Papo com Abrahão

Trabalhos ruins de seus treinadores tranformam paulistas na piada do Brasileiro

O início do Campeonato Brasileiro tem sido um pesadelo para os clubes paulistas. Isto porque o trabalho feito por seus treinadores colocam os quatro grandes de São Paulo – pelo menos neste comneço – com sem chance alguma de serem postulantes a qualquer coisa grande no nacional. Logicamente, são apenas três rodadas, porém o que é feito até aqui vem desde o início da temporada.

Analisando caso a caso, a situação de São Paulo, Palmeiras e Corinthians é muito parecida: equipes sem quaisquer padrão de jogo, sem quaisquer boa atuação durante todo o ano e sem mostrar aspirações na temporada. O mais emblemático é o do São Paulo.

Clube que vive uma crise sem precedentes, dentro e fora de campo, não conquista uma título sequer desde 2012, resolveu mudar a sua receita de trocas de treinadores e manteve Fernando Diniz, com todo elenco de 2019 para 2020, com exceção da saída de Antony. Contudo, o tiro saiu pela culatra. O São Paulo, hoje, mostra ser um dos piores times da Série A. E a além de uma diretoria covarde que nem adianta mais debater, isto passa pelo péssimo trabalho de Fernando Diniz.

No Tricolor, o treinador teve tudo o que reclamava antes em suas passagens por Fluminense e Athlético-PR: tempo, elenco, confiança dos jogadores, paciência da torcida e impresa…. Mesmo assim, o seu trabalho vai de mau a pior. Uma equipe bagunçada, sem padrão, sem vontade, sem gana. Marcação falha, finalizações pífias. Escolhas erradas tanto quando inicia o jogo e tanto quando substitui. Isto é, quando resolve mexer – o que é raro – o faz de forma terrivelmente drástica. Se tudo deu errado e se Diniz for demitido, a culpa é única exclusiva dele. Um dos piores trabalhos já visto nos últimos anos com o elenco que tem em mãos.

No Palmeiras, campeão paulista, a muleta para Vanderlei Luxemburgo. Oito jogos contra equipes da elite em 2020: 0 vitórias. Oito atuações muito abaixo do que esse time pode oferecer. É torturante ver o Palmeiras jogar. Mas Luxa não desce do pedestal. Relembra de coisas que fez em 1990. Esquece que 30 anos depois o futebol evoluiu. Ele não. E a diretoria do Palmeiras não deverá ter muita paciência. Precisa cair logo na real que fez uma escolha ruim ao contratar o treinador.

Dos grandes da capital, o Corinthians é o que possui pior elenco. Mesmo assim, não esta muito abaixo do que a maioria do Brasil. E o pobre futebol da equipe nem de longe lembra o Tiago Nunes do Athlético-PR. Contratado para mudar a postura e a cabeça da equipe que vem de treinadores extremamente retranqueiros, Nunes cedeu e faz o seu Corinthians jogar exatamente igual o time de Fábio Carille, Jair Ventura, entre outros. É mais um, assim como Luxemburgo, que pouco aceita ser criticado. Segue com ar de superioradade a cada entrevista. E vai fazendo um trabalho pífio a frente do Corinthians, que investiu para 2020 e sequer passou da pré-Libertadores.

O Santos é um caso à parte. Sem dinheiro e com uma das piores diretorias de todos os tempos do clube, vai fazendo a cartilha perfeita que leva grandes clubes para a Série B do Brasileiro. Cuca acabou de chegar. Não acredito que consiga extrair algo de um elenco desmentelado e de uma diretoria que não tem comando algum. O Santos é uma bagunça. Ao que tudo indica, qualquer treinador que passe por lá nada poderá fazer. Basta ver o que fizeram com Jesualdo Ferreira.

A verdade ficou clara nas primeiras rodadas do Brasileiro: com esses treinadores e esse futebol pobre, os grandes clubes de São Paulo farão figuração no Brasileiro e passarão vexame. Com exceção do Palmeiras, que possui um elenco muito superior, os outros três podem até flertar em alguns momentos com a zona de rebaixamento. Graças ao seus treinadores.

*Este texto não reproduz, necessariamente, a opinião do Esporte News Mundo

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado.

As últimas

To Top