Santos

Eleições do Santos: conheça as principais propostas do candidato Miltinho Teixeira

Milton Teixeira Filho, candidato a presidente do Santos (Arquivo pessoal)

O Santos conhecerá seu novo presidente no próximo dia 12 de dezembro. Milton Teixeira Filho inscreveu a Chapa 2 com o lema “Tradição e Inovação”. O Esporte News Mundo entrevistou o candidato e conheceu suas principais propostas.

                 

Além de Miltinho, mais cinco nomes concorrem ao pleito: Andrés Rueda, Daniel Curi, Fernando Silva, Rodrigo Marino e Ricardo Agostinho. O ENM segue entrevistando os candidatos.

Entrevista com o candidato Miltinho Teixeira

Por que virar candidato a presidente do Santos?

Fruto de amadurecimento, reflexão, nós optamos por colocar nosso nome à disposição para não cair no erro de apoiar candidatos que não estariam preparados. Eu não faço nada sozinho, tenho uma equipe competente, disciplinada, íntegras. Queremos inovar no Santos. Temos também uma paixão pelo clube, vivemos crise institucionais, financeiras e políticas. Não podemos ser omissos. Há tempo para mudança ainda. Com o nosso grupo e pessoas que acreditam, vamos poder assumir a gestão administrativa e queremos equilibrar as finanças e colocar um time competitivo em todas as esferas.

Por que é o mais preparado para gerir o Santos?

Nós temos uma vivência de clube que nenhum outro candidato possui. Essa vivência remonta aos meus dois anos de idade, quase 40 anos vivenciamos a política do clube, os bastidores do clube. Vou mostrar nas redes sociais momentos que estivemos presentes, estivemos no dia a dia do Santos. Fui acostumado aos estudos e trabalhos. Essa experiência, essa maturidade e qualificação profissional nos dá condições de colocar o Santos de igualdade com as grandes marcas do futebol mundial. Eu sou o único candidato que está concluindo o curso de CBF Academy. É um curso de aperfeiçoamento, a CBF quer que os mandatários se aperfeiçoem, não dá para gerir um clube no achismo, não pode não ter experiência, não há espaço para colocar interesses pessoais à frente do clube.

Surto de Covid-19 no Santos: onde a diretoria poderia influenciar e tentar impedir?

Vivemos em um mundo pandêmico. Quem deve abordar isso são as autoridades políticas e sanitárias. Houve flexibilização das regras, então há casos diminuindo. Não podemos relaxar, devemos seguir as regras para que outros casos não aconteçam.

Quais as propostas para as Sereias da Vila?

O futebol feminino é uma grande oportunidade para o futebol brasileiro. Fomos pioneiros nisso. Há clubes que mantém o futebol feminino por causa da lei do Profut, precisa destinar esse percentual de investimento à modalidade. Somos incentivadores das Sereias da Vila. Não só delas, mas das categorias de base e até do marketing, porque a mulher precisa ser consumidora acima de tudo. As Sereias precisam de um centro de excelência para que possam desempenhar com maestria suas respectivas funções. Além disso, olhar e fechar parcerias com nicho específico, que abracem o futebol feminino, como empresas de coméstico, vestuário feminino. São empresas que nunca participaram e, aos poucos, estão começando a participar. É levar receita a elas. Precisamos acompanhar a tendência do mercado do futebol norte-americano e europeu. Estamos bem atrás e focar nesses mercados.

E as categorias de base? Quais são as propostas para ter mais Meninos da Vila?

Eu tenho como ideia construir um centro de excelência que esteja à altura da base e também das nossas tradições do Santos. É ter dois ou três patrocinadores para construirmos isso. O Santos sai na frente nos demais clubes, porque se você pergunta a qualquer menino onde ele quer começar, ele vai responder o Santos. Aqui ele vai ter oportunidade, a possibilidade de se aperfeiçoar, de se desenvolver. Ele tem também a chance de jogar no time profissional, com possibilidade de disputar títulos e dar retorno ao clube em segundo momento. Dar retorno a ele e à família também. É estruturar com alojamentos adequados, é ter um departamento de análise, implementação de processos internos, assistente social… Tem a parte metodológica que deve ser implementada em todas as categorias. É interligar o futsal com o futebol de campo também. Temos também como objetivo utilizar ex-atletas do clube, eles podem atuar como olheiros e eventos sociais, culturais e esportivos do clube, como nas Embaixadas. 

É a favor do retrofit da Vila Belmiro?

Claro, é uma necessidade para que o Santos permaneça entre os grandes. Temos uma ligação de amor com a Vila e o Pacaembu. Temos que entender que o público consumidor mudou. Está mais exigente. Os estádios modernizados oferecem um serviço melhor ao público consumidor. É inviabilizar estudo técnico e financeiro para a adaptação tecnológica da Vila. Vamos atingir um maior público. E não é elitizar. Os ingressos serão a preço popular. Mas também terá plataforma para grandes empresas usarem seus negócios dentro da Vila. Teremos receitas também nos dias que não tivermos jogos: bares, restaurantes, lojas, ampliação do Memorial das Conquistas, museu interativo com eventos. Uma série de possibilidades para a nova Vila Belmiro seja de visitação constante.

Como ter credibilidade com o elenco para resolver pendências como dívidas?

É só honrar aquilo que ele assume como compromisso. O funcionário tem o total direito de cobrar aquilo que foi prometido. Se o Santos não honrou, isso deve responder por isso. Não vou falar do atual presidente. Se a gente assumir, o estatuto social do Santos prevê que eles respondam pessoalmente por eventuais prejuízos causados pelo Santos. Se o atual mandatário tiver gestão temporária, deve ressarcir o clube por isso. Como adequar? Em primeiro, fazer auditoria independente, saber da situação atual do clube. Dinheiro existe, mas ele é mal gasto. A dívida a curto prazo pode inviabilizar seu fluxo de caixa, seu ato de gestão corriqueiro. Se o clube arrecadar 100, precisa gastar 80, usar 10 para amortizar suas dívidas e usar 10 pra colocar em lugar onde vai render mais dinheiro. Efetuar estudo e auditoria junto com o organograma para ver salário, função e eficiência.

Vai manter o Cuca se eleito?

Nós manteremos todos os profissionais que estão no clube. Será feito um estudo na questão salário, função e eficiência, isso inclui a comissão técnica. Não pode criticar um profissional por ausência de infraestrutura, além de falar de possíveis nomes. Isso é um desrespeito.  

Santos precisa se reaproximar do Neymar?

O Santos precisa se reaproximar de todos seus ídolos, é a nossa tradição. Temos vontade de resgatar outros bons ex-atletas, isso está ligado ao nome da nossa chapa. O Neymar está um pouco distante. Temos que entender que ele tem contrato com outro clube, deve ser respeitado. O Santos tem passado por momentos de turbulência, então, ele não quer associar seu nome à uma gestão do Santos, e não a marca Santos. O nome Santos e nome Neymar são associáveis. Temos carinho pelo Neymar e por sua família. Temos laço de cidade e time.

Clique para comentar

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

Para o Topo