Mais Esportes

Minas decide não punir atitudes homofóbicas de Maurício Souza: ‘Liberdade’

Minas Mauricio Souza homofobia
Foto: Divulgação/MTC

Quinze dias depois do central Mauricio Souza publicar nas redes sociais uma foto de dois personagens homens se beijando e reclamar do desenho da DC, o perfil do Minas Tênis Clube no twitter se pronunciou sobre o ocorrido. Apesar de homofobia ser crime, a equipe do atleta alegou “liberdade”. De acordo com a lei 7.716, o indivíduo que praticar preconceito de sexualidade ou raça, etnia, religião, seja verbalmente ou fisicamente, pode pegar uma pena de um a três anos de reclusão e multa.

+ Em duelo histórico, Natal derrota o Goiás na primeira rodada da Superliga masculina

+ SESI-SP vira para cima do Campinas e estreia com vitória fora de casa na Superliga

– Todos os atletas federados à agremiação têm liberdade para se expressar livremente em suas redes sociais – afirmou o Minas Tênis Clube.

No dia 15 de outubro, Mauricio Souza voltou ao assunto e disse: “Hoje em dia o certo é errado e o errado é certo. Não se depender de mim! Se tem que escolher um lado, eu fico do lado que eu acho certo. Fico com as minhas crenças e ideais!”. O ex-companheiro Douglas Souza, assumidamente homossexual, repudiou a atitude do meio de rede e ainda ironizou a fala homofóbica do minastenista.

Siga o Esporte News Mundo no TwitterInstagram e Facebook.

NOTA NA ÍNTEGRA:

Comunicado Oficial

O Minas Tênis Clube está ciente do posicionamento público do atleta Maurício Souza, do Fiat/Gerdau/Minas. Todos os atletas federados à agremiação têm liberdade para se expressar livremente em suas redes sociais. O Clube é apartidário, apolítico e preocupa-se com a inclusão, diversidade e demais causas sociais.Não aceitamos manifestações homofóbicas, racistas ou qualquer manifestação que fira a lei. A agremiação salienta que as opiniões do jogador não representam as crenças da instituição sociodesportiva. O Minas Tênis Clube pondera que já conversou com o atleta e tem o orientado internamente sobre o assunto.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top