Esportes olímpicos

Vôlei: Brasil fecha fase de grupos com vitória arrasadora sobre Quênia

(WANDER ROBERTO/COB)

A Seleção Feminina de Vôlei venceu a Seleção Queniana por 3 sets a 0, na manhã desta segunda-feira (2), em Tóquio. O jogo, que teve parciais de 25/10, 25/16 e 25/8, foi o último da fase de grupos da competição. O Brasil, que já havia se classificado, fica em primeiro lugar no Grupo A, com cinco vitórias e onze pontos. Quênia fecha sua participação em sexto lugar, com cinco derrotas.

Siga o Esporte News Mundo no TwitterInstagram e Facebook

Carol, do Brasil, foi a maior pontuadora da partida, com 12 bolas no chão: oito de ataque, dois de bloqueio e dois de saque. Pelo lado queniano, Chumba marcou oito vezes, sendo todos os pontos de ataque.

ESCALAÇÕES

Brasil: Carol Gattaz, Roberta, Gabi, Tandara, Carol, Fernanda Garay e Camila Brait. Técnico: José Roberto Guimarães.

Quênia: Jane Wacu, Leonida Kasaya, Chumba, Ekaru, Moim, Kundu e Wisah. Técnico: Luizomar de Moura.

PRIMEIRO SET

Com todos os fundamentos e setores funcionando adequadamente, o Brasil já começou abrindo 5/1 no primeiro período e forçou o pedido de tempo queniano com 7/2 e depois aos 10/2. Sem muitos detalhes, o Brasil tinha liberdade na rede para arrematar como queria, e a Seleção Queniana mostrava sérias dificuldades na defesa e no passe. Com 18/6, Luizomar resolveu fazer suas primeiras substituições: surtiu efeito. Mais agressiva, Quênia conseguiu chegar a nove no período, mas o Brasil manteve a margem confortável de 10 pontos para fechar o set em 25/10.

SEGUNDO SET

+ Dias e horários dos jogos e competições das Olimpíadas de Tóquio

Quênia esteve à frente no placar pela primeira vez, com 2/1, mas a Seleção Brasileira rapidamente virou. O set se mostrou um pouco mais parelho, com as quenianas se portando melhor na defesa, mas o Brasil manteve o nível, com Tandara e Carol definindo as jogadas com exatidão. Com 17/8 na parcial, Zé Roberto começou a rodar o time: Ana Beatriz e Rosamaria em quadra nos lugares de Gattaz e Tandara.

O Quênia viveu um bom momento, concluindo um rally acirrado e até marcando um ace com recepção de quina de Fê Garay. A diferença desceu para cinco pontos: 19/14. Natália substituiu Garay em quadra e ajudou a fechar o set em 25/16 para a Seleção Brasileira. Destaque para Chumbo, do Quênia, que deu trabalho para a defesa brasileira, com bolas pesadas: 4 pontos no segundo set.

TERCEIRO SET

Brasil abre 4/0, com o nível mantido. O time já era quase totalmente diferente do titular, apenas com Camila Brait e Gabi de remanescentes. Rosamaria começou a se soltar em quadra e marcou o 11º ponto brasileiro contra apenas de 3 do Quênia. Com 13/4, a caçula da Seleção, Ana Cristina, de 17 anos, entrou em quadra. A jovem pontuou na diagonal, no 16/5. A maior margem no jogo foi alcançada, com 20/7. A rodagem de atletas foi bem aproveitada e ainda deu para Carol voltar à quadra e ajudar a fechar em 25/8.

QUÊNIA CRESCE COM DIFICULDADES

Quênia é uma seleção que vem se profissionalizando e deu um grande passo com a contratação do técnico brasileiro Luizomar de Moura, que já mostra diferença. O país só tem uma quadra profissional de vôlei, na capital Nairóbi, onde a seleção treina. Antes, praticavam numa quadra de areia com bolas velhas, situação que mudou com a chegada de Luizomar.

Agora, o próximo desafio da Seleção Brasileira é contra o Comitê Olímpico Russo, pelas quartas de final dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, na terça-feira (3), às 21h (Brasília).

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top