Copa do Brasil

Carille lamenta eliminação, elogia elenco e preza tempo livre de treinos: ‘Temos que buscar soluções’

Reprodução /Santos TV

Nesta terça-feira (14), o Santos perdeu para o Athletico-PR na Vila Belmiro pelo placar de 1 a 0. Com gol de Zé Ivaldo à favor dos paranaenses, o Peixe acabou sendo eliminado na fase quartas de finais Copa do Brasil.

Agora, na temporada de 2021, só resta a sequência do Campeonato Brasileiro. O time praiano ocupa a 13º colocação com 22 pontos e tenta se afirmar na parte de cima da tabela. Os santistas amargam a oitava partida sem vitória contando as três competições (Brasileiro, Sul-Americana e Copa do Brasil).

Na entrevista coletiva após o revés, o técnico Fábio Carille lamentou a derrota, abordou a quantidade elevada de desfalques perante o duelo diante do Furacão, mas, deixou claro que acredita no elenco e terá tempo de conhecer ainda mais o plantel e ajustar o time, com o objetivo de se reerguer no restante da temporada.

No diálogo, Carille descreveu que a equipe lutou muito durante os noventa minutos, mas revelou que os desfalques pesaram muito na derrota em casa. Além disso, analisou o elenco que em sua maioria é composta por jovens e, revelou que vai ter ‘sabedoria’ para conciliar a relação com os atletas.

A gente tentou, apesar de muitos desfalques. Os meninos se comportaram bem, como o Balieiro que precisou jogar de zagueiro. Temos jogadores para estrear, vão chegar para fortalecer, experientes, e isso vai ser bom para o momento. Sei que é um grupo jovem, mas temos que ir trabalhar de cabeça erguida amanhã. Com sabedoria e trabalho vamos conseguir sair dessa situação. Estou aqui há seis dias, sei de tudo isso, quero ser esse termômetro para os jovens limparem a cabeça e trabalhar bastante. O quanto antes vamos sair dessa situação” – disse o técnico.

O técnico evitou lamentar os desfalques na partida da Vila Belmiro. Mas, revelou que tentou tirar informações, com o intuito de escalar da melhor maneira à sua equipe contra os paranaenses. O professor citou o caso de Vinicius Balieiro que começou o jogo como titular atuando no setor defensivo.

“Dificilmente vocês vão ver eu lamentando ausências. Treinador tem que se preparar para isso e passar toda a confiança e o que pensa sobre o jogo, apesar de ser um dia de trabalho. É um número grande de desfalques, e a partir do momento que soube disso sentei com a comissão para elaborar as mudanças de posicionamento, como o Balieiro, que respondeu muito bem dentro de campo. Seguro e tranquilo. Com todos esses problemas acabamos tomando um gol de bola parada, onde a bola sobrou. Temos que buscar soluções, e não ficar lamentando” – comentou Fábio Carille.

Apesar da queda na competição e do momento ruim do Alvinegro no ano, o professor admitiu ter algo positivo durante os últimos dias de trabalho. Principalmente em seu início no comando do Peixe.

Tem muitas coisas positivas, sim, apesar de três treinos. Uma organização melhor, melhorar a compactação, ainda acho que o time está muito longe, e isso requer tempo de trabalho. A chegada dos jogadores que o clube contratou vai ajudar, o (Emiliano) Velázquez experiente, que vai me dar essa orientação atrás. Mas eu tenho um grupo bom. Com trabalho e organização vamos nos tornar muito fortes. A pressão na bola tem que ser melhor, já tem um entendimento, e com o tempo vai ser melhor. As trocas dos corredores, triangulações, aproximações, transições, houve, sim, uma evolução daquilo que penso, mas tem espaço para muito mais” – analisou.

Quer saber mais sobre o Santos, siga o Esporte News Mundo pelo Twitter, Facebook e Instagram.

Com somente uma competição até o final da temporada, o Alvinegro vai ter semanas livres para trabalhar. Na coletiva com os jornalistas, o comandante foi perguntado sobre esse assunto e na resposta, abordou em ter responsabilidade de todos, com a finalidade de sair desta situação.

A gente queria a classificação, passar para a semifinal da Copa do Brasil, que é tão importante. Infelizmente não aconteceu. Olhando pelo o outro lado, teremos mais tempo para trabalhar, para organizar e, sim, dar tranquilidade e blindar melhor esses jogadores. A responsabilidade é de todos nós, estamos juntos e vamos sair juntos dessa situação. É trabalho com disciplina, entendimento, e trabalhar para reverter o quanto antes, quem sabe no próximo jogo” – descreveu.

Nesta janela de meio de ano, o Santos trouxe reforços para complementar o plantel, mas a carência de alguns setores no time, especialmente um primeiro volante ainda pesa nos jogos. Sendo assim, a diretoria não encerra a procura por atletas no mercado. Na conversa, Carille admitiu que pensa e avalia novos nomes, mas elogiou os atuais jogadores de meio campo.

Nós vamos trabalhar em conjunto. Ainda não foi falado nada, desconheço qualquer conversa, com qualquer jogador. Se a diretoria tiver qualquer nome para me trazer, tentou me deixar tranquilo em relação aos dois jogos. Vamos ver o que vai acontecer nos próximos dias. Ainda estou avaliando. Logo, logo, temos o Jobson, um jogador interessante que tem uma saída de bola qualificada e uma marcação posicionada. Tem o Camacho que jogou muito bem contra o Bahia. Então junto com a diretoria vamos sentar, ver as necessidades, se tem, onde o clube pode chegar, para então pensar. Por enquanto não teve nada” – relatou.

O próximo compromisso do Santos será contra o Ceará neste sábado (18), às 21:00 (horário de Brasília), na Arena Castelão, em Fortaleza. Em jogo válido pela 21º rodada do Campeonato Brasileiro.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top