Automobilismo

Hamilton lamenta pit stop após ser quinto: ‘Devia ter confiado no instinto’

Hamilton foi contrário à parada decisiva na volta 50 na Turquia.

Foto; Divulgação / Mercedes AMG F1

Lewis Hamilton foi para a corrida da Turquia, neste domingo, 10, com uma tentativa de recuperação. A punição de dez posições causada por troca de componente fez com que o heptacampeão largasse em 11º, com seu rival Max Verstappen em segundo.

Divulgação / F1
Divulgação / F1

O começo de Hamilton foi muito bom. Com a pista molhada e todos em pneus intermediários, o piloto da Mercedes escalou o pelotão e estava em quinto em 11 voltas. O traçado demorava a secar mesmo sem chuva, e nas voltas 35 a 37 muitos começaram a trocar para novos pneus de composto intermediário. Max parou na 36, Bottas e Perez na 37, enquanto Hamilton permanecia na pista.

Com a incerteza se a pista secaria até o fim da etapa, o líder ‘provisório’ Charles Leclerc começou a estudar a estratégia de terminar sem parar nos boxes com a Ferrari. O traçado estava ligeiramente mais seco e os pneus intermediários muito gastos praticamente viravam pneus ‘slick’, ou lisos, de pista seca. Ao mesmo tempo, Hamilton também começou a perguntar para a equipe se teria a possibilidade, já que estava há cerca de quatro segundo de Verstappen, que tinha feito sua parada.

Divulgação / F1
Disputa entre Hamilton e Perez foi decisiva para manter Verstappen à frente do rival (Divulgação / F1)

No entanto, na volta 47, Bottas ultrapassou Leclerc com facilidade pela liderança e a Ferrari parou o monegasco. Poucas voltas depois, a Mercedes insistiu em também fazer o pit stop para Lewis Hamilton, com Perez se aproximando rapidamente do britânico.

Siga o Esporte News Mundo no TwitterInstagram e Facebook

Mesmo ‘contrariado’, Hamilton foi aos boxes, saiu em quinto e permaneceu na posição até a bandeirada. Rapidamente após sair do pit, Hamilton reclamou da degradação do novo set de pneus intermediários e chegou a perder rendimento na pista, mesmo com a troca.

Após o fim da corrida, Hamilton lamentou a decisão e repetiu que não concordava com a parada na volta 50:

— Eu acabei de sair do carro e não tenho todas as informações, mas eu sinto que deveria ter ficado na pista. Meu instinto me falava pra ficar na pista e sinto que era o que deveria ter feito. Fico frustrado comigo mesmo de não ter seguido meu instinto mas trabalho como um time. Fiz o melhor que pude com o que tinha disponível hoje. Foi um bom, um ótimo trabalho dele [Valtteri Bottas]. Hoje, perdemos alguns pontos, mas isso é a vida.

Divulgação / Mercedes AMG F1
Divulgação / Mercedes AMG F1

Apesar do heptacampeão da Fórmula 1 ter o sentimento que poderia finalizar a prova com o mesmo set de pneus que começou, o diretor executivo da Mercedes, Toto Wolff, teve uma outra visão, considerando que não terminar a corrida seria um dano maior no campeonato:

— Os intermediários pareciam muito assustadores, mas pensamos que talvez conseguiríamos ficar na pista e terminar em terceiro sem parar. Mas então, vimos o ritmo do Leclerc caindo muito e Lewis também começou a cair, e ficou claro que não chegaríamos até o final. [Sobre parar antes] Seria um resultado melhor do que acabamos tendo.

Divulgação / Mercedes AMG F1
Divulgação / Mercedes AMG F1

Além de Toto Wolff, o chefe da Pirelli na Fórmula 1, Mario Isola, também destacou que, provavelmente, esses pneus de Hamilton não aguentariam até o fim da corrida:

— Olhando os pneus após o fim da corrida eu diria que não [acabaria], ou no mínimo, estariam no limite. O desgaste desses pneus, especialmente no fim da corrida, eles estavam correndo basicamente na carcaça da roda. Então é um pouco perigoso extrapolar os limites desta maneira como hoje, mas eu entendo totalmente que numa situação de corrida eles têm que maximizar os resultados.

Divulgação / F1
Hamilton foi aos boxes apenas na volta 50, à oito do fim (Divulgação / F1)

Mesmo assim, Esteban Ocon, piloto francês da Alpine, conseguiu o feito, mas numa situação bastante diferente de Lewis Hamilton, acabando apenas em décimo no grid. A comparação também é complicada pois o britânico usou o carro ao limite nas primeiras voltas, conectando volta mais rápida atrás de volta mais rápida para se recuperar no pelotão, e consequentemente, consumindo mais os pneus.

Esteban Ocon terminou com o mesmo set de pneus da largada

De qualquer forma, Max Verstappen voltou a liderar o Campeonato de Pilotos da Fórmula 1, essa que é a quarta mudança de liderança nas últimas seis corridas. Com seis pontos atrás do holandês, Lewis Hamilton terá que se recuperar na corrida dos Estados Unidos. O fim de semana em Austin, uma pista que na teoria favorece o carro da Mercedes, começa no dia 22 de outubro, sexta-feira, às 13h30. A classificação está programa para o dia 23, sábado, às 18h, enquanto a corrida é no domingo, 24, às 16h.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top