Futebol americano

MVP? Calouro do ano? Quem são os favoritos para os prêmios da NFL?

NFL
Photo by Dylan Buell/Getty Images

A NFL chegou na 17ª semana da temporada regular de 2020. Depois de um longo caminho, quase todos os objetivos já foram definidos, mas ainda há desafios pessoais e coletivos pela frente. Alguns dos mais desejados são os prêmios de MVP – melhor jogador da temporada, calouro e técnico do ano.

Como os prêmios são decididos pelas apresentações na temporada regular, o último esforço para conseguir o título individual acontece neste domingo, 3. Sendo assim, o Esporte News Mundo listou as principais categorias e a opinião de cada jornalista sobre o favorito para levar o troféu para casa. Confira!

MVP

Aaron Rodgers (Green Bay Packers) – Entrando na semana 17, última da temporada, Rodgers lidera a liga em touchdowns passados com 44. É verdade que seu principal rival ao título, Patrick Mahomes, lidera a liga no quesito de jardas passadas, porém, o rating do QB de Green Bay é de 119.4, enquanto o do atual MVP do Super Bowl é de 108.2. Se Mahomes faturar o prêmio no NFL Honors, não será uma surpresa, porém vejo Rodgers mais perto de sua 3° conquista do melhor jogador da temporada. (Voto por Ettore Henrique)

Aaron Rodgers (Green Bay Packers) – O passar dos anos tem feito muito bem para Aaron Rodgers que evoluiu seu jogo. Com bons jogadores ao seu redor, o quarterback cresceu a química que já tinha com Davante Adams e fez com que a temporada de ambos fosse além das expectativas. Agora, a equipe chega na semana 17 com intenção de confirmar o merecido descanso no wildcard e decidir em casa até a final de Conferência. A sonhada chegada ao Super Bowl nunca esteve tão forte como agora com um time forte, que mostrou poder de reação e pode bater de frente com qualquer adversário em seu caminho. (Voto por Luis Feitosa)

Aaron Rodgers
Photo by Dylan Buell/Getty Images

Aaron Rodgers (Green Bay Packers) – Pilar da grande campanha dos Packers até aqui, Rodgers está mostrando nesta temporada o porquê é um dos melhores da história. Com 37 anos, o quarterback ainda joga em alto nível, mostrando precisão nos passes, força para passes em profundidade e liderança necessária para conduzir os Packers ao Super Bowl, representando a NFC.

Até aqui, Rodgers tem 4059 jardas passadas na temporada, 44 passes para touchdown (líder da NFL) e apenas cinco interceptações (menor número entre os QBs), tornando-o favorito para receber o prêmio de MVP da temporada. (Voto por Felipe Bertochi)

Aaron Rodgers (Green Bay Packers) – Cada ano que passa, o MVP escreve ainda mais o seu nome como maior ídolo da franquia de Green Bay. Saudável, o camisa 12 é capaz de carregar o time dos Packers na costas e é o que tem feito nesta temporada, com números impressionantes e marcas cada vez mais significativa. Falta mais um Super Bowl para corroborar as boas atuações. (Voto por Edsel Britto)

Jogador ofensivo do ano

Davante Adams (Green Bay Packers) – Num corpo de recebedores deficiente em Green Bay, Davante Adams é a válvula de escape de Aaron Rodgers durante as partidas. O camisa 17 foi, de longe, o recebedor mais acionado de Rodgers na campanha dos Packers até aqui. O quarterback lançou 143 bolas na direção de Davante Adams, o dobro em relação a Marquez Valdes-Scantling, que teve 60 alvos durante a temporada, segundo recebedor mais acionado por Rodgers.

Davante Adams
Photo by Stacy Revere/Getty Images

Em relação a touchdowns, Davante Adams teve 17 durante a temporada, mesmo perdendo os jogos da semana 03 e 04, contra New Orleans Saints e contra a fraca defesa do Atlanta Falcons. Adams teve, ainda, dois jogos com três recepções para TD, contra o Minnesota Vikings (Semana 08) e contra o Tennessee Titans (Semana 16). Em relação a jardas recebidas, o wide receiver teve, até aqui, 1328, o que equivale a 13 campos completos e mais 28 jardas do décimo quarto campo. Em sete jogos, Davante Adams passou das 100 jardas recebidas, sendo que na semana 07, o recebedor ficou a quatro jardas das 200 jardas recebidas, com 196.

No geral, a dominância que o recebedor impôs sob seus marcadores foi notável. A impotência das defesas perante as rotas de Adams fazia com que os marcadores de esforçassem ao máximo para conter a conexão Rodgers – Adams, o que acabava se tornando algo muito difícil. (Voto por Felipe Bertochi)

Jogador defensivo do ano

TJ Watt
Photo by Joe Sargent/Getty Images

T.J. Watt (Pittsburgh Steelers) – T.J. se mostrou ainda mais evoluído, após disputar o prêmio no ano passado, liderando a liga em sacks com 15 e tackles para perda de jardas com 23. Nesta temporada, os Steelers bateram o recorde de mais partidas consecutivas com pelo menos um sack na história (72 jogos e contando). Watt terá a chance de igualar e quebrar o recorde de sacks da franquia em uma única temporada, que pertence a James Harrison, que obteve 16 derrubadas de QBs em 2008 e faturou o prêmio de Jogador Defensivo do Ano na ocasião. (Voto por Ettore Henrique)

Calouro ofensivo do ano

Justin Herbert
Photo by Chris Unger/Getty Images

Justin Herbert (Los Angeles Chargers) – Selecionado na sexta posição geral, Justin Herbert saiu de uma incógnita na reserva para ser titular absoluto após o misterioso caso médico de Tyrod Taylor. Mesmo com os Chargers tendo uma campanha ruim com 4 vitórias em 15 jogos, o quarterback teve um desempenho formidável que ficou ainda mais evidente com a lesão de Joe Burrow. Sem um concorrente a mesma altura, o camisa 10 caminha à passos largos para o troféu importante que impulsionará a promissora carreira em Los Angeles. (Voto por Luis Feitosa)

Calouro defensivo do ano

Chase Young
Photo by Patrick McDermott/Getty Images

Chase Young (Washington Football Team) – A segunda escolha geral do último Draft da NFL teve seu trabalho reconhecido. A boa temporada por Washington fez com que Young ganhasse vaga no Pro Bowl ao somar 40 tackles e 4 fumbles forçados até a semana 16. Os números especiais aliado ao potencial do defensive end deixam Chase Young como um nome que deve ter ainda mais destaque nas próximas temporadas. (Voto por Luis Feitosa)

Técnico do ano

Brian Flores (Miami Dolphins) – Na temporada passada, a primeira sob o comando de Brian Flores, a equipe do Miami Dolphins terminou o campeonato com um recorde de 5-11. Na época, a campanha já havia sido considerada muito boa devido ao número de vitórias em relação ao fraco elenco dos Dolphins. O recorde possibilitou a franquia de Miami a draftar o quarterback Tua Tagovailoa, um dos principais prospectos da posição no Draft de 2020. Tagovailoa foi o segundo QB a ser draftado, atrás apenas de Joe Burrow (draftado pelos Bengals).

Um dos aspectos que caminham junto com Flores pelo título de técnico do ano é justamente a forma como o técnico lidou com Tagovailoa na NFL. O quarterback iniciou a temporada no banco, sendo backup do veterano Ryan Fitzpatrick. Tagovailoa estreou na liga na semana 06, contra o New York Jets. Na semana seguinte, Tua foi titular pela primeira vez na vitória dos Dolphins contra o Los Angeles Rams. Na campanha dos Dolphins até aqui, Brian Flores foi categórico quanto aos momentos de colocar Tagovailoa e Fitzpatrick nos jogos. Quando Tua estava mal, Fitzpatrick entrava no jogo para colocar o toque de experiência necessário para os momentos, como por exemplo no jogo da semana passada contra o Las Vegas Raiders, em que Tagovailoa tinha problemas contra o passe em profundidade, então Flores colocou Fitzpatrick no jogo, que conectou passes em profundidade para possibilitar a vitória dos Dolphins.

Brian Flores NFL
Photo by Michael Reaves/Getty Images

Além da forma em como lidar com a situação dos QBs, Flores comanda um dos times mais ajustados da NFL. Com um calendário difícil, em que enfrenta duas vezes Buffalo Bills e New England Patriots e, além disso, este ano está enfrentando os times da fortíssima NFC West, os Dolphins estão com uma campanha com recorde de 10-5, disputando uma vaga nos playoffs com Baltimore Ravens, Cleveland Browns e Indianapolis Colts, que também estão com o mesmo recorde.

Mesmo com um jogo terrestre deficitário e um corpo de recebedores mediano, a defesa de Miami se sobressai nos jogos, principalmente a secundária, com nomes como Xavien Howard, Byron Jones e Eric Rowe. Vale ressaltar que essa secundária forçou três interceptações de Patrick Mahomes na derrota dos Dolphins contra o Kansas City Chiefs.

No geral, a solidez de Miami e a coesão entre ataque e defesa, mais a possível classificação para os playoffs, contribuem muito para a escolha de Brian Flores para técnico do ano na NFL. (Voto por Felipe Bertochi)

Comeback Player of The Year (Jogador que deu a volta por cima)

Alex Smith NFL
Photo by Justin K. Aller/Getty Images

Alex Smith (Washington Football Team) – O prêmio que homenageia um jogador que tenha retornado de lesão em temporadas passadas, não poderia ter outro dono, moralmente, que não Alex Smith. Apesar de ter estatísticas e vitórias inferiores ao seu principal concorrente ao título, Ben Roethlisberger, a história de superação do QB de Washington é digna de filme de Hollywood. Em novembro de 2018, o QB do então Washington Redskins fraturou a tíbia durante um sack. Devido a complicações e infecções, Smith correu risco de ter sua perna amputada e até de perder sua vida ao passar por 17 cirurgias de reparações em sua perna direita e de contrair septicemia. Muitos médicos tiveram o receio que seria complicado para o QB retornar a andar, mas ele fez muito mais que isso. No dia 11 de outubro de 2020, quase dois anos após sua lesão, Alex Smith finalmente voltou a pisar no gramado de um jogo da NFL, em uma derrota para o Los Angeles Rams. Porém, Smith conseguiu liderar a equipe à liderança da NFC Leste e vencer os até então invictos Pittsburgh Steelers, dentro do Heinz Field. (Voto por Ettore Henrique)

Siga o perfil do Esporte News Mundo no TwitterInstagram e Facebook.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top