Especial

Maradona 60 anos: A história de amor entre o ídolo e a torcida azul y oro

Photo by Rodrigo Valle/Getty Images

O ano era 1980, o Boca Juniors anunciava a contratação de um jovem jogador que iria mudar a história do futebol no país. Com apenas 20 anos de idade, Diego Armando Maradona, realizava um sonho pessoal, e era apresentado oficialmente como jogador da equipe azul y oro.

Revelado nas categorias de base do Argentinos Juniors, o craque chamou atenção pelo estilo de jogo apresentado e também pelo grande números de gols marcados. Artilheiro de campeonatos importantes da Argentina e eleito o melhor jogador sul-americano em 1979, todas essas qualidades despertaram o interesse do clube Xeneize. Sua estreia foi contra o Talleres de Córdoba em 1981 e Don Diego brilhou, marcando dois gols. Sua identificação com a torcida azul y oro foi muito rápida, tal qual sua primeira passagem pelo clube. Em 1982, Diego deixou o Boca Juniors, rumo ao Barcelona (ESP).

Photo by STR/AFP via Getty Images

Já consagrado na Europa e com a Seleção Argentina, o craque retornou ao Boca Juniors em 1995 para jogar suas últimas temporadas. O camisa 10, campeão do mundo com a camisa albiceleste e ídolo de todos os argentinos, deu adeus aos gramados em 1997, com uma incrível partida de despedida.

Um ícone de La Boca

Se dermos uma breve olhada pelo bairro onde está localizado o estádio do Boca Juniors, podemos perceber a grande admiração que a torcida ainda tem por ele. São estátuas, grafites, camisetas e muita paixão dedicada a Maradona. No total foram cinco anos defendendo o time argentino, mas o suficiente para que a torcida jamais o esquecesse. A admiração é tanta, que no estádio La Bombonera é possível encontrar um camarote exclusivo para o jogador. O jornalista Félix Mangino, do site Romance Xeneize, explica essa relação:

– Ele escolheu jogar no Boca, ainda que o River Plate estivesse oferecendo muito mais dinheiro para ele. Logo que chegou já criou um vínculo muito grande com a torcida, que ao decorrer dos anos foi crescendo. O Maradona e a La 12 criaram uma relação que foram passadas de geração para geração e isso é mantido cada vez que ele pisa na Bombonera. A torcida Xeneize o leva no coração. Um dos camarotes do estádio é dele e vai pertencer para sempre a sua família, como um rito comemorativo do que ele significa para o clube.

(Photo credit should read KIM JAE-HWAN/AFP via Getty Images)

Por conta das polêmicas envolvendo o jogador e as questões do dopping, Pelusa decidiu se aposentar. Em entrevistas na época o jogador desabafou:

– Vou deixar de jogar. Não aguento mais. Esta aposentadoria é definitiva. Meu pai pediu chorando. Não posso aceitar que a minha família sofra tanto com cada controle (antidoping) e que a onda de rumores nos envolva.

Apesar da sua aposentadoria antes do esperado, Don Diego saiu idolatrado pela torcida. O jornalista Raúl Servi define:

– A passagem do Diego pelo Boca foi importante, honrável e para a torcida do Boca ele é ídolo total, fez muito pelo time. Além disso espalhou pelo mundo seu amor incondicional pelo Boca.

Era 25 de outubro de 1997, quando Maradona jogou sua última partida oficial. Com a camisa do Boca Juniors, se despediu do clube em um ‘superclásico’, contra o adversário River Plate. No estádio do rival, Boca venceu por 2 a 1. Maradona não jogou os 90 minutos, pediu para sair durante o intervalo. Caniggia entrou em seu lugar, outro que também entrou em campo foi Juan Román Riquelme, que se tornaria um dos maiores ídolos do Boca Juniors.

Para saber tudo sobre futebol internacional, siga o Esporte News Mundo no TwitterInstagram Facebook!

Clique para comentar

Deixe uma resposta

As últimas

To Top