Cruzeiro

Jogando no Mineirão, Cruzeiro tem 56% de aproveitamento contra o Paraná

Jogando no Mineirão, Cruzeiro tem 56% de aproveitamento contra o Paraná
Vinnicius Silva / Cruzeiro

Cruzeiro e Paraná se enfrentam pela 26ª vez desde 24 de setembro de 1995, quando houve o primeiro confronto, que Raposa venceu por 2 x 1, no Estádio Pinheirão, em Curitiba. O retrospecto geral é favorável à equipe mineira que venceu 11 jogos, empatou seis e perdeu oito vezes.

No Mineirão, palco da partida desta sexta-feira (30) entre Cruzeiro e Paraná, os números também favorecem a Raposa. São dez confrontos, com cinco vitórias do time mineiro, dois empates e três triunfos da equipe paranaense, resultando em um aproveitamento de 56%. O clube celeste fez 27 gols e levou 17.

Mesmo com os números indicando superioridade ao Cruzeiro, um passado recente mostra que nem sempre foi assim. A Raposa foi praticamente um freguês do Paraná nos últimos dez confrontos, tendo seis vitórias da equipe paranaense, três empates e apenas uma vitória para a equipe mineira. Inclusive esse único triunfo azul nesse recorte do histórico foi a última vez que ambas as equipes se enfrentaram, em 2018, quando, em 27 de outubro de 2018, no Mineirão, pelo Campeonato Brasileiro,  De Arrascaeta, Rafael Sóbis e Fred marcaram e sinalizou uma vitória celeste por 3 a 1.

A última vez que o Cruzeiro perdeu para o Paraná no Mineirão foi em 2007, em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro, em um placar inusitado de 4 a 3 para os paranaenses.

Os principais artilheiros celestes no confronto são os atacantes Marcelo Ramos e Alex Alves, com cinco gols, seguidos pelo atacante colombiano Aristizábal e pelo meia Jorge Wagner, com três gols.

Cruzeiro e Paraná se enfrentam na noite desta sexta-feira, às 21h30, no estádio Mineirão, em partida válida pela 19ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. A Raposa pensa na vitória para poder ter chances de terminar o primeiro turno fora da zona de rebaixamento, enquanto a equipe paranaense luta por uma vaga no grupo dos quatro primeiros.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top