Santos

Santos quita dívida por Leandro Damião após quase 10 anos

Leandro Damião (Photo by Friedemann Vogel/Getty Images)

Utilizando o dinheiro da venda de suas joias, o Peixe pagou a Doyen Sports.

Photo by Friedemann Vogel/Getty Images

O Santos quitou a dívida que possuía com Doyen Sports pela contratação de Leandro Damião. O Peixe utilizou do dinheiro arrecadado após vender os atacantes Ângelo e Devid Washington, ambos ao Chelsea, para antecipar o encerramento da dívida, já que o prazo era até dezembro deste ano, data em que a dívida completaria 10 anos.

                 

Em 2019, a dívida com o fundo responsável pela contratação do centroavante deveria ter chegado ao fim, pois o Peixe deveria ter pago a última parcela, no valor de cinco milhões de euros. No entanto, o pagamento não foi efetuado, logo, o débito aumentou para 15 milhões de euros.

As contas santistas chegaram a serem bloqueadas pelo não pagamento. Em 2021, já na gestão de Andres Rueda, o Santos entrou em um acordo com a Doyen para diminuir a dívida para 8,25 milhões de euros e parcelar até dezembro deste ano.

+ Para saber tudo sobre o Santos, siga o Esporte News Mundo no Twitter, Facebook e Instagram

Leandro Damião foi anunciado como novo camisa nove do Santos em dezembro de 2013. Na época, o fundo de investimentos Doyen Sports pagou 12 milhões de euros (cerca de R$ 42 milhões em 2013) ao Internacional e repassou o atleta ao Alvinegro Praiano.

O valor deveria ser devolvido durante a vigência do contrato, com juros anuais de 10%. Em caso de proposta recebida, o Santos poderia recusar, mas teria que pagar ao Doyen um valor semelhante ao da proposta. Se o vínculo se encerrasse sem que Damião fosse vendido, o clube deveria pagar 18 milhões de euros à parceira.

A passagem do atacante pelo Peixe foi ruim e, em 2015, foi emprestado ao Cruzeiro. Naquele ano, Damião buscou a rescisão contratual com o Santos por meio de uma ação na Justiça do Trabalho.

Em 2016, Santos e Leandro Damião se acertaram em um acordo no TST (Tribunal Superior do Trabalho). O clube pagou R$ 4,5 milhões ao atleta, que foi emprestado ao Real Betis, da Espanha.

O atacante não tinha mais clima para atuar no Peixe e em 2018 foi emprestado a Flamengo e Inter, antes do fim do contrato no final daquele ano. O fundo Doyen foi à Justiça ao ver que o Santos não cumpriria o pagamento.

Em dezembro de 2017, o Santos se comprometeu a pagar 23 milhões de euros (R$ 88 milhões naquele momento) ao fundo de investimentos. O negócio envolvia outras quatro dívidas com a Doyen, pelos atletas Daniel Guedes, Gabriel Barbosa, Geuvânio e Lucas Lima, além de Leandro Damião.

Por fim, o Santos encerrou um dos dez problemas elencados pela atual gestão a serem resolvidos durante o mandato. Andres Rueda cumpriu seis dos dez itens selecionados.

Clique para comentar

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

Para o Topo