Cruzeiro

Alvimar Perrella cita Bolsonaro, celebra aprovação de SAF no Cruzeiro e alerta: ‘Não podemos errar’

Alvimar Perrella cita Bolsonaro, celebra aprovação de SAF no Cruzeiro e alerta: 'Não podemos errar'
Foto: Reprodução/Esporte News Mundo

Uma última cartada. É assim que o ex-presidente do Cruzeiro (2003 – 2008), Alvimar Perrella, trata o projeto que pretende transformar o Cruzeiro em uma SAF (Sociedade Anônima de Futebol). Ele é um dos conselheiros que vem trabalhando ativamente na comissão que trata do tema nos bastidores do clube celeste.

Em entrevista exclusiva ao Esporte News Mundo, o mais velho dos irmãos Perrella deu detalhes sobre o desenvolvimento do projeto clube-empresa, além de rebater polêmicas envolvendo ex-mandatários da equipe e comentar a chegada de Vanderlei Luxemburgo à Toca da Raposa.

— É tanta informação, tanta divulgação, em todos os meios, sobre como funciona uma SA e a vontade de tirar o Cruzeiro dessa situação, que faz que o torcedor acredite no projeto. E ele passa acreditar mais ainda quando vê que a comissão é composta por pessoas muito sérias, e que não há nenhum conflito de interesses. Pode ser que algum desses membros da comissão até venha a ser um investidor e comprar ações do clube, mas não há nenhum tipo de conflito de interesses no grupo que está nessa missão. Se, por acaso, passar na cabeça de algum desses membros que ele possa ter alguma vantagem em causa própria, ele vai ser derrotado pelo bom senso e por todos aqueles que querem o melhor. Que não haja erro na praça, porque nós não temos margem para errar mais não. O Gilvan (de Pinho Tavares, ex-presidente) e o Wagner (Pires de Sá, ex-presidente) já foderam o Cruzeiro que chega, né?!

Alvimar Perrella

Reunião que aprovou o projeto clube-empresa

Esporte News Mundo: Na última terça-feira (3), aconteceu uma reunião que julgou o projeto de implementação da SAF no Cruzeiro. A nova constituição aprovada foi pela ampla maioria dos conselheiros celestes, com 217 votos a favor, cinco contra e um nulo. Como foi esse encontro? O que vocês tiraram de proveito?

Alvimar Perrella: Foi uma reunião muito rápida. Praticamente unanimidade, né. Tivemos aí, dois por cento, dois e meio por cento só de pessoas que eram contrárias e que, infelizmente, até tentaram, através de uma liminar, impedir essa reunião. Nós estávamos bastante convictos que seria aprovado, até porque as pessoas que estavam aprovando, mesmo não sendo associados e conselheiros do clube, são grandes cruzeirenses. Pessoas com grande sucesso na vida pessoal e empresarial. Então a gente não tinha dúvida, sabe? Acaba que isso passa a ser uma referência para aqueles conselheiros que não tem tanto conhecimento sobre como funciona uma SA.

ENM: Pouco antes da reunião iniciar, houve uma tentativa de impedir o seu acontecimento. O que ocorreu?

AP: Isso aí é coisa de um conselheiro que infelizmente é sempre do contra, Luiz Carlos Rodrigues. O pai dele foi um grande dirigente do Cruzeiro, foi presidente do conselho. Que Deus o tenha em um bom lugar, era uma pessoa muito querida. Infelizmente Luiz Carlos não conseguiu o espaço que almejava no Cruzeiro e… Mas é um direito que ele tem. Ele pensa diferente e temos que respeitar. Ele e outros poucos, né? Mais quatro, cinco. O mais importante é que foi autorizada a criação da SAF. Agora cabe a essa comissão, num estudo bem minucioso e profundo, criar o projeto definitivo. Não que depois tenha que fazer várias emendas, mudanças e coisas parecidas. Eu acho que é fundamental para o futebol brasileiro, e principalmente para o Cruzeiro, que está numa situação de penumbra financeira, e precisava se transformar em SAF. Qual a maneira (de fazer isso acontecer)? A melhor maneira é estudando bastante para não errar. Nós temos exemplos de SAF de sucesso na Europa e no Oriente e também de associações desportivas sem fins lucrativos, como é o caso específico de Barcelona e Real Madrid. O Cruzeiro viveu noventa e tantos anos sendo uma associação, mas os tempos mudaram muito e agora a gente imagina e objetiva que a SAF venha realmente resolver nossa situação.

ENM: Após a aprovação da SAF, o Cruzeiro fica à espera da sanção do PL nº 5516/2019, que carece de liberação por parte do presidente Jair Bolsonaro, que indicou em entrevista ser favorável ao seu desenvolvimento. Vocês chegaram a fazer algum contato com ele a respeito?

AP: Alguns conselheiros estavam achando um tanto quanto precipitada a reunião. Eu já não via dessa forma porque já tinha visto uma entrevista na TV onde ele (Jair Bolsonaro) brincou que o Cruzeiro ia subir e disse que ia sancionar a lei sem cortes e nenhum tipo de emenda. É por isso que não houve nenhum tipo de afobamento.

Comissão por trás do projeto

ENM: Você mencionou o sucesso pessoal e empresarial de algumas pessoas que estão envolvidas com essa comissão. Eu gostaria que você falasse um pouco sobre o papel desses empresários cruzeirenses nesse momento. Na sua visão, qual é a importância dessas para o futuro do clube?

AP: Essas pessoas são importantes demais. Só o fato delas terem aceitado participar da comissão é um fato que temos que a gente tem que enaltecer e agradecer, né? Nós ainda não tivemos nenhuma revisão dessa comissão, isso acontecerá semana que vem, provavelmente na segunda-feira (9). Vai ser o início do trabalho. Acredito que com o tempo – assim, bem rápido – nós vamos chegar em um consenso. Vamos pegar as ideias de cada um. Tem empresário aí que conhece muito essa formatação, já tem experiência, sabe como é que funciona a sociedade anônima. Acho que vai ser o início de uma série de reuniões que vão definir o rumo da SA com a menor margem de erro de possível, porque nós não estamos podendo errar. A situação do Cruzeiro é tão crítica, tão complicada, que nós não podemos errar. Nós temos que acertar nessa SAF.

ENM: Essas reuniões acontecerão periodicamente a partir de agora?

AP: Não. Tudo isso nós vamos saber na segunda-feira.

Leia também: Em entrevista, jornalista Rodrigo Capelo reflete sobre clubes-empresa no Brasil e possível refundação do Cruzeiro

Oposição

ENM: Em meio a tantos conselheiros, naturalmente tem pessoas ali no meio que discordam do futuro que está sendo traçado para o Cruzeiro. Como vocês veem essa relação nos próximos passos do clube? De que forma lidam com a oposição?

AP: O número de pessoas que estão contra é tão insignificante que a gente tem que enaltecer e ressaltar só quem está a favor. Foi quase uma unanimidade. E, nesse caso, a unanimidade não é burra não, no meu ponto de vista. A unanimidade é correto para se aplicar nesse momento, porque tem que transformar o Cruzeiro em uma sociedade anônima.

ENM: E como é o seu contato com os conselheiros que votaram contra?

AP: Eu sei quem são, conheço todos. Todos já perderam eleições no Cruzeiro, são fracassados politicamente dentro do clube. Tive a oportunidade de cumprimentar um por um. Alguns eu sabia que eram contra, mas tive algumas surpresas. Pessoas muito cultas, profissionais liberais, que foram contra.

Entre os 224 conselheiros que participaram da reunião, apenas Eduardo Alberto Pinto, Fernando Torquetti Junior, Guilherme Oliveira Cruz, José Eustáquio Lucas Pereira, Luiz Carlos Rodrigues Silva Filho e Roberto Alvares Magalhães divergiram à criação da SAF.

Gilvan, Wagner e Itair

ENM: Na última semana o Gilvan publicou um vídeo rebatendo diversas declarações suas, feitas em entrevistas, se isentando da culpa pelas punições na FIFA. Você assistiu esse material?

AP: Ele foi infeliz. Perdeu uma grande chance de ficar calado. A culpa é um dos livramentos dele. Ele que comprou, fez compromisso, não pagou e deixou pra outro (Wagner), que foi tão irresponsável quanto ele, pagar. Eu vi só o resumo do vídeo. E ele foi até muito bobo falando que mora na mesma casa, que comprou com dinheiro do fundo nacional de educação, que ele mora lá até hoje… Isso mostra a incompetência dele, uai. O cara não conseguiu melhorar de vida. Se tivesse competência, já estava num lugar melhor. Sem desmerecer a casa dele, mas ele foi infeliz demais nessa declaração.

ENM: Nesse vídeo ele bate muito na tecla das dívidas na FIFA, que é algo que as pessoas discutem um pouco. Sobre quem iniciou isso, quem tem mais culpa, se é Wagner, se é Gilvan… O que você pensa a respeito?

AP: O grande problema, e de repente eu me incluo nessa omissão, é que sou contra confrontos. Eu não sou um cara polêmico e que gosta de confrontos. O Gilvan já precisava ouvir umas verdades há muito tempo. Ele enterrou o Cruzeiro até o pescoço, ali ó, pertinho da língua. Aí o Wagner e o Itair (Machado, ex-diretor cruzeirense) vieram, deram mais pazada, uma marretada, e jogaram (o corpo). Depois, pegaram a pá e acabaram de enterrar. Eu devia estar falando isso há mais tempo, mas, como eu queria o bem do Cruzeiro, a harmonia – e quero sempre, eu não queria isso. Sou completamente contra confrontos, isso é agressivo. Em momento nenhum eu falei que ele é desonesto, eu falei que é irresponsável e incompetente. E continuo pensando da mesma forma, não vou mudar. Não vou levar esse pensamento para o caixão.

Omissão

ENM: Por não dar a sua opinião em um determinado momento, você acha que se omitiu do Cruzeiro?

AP: Não, minha opinião não foi pedida. Depois que saí do Cruzeiro, em 2008, não participei de nenhuma função executiva ou deliberativa do clube, só fiz participações nas reuniões do conselho, onde nunca deixei de comparecer, e acompanhei os problemas. Quando foi solicitada minha ajuda, e não foi em uma função executiva, eu atendi, que foi agora, quando fui convidado para participar dessa comissão. Eu acho que fui muito bonzinho ao não ter falado com ele (Gilvan), sabe? Falar, falei, não falei foi com a imprensa. Falava sempre em rodas de amigos, quando o assunto vinha à tona. Cheguei a falar com pessoas de muita confiança dele, então ele sabe do meu descontentamento com a administração dele, num todo. Por três títulos nacionais ele praticamente inviabilizou a existência de noventa e tantos anos de glória do Cruzeiro.

Leia também: Cruzeiro fará duelo inédito com Brusque na Série B

Alento ao torcedor cruzeirense

ENM: Qual mensagem você deixaria para o torcedor do Cruzeiro hoje?

AP: Eu gostaria de levar um alento, uma palavra de esperança para o torcedor do Cruzeiro. O Sérgio (Santos Rodrigues, presidente do clube) pode estar errando muito, pode vir a errar muito ainda, mas ele teve a hombridade e a coragem de aceitar essa missão de ser presidente do Cruzeiro. Isso foi um ato de muita coragem. Ele trabalha muito. É o primeiro a chegar e o último a sair. De repente ele tem é que se assessorar de pessoas que sejam um pouquinho mais do meio, do ramo. Eu acho que ele acertou e errou muito na contratação de vários treinadores aí para trás, mas acertou em contratar o Vanderlei agora. Vanderlei esse que eu tive problemas em 2004, quando tivemos um atrito e eu o dispensei, mas acho que é a melhor solução pro Cruzeiro nesse momento. Falei isso inclusive para o Sérgio. Ele tem todas as condições de levar a motivação necessária para esses jogadores. Não que eles estejam desmotivados, mas ele tem um poder de agrupamento e persuasão de pessoas muito grande, e cobra muito. Às vezes o jogador dá até um pouquinho mais do que ele tem, sabe?

ENM: Com Luxemburgo no comando, acredita que é possível o Cruzeiro retornar à Série A?

AP: Acredito (que seja possível). Antes dele eu acreditava menos. Eu acho que que a tarefa é muito difícil, mas não é impossível. Temos um belo exemplo aí pra dar do Fluminense, que tinha 98% de chance cair e ganhou com Cuca seguidas partidas, parece que foram onze ou doze sem perder, e conseguiu se manter na primeira divisão. O Cruzeiro precisa de um aproveitamento por volta de 60% até a trigésima oitava rodada, que é difícil demais, mas possível.

Pedro Lourenço, Supermercado BH

ENM: E tem mais alguma coisa que você deseja falar antes de encerrar a entrevista?

AP: A gente nunca pode deixar de falar do Pedro, né. O Pedro Lourenço, que é um torcedor apaixonado, um conselheiro apaixonado, e que mais uma vez está socorrendo o Cruzeiro financeiramente, e sem nenhum interesse de retribuição, seja de qualquer forma. Mais uma vez ele ajudando o Cruzeiro, se comprometendo a ajudar a pagar os salários atrasados e a vinda do Vanderlei, que foi amenizada por ele em não sei qual proporção. E a gente acredita muito, sabe? Quando o clube tem pessoas assim envolvidas e compromissadas, pessoas que querem o bem do Cruzeiro, assim como o Pedro, a nossa esperança só cresce. Eu acho que é um momento de esperança, vejo um horizonte bem melhor.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado.

As últimas

To Top