Vasco

Permanência de Benítez representa final feliz que Vasco não teve com Conca; clube buscava sucesso com meia estrangeiro desde 2007

Regularizado e já treinando com o elenco desde o início da semana, Benítez deve reestrear pelo Vasco neste sábado, contra o Coritiba, em São Januário. Por conta do tempo de inatividade (não joga desde o empate com o Fluminense, dia 13 de dezembro) o meia vai iniciar a partida no banco de reservas. No entanto, a tendência é de que seja utilizado por pelo menos alguns minutos.

Ao entrar em campo, Benítez irá recomeçar a sua trajetória no Vasco, que chegou a ser interrompida por duas semanas devido ao impasse envolvendo a sua renovação de contrato. Cedido novamente pelo Independiente, agora até o fim de junho, o argentino tem tudo para se concolidar na equipe e quebrar uma escrita que dura 13 anos.

Em 2007, um outro meia argentino se destacou pelo Vasco. Trata-se de Conca, que foi emprestado pelo River Plate por um ano. Ao fim do período, o Cruz-Maltino não conseguiu manter o jogador, que acabou indo para o rival Fluminense, onde se tornou ídolo e conquistou o Campeonato Brasileiro de 2010.

Desde então o Vasco procurou um meia no futebol sul-americano, buscando repetir o acerto que teve com o Conca. Diversos jogadores foram contratados, porém nenhum repetiu as boas atuações do argentino, até a chegada de seu compatriota, Benítez.

O “Ben 10” caiu nas graças do torcedor vascaíno com a sua técnica e entrega em campo, diferentemente de seus antecessores. O ENM relembra a passagem de outros meias sul-americanos que vestiram a camisa do Vasco.

Conca

Emprestado pelo River Plate em 2007, o meia argentino disputou 38 jogos e marcou 7 gols. Ao fim do contrato, o Vasco não conseguiu chegar a um acordo financeiro com o clube argentino, que acabou negociando o jogador com o Fluminense. Atualmente Conca está aposentado.

Matías Palermo

Assim como Benítez, o meia foi revelado pelo Independiente. Chegou ao Vasco em 2010 e assinou por três meses. Não chegou a disputar sequer um jogo oficial. No Brasil ainda passou por Vila Nova-MG, Rio Branco-AC e Bonsucesso.

Leandro Chaparro

Contratado como uma grande revelação do futebol argentino, tendo inclusive passagem pelas seleções de base, o meia chegou ao Vasco no início de 2011, após defender o San Lorenzo. Disputou apenas 11 jogos e não fez gol. Estava no grupo que conquistou a Copa do Brasil, sendo relacionado no empate em 1 a 1 contra o Athletico, em São Januário, pelas quartas de final.

Matías Abelairas

Assim como Conca, o argentino também é cria do River Plate. Foi contratado pelo Vasco em 2012 e disputou apenas quatro jogos. Um deles foi o da despedida de Edmundo, vitória sobre o Barcelona-EQU, por 9 a 1, em São Januário. O ultimo clube de Abelairas foi o Atlético Palmaflor, da Bolívia.

Santiago Montoya

Apesar de ser colombiano, o meia se profissionalizou na Argentina, atuando pelo All Boys. Chegou ao Vasco em 2013 após ser comprado por um grupo de investidores que pagou US$ 1,5 milhão (cerca de R$ 3,2 milhões na época). Ficou no clube até 2015 e disputou 50 jogos, 19 como titular, marcando 4 gols. Atualmente defende o Atlético Bucaramanga, da Colômbia.

Maxi Rodríguez

Emprestado pelo Grêmio em 2014, o meia uruguaio ajudou o Vasco a conseguir o acesso para a Série A do Campeonato Brasileiro. Foram 21 jogos, 15 como titular e 3 gols marcados. O último clube foi o Tigre, da Argentina.

Julio dos Santos

Contratado pelo Vasco em 2015, o paraguaio chegou ao clube após ter sido artilheiro da Libertadores pelo Cerro Porteño no ano anterior. Ficou no clube até 2017 e mesmo sem cair nas graças da torcida, disputou 94 partidas, 74 como titular sem marcar sequer um gol. Foi bicampeão carioca 2015/2016. O último clube foi o Cerro Porteño.

Emanuel Biancucchi

Primo de Lionel Messi, o meia argentino foi contratado pelo Vasco em 2015, após ter defendido o Bahia. Jogou apenas 10 partidas e marcou 2 gols. Hoje atua pelo Vila Nova-GO.

Escudero

Anunciado como presente de natal para a temporada de 2017, o meia argentino chegou ao Vasco após defender o Puebla, do México. Fez apenas 20 jogos, 12 como titular e marcou um gol. O último clube foi o Cuiabá, em 2019.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top