Fluminense

Marcão trata jogo contra o Inter como ‘uma final’ e minimiza postura recuada do Fluminense

Foto: Lucas Merçon/FFC

O Fluminense venceu o Internacional por 1 a 0, no Maracanã, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro. O gol saiu logo aos três minutos em cobrança de pênalti de Fred. Depois disso, a equipe recuou demais e deu campo para os Colorados criarem. Em coletiva, o técnico Marcão tratou a partida como “uma final” pela luta direta pela vaga na Libertadores e minimizou a postura adotada pelo time depois do gol.

– A estratégia era ganhar o jogo. Era uma final. Tratamos dessa forma. O gol saiu muito cedo. Nos preparamos para isto. Desde o momento que saiu o gol, naturalmente, do outro lado tinha uma grande equipe, com jogadores de seleção brasileira. Todos com bastante rodagem. Sabíamos que nossa equipe teria dificuldade. Mas nossa equipe marcou bem, defendeu bem. Conseguimos fazer algumas transições, não terminaram em gols, mas sabíamos que eles iriam nos agredir – disse.

+ Fred iguala Pelé em gols marcados em um único clube em Brasileiros

+ Yago Felipe dedica vitória à torcida do Fluminense

Mais de 18 mil torcedores compareceram ao Maracanã nesta noite de quarta-feira. O técnico destacou a importância da presença do público apoiando a todo momento. O comandante frisou que “quando nosso torcedor joga junto, esquece”.

– Mas dar os parabéns, mérito dos nossos jogadores. Nosso torcedor entendeu que era um jogo difícil. Ficamos com pouca posse. A equipe do Internacional ficou com a bola. Mas era um jogo que precisávamos ganhar. Quando nosso time de guerreiros está conectado com a torcida, a torcida mais bonita do mundo, fica muito difícil ganhar aqui dentro da nossa casa.

– Foi mágico! Como eu falei jogo passado: quando nosso torcedor joga junto, esquece, ficamos muito fortes. E eles entenderam a dimensão que era esse jogo. Mesmo nós sendo atacados, o torcedor empurrava pra cima a todo minuto. Nosso agradecimento ao torcedor foi todos os jogadores irem lá depois do jogo e pularam e cantaram com eles. Um sinal de agradecimento por eles serem realmente o 12° jogador nessa partida e pedimos para continuarem nos apoiando na competição.

+ Mário cogita renovar com Fred e não descarta permanência de Marcão para 2022

Com o resultado, o Fluminense está em sétimo lugar, com 51 pontos, dois a menos que Corinthians, quarto colocado, e entra de vez na briga pela fase de grupos da Copa Libertadores. Agora, o Tricolor volta a campo no domingo, quando visita o líder Atlético-MG às 16h (de Brasília), no Mineirão, pela 36ª rodada do Brasileirão.

TRECHOS DA COLETIVA:

JOGO CONTRA O ATLÉTICO-MG

Vamos tentar mobilizar como se fosse jogo em casa. Iremos pegar um Mineirão lotado e a equipe do Atlético-MG lutando por título, mas vamos para fazer nosso melhor jogo e trazer pontos importantes para o Rio. A entrega tem que ser a mesma que nós temos em casa, com o apoio do nosso torcedor. Realmente o efeito casa tem feito a diferença ao nosso favor, e deram confiança essas duas vitórias para a gente buscar esses pontos fora de casa.

CALEGARI

Perdemos algumas peças importantes. Sempre falamos que nosso grupo é muito bom, tem que estar preparado, pois em algum momento será utilizado. O Calegari já tinha feito algumas partidas ali por dentro. Entendemos que, pelo fato de a equipe do Internacional ter um jogo muito forte no tripé, o Calegari entendeu isso. Fizemos um trabalhinho ontem tático e ele assimilou muito bem. E cumpriu todas as funções, da melhor maneira possível. Ele jogou, marcou com personalidade, e ganhamos mais uma peça importante, que foi um dos melhores em campo junto com os demais.

CAIO PAULISTA E WELLINGTON

São jogadores que em nenhum momento desistiram. Que jogaram um jogo desse tamanho, com esta responsabilidade e entregaram tudo para o torcedor. Sabemos que é difícil, nós que já estivemos dentro do campo. O Caio fez uma partida brilhante, de entrega. O Caio era dúvida até poucas horas da partida. Estava resfriado. Pegamos ele no vestiário, ele estava caído, e entregou tudo. O David Braz na mesma situação. O Manoel entrou em uma condição, ele é um cara incrível, nos ajudou demais. O Wellington vinha treinando e não largou em nenhum momento. Ele sabia que em algum momento poderia contribuir. Esta é nossa equipe, um correndo pelo outro, mandando energia positiva. Este o grupo que temos, com sujeitos homens, família e que tem feito a diferença.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top