Cruzeiro

Felipe Augusto comenta jejum de gols pelo Cruzeiro e destaca jogos difíceis na Série B: ‘Temos que dar a vida mais do que eles’

Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

O atacante do Cruzeiro, Felipe Augusto, vive um jejum desagradável sem marcar com a camisa celeste. Isso porque já são sete jogos sem balançar as redes do adversário, marca que coincide com a também sequência sem vitórias da Raposa – são oito partidas sem vencer, entre elas três derrotas e cinco empates. E, em entrevista ao canal oficial celeste no YouTube, o jogador cruzeirense comentou sobre o período sem marcar. 

Segundo ele, tem se cobrado bastante em relação a balançar as redes do adversário ou ajudar o Cruzeiro de forma mais efetiva, seja com assistência ou de outra forma, uma vez que o ataque da Raposa também tem ficado em falta – já são três jogos sem marcar gols.  

— Já são alguns jogos sem marcar. Eu me cobro bastante em relação a isso, independente de qual função esteja fazendo, me cobro bastante em estar sempre tentando marcar gols, estar ajudando, dando assistência, em estar ajudando de uma forma mais efetiva. E acho que aqui dentro do nosso grupo, todos se cobram também, ainda mais nesse momento em que a gente vive, em que a gente sabe que a gente precisa de estar marcando os gols. Mas acho que a gente só vai conseguir melhorar e mudar essa situação trabalhando, porque nós estamos criando as oportunidades nos jogos e está faltando só um detalhe, um capricho, um pouco mais de calma. Mas com trabalho e dedicação, que é o que a gente está tendo aqui todos os dias com o professor, vamos conseguir melhorar. 

Veja também: Marcelo Moreno e Adriano voltam aos treinos e ficam à disposição do Cruzeiro

Nesse cenário, Felipe Augusto destaca que Mozart, atual técnico do Cruzeiro, tem tentado ajustar esses pormenores. “Ele tem nos passado treinamentos de finalização, e acho que só assim a gente vai voltar a marcar os gols”. Ainda no quesito ataque ou resultados, o atacante da Raposa afirma que os atletas tem mantido o foco dentro de campo, sem se preocuparem com a pressão extracampo, o que, conforme ele, fica sob domínio da direção do clube. 

— A gente já tem bastante coisa para se preocupar dentro de campo, dentro da competição, que é uma competição difícil, lógico que a gente sabe que os problemas existem no extracampo, mas a gente deixa para o pessoal da direção para a gente poder estar concentrando dentro de campo e no que temos que fazer para melhorar. Lógico que bate um pouquinho de ansiedade e nervosismo por ver a situação que a gente se encontra, saber que a gente não merecia estar nessa situação, pelo time que nós temos, pela camisa que nós vestimos, mas é com trabalho. Cada dia e jogo estamos tentando evoluir, tentando seguir o que o professor tem pedido. Acho que com um pouquinho mais de capricho, um pouquinho mais de calma a gente vai conseguir estar fazendo os gols novamente. E acho que trabalhando no dia a dia as coisas estão perto de se encaixar e começar a dar certo —, disse Felipe Augusto. 

NÍVEL ELEVADO… 

Conforme o atacante, a disputa da Série B tem sido bem difícil, o que não tende a mudar daqui para frente, já que, segundo Felipe Augusto, as outras equipes tem crescido diante do Cruzeiro. Um fato que ele revela ter percebido ainda em sua época de América-MG, quando enfrentou a Raposa e buscou o seu melhor em campo. Justamente por isso, ele destaca que o elenco celeste precisa e tem que dar a vida dentro das quatro linhas ainda mais que os adversários. 

— Todo mundo que joga contra o Cruzeiro quer der o algo a mais, quer aparecer, mostrar serviço, porque independente de qualquer coisa todo mundo quer estar aqui, todo mundo quer vestir essa camisa, então a gente sabe e tem a ciência de que todo jogo que a gente for jogar na Série B vai ser difícil, independente do adversário, porque todos querem mostrar serviço diante do Cruzeiro. Eu, quando tive a oportunidade de jogar contra o Cruzeiro, quis dar o meu melhor, porque é uma camisa pesada, um clube grande e todos querem aparecer para estar aqui nesse clube, porque a gente sabe que a dificuldade vai existir, porque todos vão dar a vida contra o Cruzeiro, mas a gente tem que entrar mais preparado e dar a vida mais ainda que o adversário dentro de campo. 

Veja também: ‘De grão em grão’? Mozart tem média de um ponto por jogo pelo Cruzeiro; confira aproveitamento

Outro quesito importante, para Felipe Augusto, em busca de melhores resultados na Série B do Campeonato Brasileiro é a continuidade de um trabalho. 

— A continuidade do trabalho é importante, porque a gente, nos jogadores, começa a entender o método de trabalho do professor e começa a colocar em prática em campo dentro dos jogos, começa a ficar automático alguns movimentos, saber o que ele nos pede. Então, acho que isso é importante, acho que temos, de certa forma, evoluído em alguns quesitos com o professor Mozart. Ele tem nos cobrado, tem nos ajudado também no dia a dia, e acho que estamos por um detalhe que o resultado positivo não está vindo. Dedicação não está faltando, e assim que essa vitória vier esperamos engatar uma sequência. 

À VONTADE! 

Por fim, Felipe Augusto aproveitou para falar como se sente confortável em campo, independentemente da posição em que estiver atuando. 

— Jogando de ala eu até me senti a vontade ali. Igual eu falei uma vez, é uma posição bem parecida com a que eu jogo já. Tenho a mesma liberdade para atacar, só que acabo tendo um pouco mais de comprometimento também na parte defensiva e não tenho preferência. A minha vontade mesmo é de estar ajudando o Cruzeiro, ajudando os meus companheiros e aonde eu tiver que jogar ali, lógico que a minha função de origem sempre foi ali na ponta, no ataque, mas a gente está ali para ajudar e eu tenho me adaptado bem ali jogando na função de ala. Então, a minha preocupação mesmo nesse momento é mais ajudar os meus companheiros e ajudar o Cruzeiro —, declarou Felipe. 

Felipe Augusto, de 29 anos, chegou ao Cruzeiro em fevereiro deste ano e já esteve em campo em 27 partidas com a camisa do Cruzeiro. Ele, também, marcou quatro gols e é o atual artilheiro da Raposa na temporada, após herdar o posto de Matheus Barbosa, agora no Atlético-GO, que havia balançado as redes em sete oportunidades. 

E, em busca de quebrar o jejum de sete partidas sem marcar e também ajudar o Cruzeiro a evitar a maior sequência sem vitórias desde a queda à Série B, em 2019, Felipe Augusto deve entrar em campo nesta sexta-feira (30), às 21h30, diante do Londrina, no Mineirão, pela 15ª rodada da segunda divisão nacional. 

Para saber tudo sobre o Cruzeiro, siga o Esporte News Mundo no Twitter, Instagram e Facebook

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top