Corinthians

Diretor financeiro do Corinthians detalha situação do clube e confirma acordo próximo com empresa de auditoria

Corinthians Timão diretor financeiro Wesley Melo
Foto: Divulgação/Corinthians

Na noite desta quinta-feira (8), a Gaviões da Fiel, principal organizada do Corinthians, realizou uma live com a participação de Wesley Melo, diretor financeiro do clube. Membro da torcida, o dirigente explicou as medidas tomadas para sanear a dívida do Timão, próxima de R$ 1 bilhão, e confirmou o acordo próximo com a KPMG, uma das principais empresas multinacionais de auditoria, consultoria e assessoria tributária.

“Hoje, o endividamento que a gente considera é de aproximadamente R$ 950 milhões. É um número relevante, que a gente precisa dar um jeito de equalizar, não só para resolver o dia a dia, que está muito difícil. Estamos trabalhando em várias frentes. Uma foi a contratação da Falconi, para nos ajudar a identificar ineficiências dentro do clube, as melhores práticas, elaborar um planejamento estratégico, revisar o orçamento de 2020, que precisa de uma revisão, e acompanhar conosco a execução”, declarou Wesley.

“Uma outra frente, que acabou saindo na imprensa, é que estamos em conversas avançadas com a KPMG. Está vindo para anos ajudar com essa dívida de R$ 950 milhões, com esse pepino de R$ 950 milhões. Vai nos ajudar na formatação de um fluxo de caixa projetado, separar quais meses tem saldo negativo, saldo positivo. Claro que temos isso, mas a KPMG é uma empresa que está acostumada a fazer esse tipo de revisão. Não é uma auditoria, é uma inspeção. A gente precisa, de fato, reduzir essa dívida, alongar, dar um fôlego, e ser honesto com cada um desses credores, que foram parceiros do clube e merecem uma satisfação. Vamos fazer algo que seja justo, chamando, mostrando e explicando qual é a situação. A gente quer honrar isso”, acrescentou.

O diretor financeiro do Corinthians ainda comentou que houve uma redução expressiva na folha salarial do elenco. Isso porque diversos contratos não foram renovados ao final do ano, o que gerou, segundo o dirigente, uma baixa de cerca R$ 2 milhões nos custos.

“Projetamos, sim, uma redução no futebol, que é o grande custo do nosso clube. Já está sendo feito. Muitos contratos não foram renovados de dezembro para cá. A folha estava em 14 milhões e pouco em dezembro. Agora, em fevereiro e março, ela já está na casa dos R$ 13 milhões. Algo em torno de R$ 1,7 milhões, R$ 2 milhões já foi reduzido, mas a gente espera uma redução maior para dar uma equilibrada”, explicou.

Confira outros temas discutidos na live da Gaviões da Fiel com Wesley Melo:

Trabalho de compliance

“Compliance é extremamente importante. Internamente, precisamos ter confiança nos nossos procedimentos. E também passar credibilidade para fora. O Dr. Herói Vicente (diretor jurídico) montou uma comissão, e eles estão encabeçando isso. Já tem uma empresa definida, está bem encaminhado. Eles fizeram uma seleção, gostei muito do que vi, o Adriano (irmão de Duilio), que é o secretário geral, também gostou muito. Vamos implementar isso, é questão de formatar o contrato. A gente está muito entusiasmado”

Contratações

“Pode ser que o departamento de futebol identifique que são necessárias uma ou duas peças-chave para formar um time competitivo. E vamos contratar, se precisar. Não adianta cortar todo o investimento e não ter um time competitivo. Vou dar um exemplo: terminamos o Campeonato Brasileiro no 12º lugar, sendo que três rodadas antes esperávamos terminar em 8º. Se a gente tivesse ido bem nas três rodadas, seria R$ 5 milhões de diferença na premiação”

Salários em dia

“Despesa de salário com os jogadores está em dia, inclusive nesse último mês acabamos pagando adiantado. Tinha um dinheiro na conta, e achamos que era importante já acertar com os jogadores, até por conta dos atrasos passados. Mas existem, sim, ainda algumas pendências do ano passado, uma parte de férias e direito de imagem. Isso está no nosso balanço. Com salário, propriamente dito, estamos em dia com os jogadores e os funcionários do clube”

Dinheiro da venda de Pedrinho ao Benfica

“Antecipamos o dinheiro e pagamos juros por isso. Fazia sentido, já que o Benfica queria pagar em vários anos. Todo esse dinheiro já veio e usamos para acertar valores do passado. Muito da polêmica foi por conta de um programa esportivo que disse que o Corinthians não pagou o empresário. Está pago, mas tinha uma pendência. Está acordado e nós vamos pagá-lo em 2022 e 2023. Foi a venda mais significativa do ano passado”

Dívida da Neo Química Arena e acordo com a Caixa Econômica Federal

“Eu diria que a dívida da Arena está bem equilibrada. Se combinar a dívida da Arena e a dívida do clube, é algo significativo. Mas se olhar a Arena individualmente, estamos em uma situação muito melhor que no ano passado. A venda dos naming rights foi extraordinária. Tem uma renegociação com a Caixa que já foi feita, está em período de formalização. Tem toda uma burocracia por causa disso, estão tomando todos os cuidados, mas o espírito da negociação já foi feito. O Corinthians quer pagar e, o mais importante, eles querem receber. Agora é um ponto de burocracia. Dentro da estrutura financeira que foi feita, tem uma SPE (Sociedade de Propósito Específico), um fundo. E essa SPE, essa entidade, está sendo auditada, algo que a Caixa pediu. A gente está aguardando. Saindo isso, a gente apresenta e deve concluir”

Para saber tudo sobre o Corinthians, siga o Esporte News Mundo no InstagramTwitter Facebook.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top