Copa do Brasil

Morínigo demonstra insatisfação e declara: “Não podemos permitir não ganhar”

Gustavo Morínigo Coritiba
(Foto: Coritiba/Divulgação)

O técnico do Coritiba, Gustavo Morínigo foi novamente alvo de críticas por parte da torcida após a derrota para o Flamengo no jogo desta quinta-feira (10), pelo jogo de ida da terceira fase da Copa do Brasil. O time comandado pelo paraguaio não chegou ao gol adversário na primeira etapa e pouco criou no segundo tempo. Gustavo Morínigo foi para a entrevista de praxe após o jogo para tentar explicar a complicada situação que o Coritiba se encontra.

Coletiva do técnico

Na primeira etapa, o Coritiba praticamente não fez jus ao mando de campo; mesmo com a clara disparidade dentro dos elencos, o Coritiba não chegou ao gol do Flamengo. Para o início da segunda etapa, o técnico Gustavo Morínigo realizou três substituições, colocou Dalberto, Tailson e Waguininho, fazendo assim o Coxa chegar mais próximo de incomodar a defesa Rubro Negra. Sobre as modificações e a partida de volta na casa do Flamengo, o técnico explicou: ” — Bom, o primeiro tempo foi ruim. Não conseguimos ter a possa de bola, que era a intenção no primeiro tempo, para conseguirmos tirar o perigo de nossa área. O Flamengo trabalhou na pressão, trabalho muito bem o movimento com a bola; sabíamos que enfrentaríamos jogadores com muita qualidade e não foi nada mais do que isso. O segundo tempo, sim, jogamos com um pouco mais de pressão, com um homem a mais de velocidade e pressionando um pouco mais. Não era o resultado que queríamos; sabemos que enfrentamos um time que é multicampeão e pelo menos no segundo tempo demonstramos que podemos disputar.

Durante a partida existiram inúmeras diferenças que acabaram construindo o resultado. Mas a diferença técnica e física foram as mais claras dentro de campo, Morínigo comentou sobre a situação, principalmente no primeiro tempo: ” — No primeiro tempo foram as duas, físicas e técnicas, não passaram as duas partes, não conseguimos solucionar os problemas; tivemos que marcar muito abaixo, que não era a intenção e quando recuperávamos a bola, perdíamos muito rápido. Então, a ideia nós mudamos no segundo tempo, não conseguimos reverter o marcador mas acreditamos que foram melhores as coisas, apesar de não empatarmos, pelo menos.”

O Coxa entrou em campo com três volantes e do meio para a frente com Robinho, Rafinha e Léo Gamalho comandando o ataque; a troca de Waguininho por Robinho na escalação titular era um óbvia estratégia do técnico paraguaio para tentar povoar melhor o meio de campo e distribuir melhor as jogadas. O técnico comentou sobre o fato da estratégia não ter dado certo: ” — Bom, no primeiro tempo foi a posse de bola, não sabíamos o que queríamos, não forçamos, não tomamos efetividade na bola parada, mas sofremos com a bola parada, no caso no gol deles; as possibilidades no segundo tempo foram melhores, mas não foram certeiras.”

+ Veja a atuação do Coritiba contra o Flamengo

O segundo tempo foi completamente diferente, a entrada de três atacantes foram mais efetivos do que aqueles que estavam dentro de campo. Dos três que entraram, Dalberto e Tailson não entram com tanta frequência no time Alviverde; para uma sequencia na Série B, o técnico comentou sobre a utilização dos jogadores: ” — Sim, não somente para mim, mas para eles também, para tomarem um pouco mais de confiança, ritmo e eles trabalharam muito bem. Os três que entraram e os dois que entraram depois, todos o time trabalhou como equipe, foi um segundo tempo muito melhor do que o primeiro. Mas serve para nós, serve os jogadores e serve para qualquer componente desta equipe que possa ter oportunidade e que quando tenha, que aproveite ela muito bem.”

Ainda sobre a primeira etapa, o técnico comentou sobre as duas diferenças de estratégia para os tempos distintos: ” — A estratégia para o primeiro tempo era ter mais posse de bola, como não conseguimos, tivemos que jogar com a defesa muito baixa e com jogadores com característica diferentes, algo que precisamos para essa equipe e esse tipo de jogo. No segundo tempo, mudamos a ideia. Nós mudamos a ideia para ter jogadores com um pouco mais de velocidade, um pouco mais de pressão, para pressionar um pouco mais e infelizmente não conseguimos reverter o placar, mas tivemos um segundo tempo melhor.”

O técnico comentou sobre a falta dos jogadores que foram contratados e ainda não estrearam pelo Coxa, como o caso do Willian Totó, Henrique, Edson Carioca e Gustavo Bochecha: ” — Bom, são jogadores que ainda estão em processo de recuperação e por isso não estão treinando com a equipe. Acredito que amanhã já ingressaram alguns e nesta semana já estão ingressado a maioria; com isso teremos muito mais competitividade, somente isso.”

Sobre o Coritiba não conseguir a efetividade que o técnico tanto esperava, o paraguaio comentou sobre a mudança e a retirada de jogo do artilheiro do time, Léo Gamalho: ” — São opções que cumprem duas funções. Funções que marcam e jogam; e não conseguimos ter essa função no primeiro tempo com o Léo. Acabamos deixando muito espaço, por falta de um extremo que voltava para marcar, então, as opções diferentes, com jogadores que correm muito como Dalberto, um pouco mais de velocidade com Tailson e o Waguininho que sempre cumpre a dupla função de marcar e jogar dentro da área.”

O Coritiba ainda tem muitas carências na equipe; lateral esquerda, meio de campo, mas nenhuma das ausências incomoda tanto o técnico Gustavo Morínigo como a falta de um extremo de velocidade. Sobre a ausência de um jogador dessa posição e como pretende armar o time para as próximas partidas, Morínigo declarou: ” — A questão é que temos que separar as coisas: sofrer na parte defensiva se pode trabalhar bastante e nós vamos trabalhar. Agora na última parte, na parte de finalização e ter jogadores que rompem linhas, estamos procurando sobre esses jogadores, temos alguns. E tem pessoas no processo e eu sou testemunha, que muita [vontade] da diretoria e muito dos gerentes desta área para encontrar esse jogador e saem que é difícil, é uma posição que todos os jogadores bons, estão jogando a primeira divisão. Seguimos trabalhando, seguimos lutando com o que temos, seguimos esperando e é questão de não abaixar a guarda e continuar. E pensar nos resultados, é isso que está faltando. Não podemos permitir não ganhar.”

O Coritiba volta ao Couto Pereira no domingo (13), às 20h30, contra o Londrina, pela 3ª rodada da Série B.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top