Fluminense

Fluminense espera veredito sobre sua partida contra o Junior Barranquilla após onda de protestos na Colômbia

Fred embarca com a comissão do Fluminense
Foto: Thiago Lima

O Fluminense embarcou na tarde da terça-feira (4), para o jogo desta quinta-feira (6), contra o Junior Barranquilla, pela 3ª rodada da fase de grupos da Libertadores da América. O duelo está marcado para as 19h (horário de Brasília), no Estádio Romelio Martínez. Mas, a Colômbia tem vivido nos últimos dias uma onda de protestos contra o governo que tem gerado grandes confrontos e por isso, ainda é dúvida se a partida poderá acontecer no mesmo local. Essa é a segunda vez que o Fluminense viaja para o país pela Libertadores e as duas vezes foram marcadas por problemas e incertezas.

Sabendo da situação o presidente Mário Bittencourt e o representante do clube nas entidades, Marcelo Penha, entraram em contato com a CBF e a Conmebol para confirmar se deveriam viajar mesmo. As instituições deram a confirmação de que o voo deveria ser mantido. Porém, segundo o jornalista Caio Blois, do UOL esporte, ainda hoje haverá uma reunião entre o clube, as entidades e o governo colombiano para definir com segurança o local da partida, que pode ter Assunção, no Paraguai como destino. O outro jogo do Grupo D marcado inicialmente para esta quarta-feira (6), entre Santa Fé e River Plate, que também aconteceria na Colômbia, já foi adiado e acontecerá em Assunção.

 Umas das torcidas organizadas do Junior Barranquilla escreveu uma carta cobrando o adiamento da partida em decorrência do protestos. A população colombiana foi às ruas para reclamar da reforma tributária. Em seis dias as manifestações já tem ao menos 19 pessoas mortas, dentre várias feridas.

Na semana passada para a partida contra o Santa Fé, o tricolor já havia vivido uma história parecida. Um decreto proibindo jogos em Bogotá fez a partida ser transferida para a Armenia. A comissão técnica das Laranjeiras que já estava na Colômbia teve que mudar os planos e teve alguns gastos com o imprevisto.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top