Botafogo

Marcelo Cordeiro volta a cobrar dívida do Botafogo na Justiça após Ato Trabalhista do clube ser cancelado

Foto: Divulgação/Botafogo

O Botafogo teve no fim da semana passada seu Ato Trabalhista cancelado por falta de pagamento em quatro parcelas e atrasos em outras cinco, conforme o Esporte News Mundo antecipou. Com isto, cerca de R$ 10 milhões em dívidas, que estavam em curso no Plano Especial de Pagamento Trabalhista 156/2014, voltam a poder ser penhoradas individualmente. Nesta segunda-feira, Marcelo Cordeiro, ex-jogador do Alvinegro, que estava incluído no Ato, voltou a cobrar na Justiça o restante do pagamento da dívida do clube.

No fim da tarde desta segunda-feira, o juiz André Luiz Amorim Franco, da 17ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro do Tribunal Regional do Trabalho da Primeira Região (TRT-1), atendeu ao pedido de Marcelo Cordeiro.

O magistrado deu 48 horas para que o Botafogo garanta nos autos o pagamento do restante da dívida com o ex-atleta – atualmente em até R$ 738.388,20 na última atualização do valor registrada. Caso o prazo se esgote, em ato contínuo, o juiz já determinou a penhora, até o limite da dívida, nas contas do Alvinegro. A ação corre desde 2011.

A decisão pelo cancelamento do Ato Trabalhista do Botafogo foi assinada pelo desembargador corregedor Jorge Fernando Gonçalves da Fonte, e nesta segunda-feira o clube presidido por Durcesio Mello chegou a entrar com Recurso Ordinário, mas ainda não há prazo para decisão de um possível efeito suspensivo. Por enquanto, o Ato Trabalhista segue cancelado.

O problema do Botafogo com o Ato Trabalhista começou em 2020, quando por quatro meses, durante o início da pandemia de Covid-19, mais conhecido como coronavírus, o clube havia conseguido a suspensão dos pagamentos das parcelas. Entretanto, conforme o ENM antecipou em dezembro, a corregedora do TRT-1 à época havia determinado a suspensão dessa ininterrupção dos pagamentos, dando um prazo de 15 dias para a quitação da dívida atrasada, que chegava a R$ 7,24 milhões.

O Ato Trabalhista do Botafogo era vigente até 2024, com pagamentos mensais de parcelas, que no período de um ano ultrapassavam R$ 20 milhões cada ano. O Ato estava vigente desde 2015, evitando penhoras nas receitas do clube em todas as dívidas de ações ajuizadas até o fim de 2014. Com o fim do Ato, essa diluição da dívida passada não existirá mais, conforme começou a acontecer no início desta semana.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top