Ponte Preta

‘Vê um crescimento’, analisa Kleina após empate da Ponte Preta com Operário

'Vê um crescimento', analisa Kleina após empate da Ponte com Operário

Gilson Kleina enxergou crescimento no futebol apresentado pela Ponte Preta no empate sem gols diante do Operário, na última terça-feira à noite, no Estádio Moisés Lucarelli.

Apesar do resultado não ter sido o esperado, treinador mostrou otimismo com recuperação da Macaca na Série B do Campeonato Brasileiro.

+ Lanterna, Ponte Preta empata com Operário e segue sem vencer na Série B

“Eu acho que sim (equipe tem evoluído para mudar essa situação). É claro que os números são desfavoráveis, mas a gente vê um crescimento. Foi o que eu falei no começo da coletiva. Eu acho que nós estávamos muito mais próximos da vitória hoje que o adversário, que é um treinador que está praticamente um ano no Operário. Quando chegou lá também, pegou todo esse trabalho de ajustes. Hoje, é uma equipe já bem formatada, uma equipe que contrata pontualmente e já tem uma forma de jogar. Nós em um processo de construção”, analisou o comandante, em coletiva de imprensa.

“Então é enaltecer a entrega e o espírito, mas enaltecer também a evolução. Teve momentos em que nós melhoramos a parte defensiva, depois a parte de construção e depois a parte de verticalização. Colocamos jogadores um pouquinho para atacar a última linha para gente ter mais preenchimento de área, mas a bola não entrou. Por mais que na sua pergunta você colocou muito situação adversa, é bom salientar também que é o primeiro jogo que nós não tomamos gol. É o primeiro jogo em que nós criamos”, emendou.

AVANTE

Gilson Kleina viu como positivo o desempenho defensivo da Ponte Preta contra o Operário e pediu paciência ao torcedor da Ponte Preta com a má fase na temporada.

“Cara, é difícil você sustentar o tempo todo. O Ygor (Vinhas) eu acho que teve, no primeiro tempo, uma falta ali do Thomas Bastos e uma cabeçada, mas a gente criou mais situação. A gente tentou jogar para frente. Uma coisa que eu estou cobrando muito é isso. É o passe para frente. É a gente ter que lateralizar no momento em que a gente tem que descansar, mas é a gente poder verticalizar e conseguir achar os atletas para fazer essa criatividade. É continuar com esse empenho. A gente analisa. Eu acho que vocês podem até me ajudar nesse contexto. Você pega essa mesma rodada no ano passado. O Paraná Clube era líder”, disse.

“Se eu não me engano, CSA e Sampaio Corrêa estavam na zona de rebaixamento e inverteram depois. Quase foram buscar o G4. É o que nós temos que fazer. Agora, é claro, a cada rodada, mas a gente está fazendo os ajustes dentro da recuperação. Futebol, hoje, passa por um processo que o torcedor tem que entender. Às vezes, não é só a escolha de treinador. Tem que respeitar o processo de recuperação, jogadores que estavam na atividade, jogadores que estão pegando um ritmo de jogo e jogadores que estão se conhecendo e o entrosamento. Todos são fatores que espero que a gente possa manter para fazer também um grande jogo lá fora e trazer a vitória”, finalizou.

TABELA

Com apenas dois pontos conquistados em seis rodadas, ainda sem vencer, Ponte Preta volta a campo na Série B do Campeonato Brasileiro nesta sexta-feira, 25 de junho, diante do Brasil de Pelotas, a partir das 19h, no Estádio Bento Freitas.

Siga o Esporte News Mundo no TwitterFacebook e Instagram.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top