Grêmio

Felipão afirma que objetivo máximo do Grêmio é sair da zona de rebaixamento

FOTO: LUCAS UEBEL/GREMIO FBPA

O Grêmio conquistou a vitória sobre o Ceará na Arena e pôde anotar mais três pontos na tabela do Brasileirão. O resultado de 2 a 0 foi apoiado pelos gols de Diego Souza e Ferreira. Além da vitória importantíssima, o tricolor demostrou um bom futebol e deu esperanças para a torcida. O técnico, Felipão falou sobre a partida na entrevista coletiva concedida nesta tarde de domingo (12).

Para saber tudo sobre o Grêmio, siga o Esporte News Mundo no Twitter, Instagram e Facebook.

Felipão falou sobre o futuro do Grêmio, seu trabalho de recuperação da equipe, o tempo que levará para sair da zona de rebaixamento e respondeu o jornalista que disse que o Grêmio poderia buscar coisas maiores nessa temporada:

— Não, vocês estão brincando, o Grêmio é décimo oitavo, ele não pode pensar em coisa maior de jeito nenhum. Nossa coisa maior neste momento é décimo quinto, décimo sexto e olhe lá, porque neste momento as equipes também jogam e vencem, então a gente tem que fazer conta de que nós vamos estar, possivelmente, queremos agradecer a Deus, se conseguirmos daqui sete ou oito jogos estarmos brigando por uma décima quarta ou décima terceira posição, fugindo, porque as equipes também vão ganhar.

Felipão explicou os detalhes da sua opção por deixar o meia-atacante recém contratado, Campaz, no banco de reservas do tricolor e utilizar Alisson como o meia-articulador central do time no jogo de hoje:

— Ele treinou (Campaz), eu fiz a opção pelo Alisson por uma situação prática. O Campaz fez seu trabalho normal durante toda semana, e, se precisássemos ou tivéssemos uma situação diferente no jogo, ele entraria e poderia jogar, mas optamos pelo Alisson para dar um pouco mais de velocidade pelos lados do campo já que tínhamos dois jogadores velozes pelo lado e o Alisson poderia compor, em determinadas oportunidades, aquele setor.

Felipão comentou ainda sobre como lidou com o vestiário depois da manifestação da torcida gremista, que acabou com violência, apedrejamento do ônibus do time e utilização de força policial para impedir o protesto.

— Eu estava dentro do CT, sim, eu estava trabalhando, e acho que aquilo foi um episódio bobo, mas os jogadores nem comentaram sobre o assunto, nem eu comentei sobre o assunto, o que eu tinha que fazer e eles também tinham que fazer era trabalhar durante a semana que nós tínhamos para trabalhar, só isso. Foi o que fizemos e colhemos o resultado hoje, mas esperamos colher mais resultados ainda no futuro.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top