Grêmio

Grandes nomes são homenageados na Sessão Solene do Conselho Administrativo do Grêmio

FOTO: LUCAS UEBEL/GREMIO FBPA

A sessão solene do conselho administrativo do Grêmio ocorrida nesta segunda-feira (13) homenageou grandes nomes do clube ao longo de sua história. A sessão iniciou a semana de aniversário dos 118 anos de clube, foi transmitida pelo canal do Grêmio e teve junto a cerimônia da marcação do cimento da calçada da fama.

Com a presença do ex-presidente, Paulo Odone, o atual presidente do Grêmio, Romildo Bolzan Jr., falou sobre os homenageados, discursou sobre as conquistas dos personagens desta noite e sobre o sentimento de ser gremista:

— Esses 118 anos são exatamente para relembrar esses sentimentos. Não é para festejarmos, não é simplesmente para sentarmos, organizar, discursar, nos comunicarmos, mas muito antes de tudo isto que nos possibilita nos comunicar, é para a gente cada vez mais reafirmar o nosso compromisso, nossa indisponibilidade, nossa paixão, nosso amor e a nossa eterna dedicação a esse clube glorioso.

Para saber tudo sobre o Grêmio, siga o Esporte News Mundo no Twitter, Instagram e Facebook.

O conselheiro, Doutor Fernando Lucchese, falou sobre seu gremismo na infância, seu sentimento e relação com a camiseta e sobre sua história geral com o tricolor gaúcho, eis um trecho de sua belíssima fala:

— O fascínio daquela camisa me acompanhou pelo resto da vida. Depois, ao longo da vida, emocionado, quase em lágrimas, eu encontrei gremistas vestindo a camisa na praça vermelha de Moscou, na quinta avenida de Nova Iorque, no arco do triunfo, nessas ocasiões sempre sentia uma sensação de conforto, de proximidade, de vínculo maior, de pertencimento a uma família onipresente no mundo, uma família forte e vencedora.

FOTO: LUCAS UEBEL/GREMIO FBPA

Quatro ídolos tiveram seus nomes marcados na Calçada da Fama tricolor, que eterniza grandes jogadores e dirigentes tricolores; Luiz Carlos Silveira Martins (Cacalo), Luiz Felipe Scolari, Rodrigo José Galatto e Osvaldo Vital.

O ex-presidente, Cacalo, falou sobre suas inúmeras experiências no comando do Grêmio, sobre os atletas que passaram por ele e sobre seu momento favorito na história do tricolor, envolvendo uma derrota do time:

— Nós perdemos um campeonato, uma Copa do Brasil, aqui dentro do estádio olímpico para o Corinthians, vindo de uma série de conquistas. O estádio lotado e tendo perdido para o Corinthians, dentro do olímpico, foi das maiores emoções que eu tive como gremista. A torcida do Grêmio inteira, o estádio inteiro, presidente Romildo, cantava o hino do Grêmio num momento de derrota. Eu nunca tinha visto nada igual, eu nunca vi uma torcida igual à torcida do Grêmio.

Felipão foi o segundo nome a ser homenageado na noite. Scolari começou como zagueiro no Rio Grande do Sul, é um dos técnicos com mais atuações no comando do Grêmio; oito temporadas pelo tricolor e com uma grande história mundial.

— O momento que guardo e sempre será lembrado por mim, é um momento que eu vim pela primeira vez ao Grêmio em 1987, quando em Caxias, eu era treinador do Juventude, jogamos contra o Grêmio e naquele dia fui convidado a vir para o Grêmio. Foi o primeiro momento e foi o momento que eu mais me senti feliz em toda a minha vida. Não era o jogo que estava acontecendo, mas o momento do convite, da possibilidade de vir ao Grêmio. Então eu acho que esse é o momento mais importante da minha carreira — afirmou Felipão.

FOTO: LUCAS UEBEL/GREMIO FBPA

Galatto, o goleiro lendário da Batalha dos Aflitos, que defendeu o pênalti contra o Náutico e possibilitou a vitória naquela oportunidade, deixou suas mãos no cimento da calçada da fama do grêmio e falou:

— Eu tinha um sonho, sempre digo isso nas entrevistas, um sonho que era vestir uma vez a camiseta do Grêmio, uma vez, porque eu queria ter uma foto com o time principal e eu era o goleiro titular. E Deus foi tão bom comigo que além de vestir várias vezes a camiseta do Grêmio, hoje poder estar aqui botando o nome na calçada da fama é um sonho que estou realizando de criança.

O quarto homenageado, foi o ex-jogador e campeão do mundo, Osvaldo Luiz Vital, que também deixou sua marca na história do Grêmio, jogou 266 jogos pelo tricolor e 103 gols mesmo sendo meio-campista.

— A oportunidade que eu tive para vir aqui sendo contratado por um Grêmio para disputar a Libertadores, isso foi fundamental. Eu queria logo chegar, vestir a camisa e jogar, e mostrar dentro de campo a garra. Hoje em dia todo mundo veste essa camisa também com a garra, mas eu fui determinado para isso, buscar aquilo que era o título. Disputar uma Libertadores na época era difícil, mas nós formamos um grupo aí também excelente e graças a Deus fomos coroados sendo campeão da Libertadores.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top