Campeonato Carioca

Por falta de enfermeiro partida termina por W.O na Série C do Campeonato Carioca

Foto: Reprodução/BRTV

Neste edição da Série C do Campeonato Carioca não é novidade que partidas sejam definidas por W.O. Entretanto nesta quinta-feira, foi a primeira vez que ele não ocorreu por falta de enfermeiro. Belford e e Independente se enfrentariam pela 4ª rodada da competição, no no estádio Antunes, no CFZ (centro de futebol Zico). Contudo por falta de profissional, o confronto não ocorreu.

Acompanha o Esporte News Mundo, no Twitter.

Na partida entre os clubes cariocas foram cerca de 20 minutos de atraso na partida para a chegada do primeiro enfermeiro. O que causa comemoração dos atletas envolvidos. Mas como a equipe médica não estava completa, e a comissão de arbitragem esperou mais 10 minutos para o segundo enfermeiro chegar. As 15h30, o segundo enfermeiro não apareceu na partida. Desta forma, o Independente venceu pelo placar de 3 a 0.

Segundo o Regulamento Geral de Competição de Federação de Futebol do Rio de Janeiro, capitulo IV, como exige o Estatuto do Torcedor em jogos de campeonatos profissionais deve ser disponibilizada UTI móvel, com a equipe completa formada por um médico e dois enfermeiros. O descumprimento desta regra acarreta na não realização da partida, consequentemente o time mandante ,é considerado perdedor pelo placar de 3 a 0

Times da Série C do Campeonato Carioca sofrem por W.O

Certamente, o W.O será o placar mais visto na quinta divisão do Campeonato Carioca. Três equipes sequer foram a campo nesta quarta rodada. Canto do Rio e EC Resende não inscreveram jogadores e foram eliminados. Já o Brasileirinho até conseguiu inscrever os jogadores, mas por falta de condições de ir a campo pela 4ª rodada e permanece suspenso desde a abertura da competição.

Desta forma, o torneiro já contabiliza 9 jogos que forma encerrados por W.O, em apenas quatro rodadas. Agora somando a falta de enfermeiro presentes no duelo entre Belford Roxo x Independente, já são 10 partidas definidas desta forma.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top