Lutas

Campeã do ONE revela de tentativa de suicídio em acidente de carro

Angela Lee (Foto: Divulgação/ONE Championship)

Angela Lee contou relato sobre acidente que sofreu em 2017

Divulgação/ONE Championship

Angela Lee é uma das lutadoras mais vitoriosas da história do ONE Championship, sendo a atual dona do cinturão do peso-átomo. Mas durante sua trajetória, viveu um drama pessoal ao qual apenas conseguiu revelar nos últimos dias.

                 

Em relato escrito pela lutadora havaiana no site ‘The Players’ Tribune’, Lee revelou que um acidente automobilístico que sofreu em 2017. na verdade, era uma tentativa de suicídio por conta de estresse que vinha sofrendo antes de uma luta. Uma história a qual recordou de todos os detalhes no texto.

Segundo a americana, a preparação para a luta vinha lhe causando diversas dificuldades, em especial no corte de peso. Temendo não conseguir bater peso para tal combate, o estresse mental começou a se fazer presente de maneiras as quais começou a considerar tomar medidas extremas contra tal.

– Estava me aprontando para uma defesa de cinturão, tudo começou a tomar conta da minha cabeça. Pressão, estresse e as expectativas passaram a me sufocar. Eu achava que aquela luta era a coisa mais importante da minha vida. Olhando para trás, eu tinha tudo o que eu queria, mas eu não sabia, Não conseguia apreciar porque eu achava que a coisa mais importante para mim era bater o peso – disse Angela Lee.

– Eu dizia para mim mesma que, seu eu não conseguisse (bater o peso), eu iria perder tudo. Como atleta, isso pode servir de motivação, mas também é uma ‘faca de dois gumes’. Cheguei a um ponto em que levei meu corpo e a mente até o limite. Não parava de pensar na vergonha que eu sentiria se não batesse o peso. Para alguém que nunca fez isso na vida, aquilo me apavorava. Tanto que chegou a um ponto em que eu vi que preferia acabar com tudo do que lidar com o problema – continuou a lutadora do ONE.

E isto acabou gerando a tentativa de suicídio, que se tornou a ‘solução’ depois de ter procurado se lesionar propositadamente para não lutar. Dirigindo numa rodovia do Havaí, Lee decidiu levar até as últimas consequências a fuga dos estresses e acabou por sofrer o acidente, do qual acabou sobrevivendo.

Para saber tudo sobre o mundo das lutas, siga o Esporte News Mundo no InstagramTwitter, e Facebook.

– Pus o pé no acelerador e quis ir o quão longe eu pudesse. Não sei a velocidade, mas era o mais rápido que eu podia. Queria bater na proteção o mais forte que eu poderia, e tudo o que eu lembro é de virar o volante, deslizar na pista e bater em algo. Depois, capotar e capotar… Quando acordei, estava tudo de cabeça para baixo e estilhaços de vidro para todo o lado. Me lembro de ficar ali, esperando e tentando pensar ‘estou viva’? – relatou a lutadora.

Angela Lee conseguiu sobreviver e começar a procurar ajuda para ajustar a sua saúde mental antes de retomar sua carreira, que quase ficou prejudicada por conta do acidente. Mas, em dezembro passado, um outro baque aconteceu com a morte da irmã da campeã do ONE, Victoria Lee, que cometeu suicídio com apenas 18 anos. O que fortaleceu ainda mais a ideia de criar algo para tentar ajudar pessoas que passam pelos mesmos problemas.

A lutadora decidiu criar uma organização, a ‘Fightstory’, na qual pessoas podem usar plataformas para dar relatos relativos à saúde mental. Saber que há pessoas que tiveram ou tem alguma história de problemas e superação quanto a isto é o que move a campeã peso-átomo do ONE Championship a carregar esta bandeira, também como forma de homenagear a irmã falecida.

– Minha irmã Victoria se matou em 26 de dezembro. Fightstory é inspirado e a vida que ela viveu. É algo que é tanto dela como meu. É algo que criamos juntas para salvar vidas e tentar fazer um mundo melhor. Queremos fazer com que as pessoas saibam que, mesmo que elas achem que estão sozinhas lidando com isso, não estão. Se você está passando por algum problema, se você está em um momento difícil e se você contempla acabar com sua vida, queremos dizer que entendemos e quero você nos diga o que sente. Não é sobre ser forte o tempo todo. Não adianta fingir que tudo está bem. Ser honesto e admitir que precisa de ajuda é uma prova de honestidade. E nós todos podemos ajudar uns aos outros – declarou.

Clique para comentar

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

Para o Topo