: R$ 0
18- Grêmio: R$ 0

Ranking de bilheteria futebol brasileiro
Imagem: Sports Value

Patrocínios

E não só de movimentos de torcedores vive o Cruzeiro. O clube celeste também liderou em Minas Gerais no que diz respeito aos valores arrecadados com patrocínios. Mesmo com a queda para a Série B e consequente desvalorização de sua marca, a Raposa obteve cerca de 40% a mais de arrecadação do que o segundo colocado em Minas Gerais, Atlético. Foram R$ 33,753 milhões pagos por patrocinadores em 2020, contra R$ 20,57 milhões do Galo.

Mais dois? Jogando a Série B, Cruzeiro supera Atlético-MG em bilheterias e patrocínios no ano de 2020; veja ranking nacional
Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

E não foi só em Minas Gerais que o Cruzeiro fez bonito nesse sentido, já que foi a quarta equipe do Brasil com maior arrecadação, ficando atrás somente de Palmeias, Flamengo e Corinthians. Confira o ranking nacional, com valores arredondados:

1- Palmeiras: R$ 115 milhões
2- Flamengo: R$ 95 milhões
3- Corinthians: R$ 71 milhões
4- Cruzeiro: R$ 34 milhões
5- Grêmio: R$ 33 milhões
6- Internacional: R$ 32 milhões
7- Santos: R$ 24 milhões
8- Atlético-MG: R$ 21 milhões
9- Bahia: R$ 18 milhões
10- Vasco: R$ 17 milhões
11- São Paulo: 16 milhões
12- Athletico Paranaense: R$ 14 milhões
13- Fluminense: R$ 10 milhões
14- Ceará: R$ 8 milhões
15- Fortaleza: R$ 7 milhões
16- Botafogo: R$ 6 milhões
17- Coritiba: R$ 6 milhões
18- Goiás: R$ 4 milhões
19- Atlético Goianiense: R$ 4 milhões

Para saber tudo sobre o Cruzeiro siga o Esporte News Mundo no TwitterInstagram Facebook.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top