Futebol Internacional

Mundo do futebol lamenta morte de Gianluca Vialli; veja repercussão

Gianluca Vialli, ex-atacante e auxiliar técnico da seleção da Itália
Marco Luzzani/Getty Images

O ex-atacante Gianluca Vialli morreu nesta sexta-feira (6), aos 58 anos, em decorrência de complicações causadas por um câncer no pâncreas. Diagnosticado inicialmente em 2017, o próprio Vialli chegou a dizer que estava curado em 2020, mas a doença voltou um ano depois. Nascido em Cremona, norte da Itália, o ex-jogador atuou pela Cremonese, Sampdoria, Juventus e Chelsea, além da Seleção da Itália, com diversos gols marcados, jogos históricos e conquistas lembradas até hoje. Atualmente, Vialli era auxiliar de Roberto Mancini no comando da Squadra Azzurra até a primeira quinzena do último mês de dezembro, quando se licenciou das funções para se dedicar exclusivamente ao tratamento da doença.

                 

Siga o Esporte News Mundo no Facebook, Twitter, YouTube, Instagram, Koo e TikTok.

A notícia abalou o futebol, principalmente a Itália, país onde nasceu e viveu boa parte de sua trajetória como esportista. Jogadores, companheiros de elenco em sua era como profissional e presidentes de órgãos nacionais e internacionais manifestaram sua tristeza e seus sentimentos de pesar ao longo do dia. Durante a rodada do fim de semana do Campeonato Italiano, todos os jogos terão um minuto de silêncio em homenagem póstuma ao ex-atacante. Abaixo, veja repercussão da morte de Vialli.

Gabriele Gravina, presidente da Federação Italiana de Futebol (FIGC)

“Estou profundamente triste. Esperava até o fim que ele pudesse fazer outro milagre, mas me conforta a certeza de que o que ele fez pelo futebol italiano e pela camisa da Azzurra nunca será esquecido. Gianluca Vialli foi uma pessoa esplêndida e deixa um vazio que não pode ser preenchido, na seleção e em todos aqueles que apreciaram suas extraordinárias qualidades humanas.”

Lorenzo Casini, presidente da Lega Serie A

“Com profunda dor e comoção, a Lega Serie A se junta à família de Gianluca Vialli, o protagonista indiscutível do futebol italiano e mundial. Gianluca lutou arduamente, deixando uma lição de vida inesquecível, e sempre lembraremos dele como um homem que enfrentou firme uma doença terrível. Ele, assim como Siniša Mihajlović, trilhou bravamente um caminho difícil, dando um exemplo que ajudou muito a todos. Foram campeões dentro e fora de campo.”

Mauro Balata, presidente da Lega B

“Lamento a morte de Gianluca Vialli, um grande homem do esporte, que tanto deu ao futebol e que fez milhões de italianos se alegrarem. Eu me junto a todos os associados da Lega B à imensa dor da família e de todos os italianos que o amavam.”

Marcel Vulpis, presidente interino da Lega Pro

“O mundo do futebol lamenta a morte de Gianluca Vialli. Foi um grande atacante, um técnico apreciado e um grande homem que enfrentou a doença com dignidade e força. Como jogador de futebol, Vialli disputou 20 temporadas como profissional, entre Serie A, Serie B, Serie C, Premier League e copas europeias. Com a Itália, foi medalha de bronze na Copa do Mundo 1990, prata e bronze na Euro Sub-21 em 1984 e 1986. Com a Azzurra, disputou 59 partidas e marcou 16 gols. Como chefe de delegação da seleção italiana, ganhou a Euro 2020. O presidente interino Marcel Vulpis, toda a Lega Pro e seus clubes se reúnem em torno da família de Vialli e expressam suas mais profundas condolências pela morte de Gianluca.”

Giancarlo Abete, presidente da Liga Nazionale Dilettanti (LND)

“O presidente Giancarlo Abete, o Conselho Diretivo da LND e todo o mundo amador participam com profunda comoção do luto pela morte de Gianluca Vialli, símbolo autêntico e vitorioso do futebol. Vialli representou e continuará representando uma referência profissional e moral para o esporte e para o mundo do futebol. Para relembrá-lo, a Federação Italiana (FIGC) estabeleceu um minuto de silêncio a ser observado antes de todas as partidas do campeonato de futebol marcadas para o próximo fim de semana até segunda-feira, 9 de janeiro.”

Paolo Armenia, diretor-geral da Cremonese

“Eu tive a sorte de conhecer Gianluca Vialli. Hoje em dia, o uso da palavra ‘exemplo’ é abusado, mas tudo o que ele fez incorpora a definição. Um senhor de outros tempos, capaz de enfrentar as dificuldades que encontrava com uma sensibilidade que tornam ainda mais amargas e sentidas as lágrimas que derramamos, porque hoje nos deixa uma pessoa fantástica e única. A sua memória indelével deve ser um grande ensinamento para todos nós, é a melhor forma de honrar a sua memória.

Sampdoria: “Um amor que não vai morrer”

Já há quem o imagine entre Paolo Villaggio e Vujadin Boškov, feliz por voltar a abraçá-los, mas igualmente maravilhado por voltar a vê-los tão cedo. Sim, em breve Luca. Cedo demais. Dizem que você nunca está pronto para se despedir de um companheiro de viagem e, infelizmente, isso é verdade. Seu companheiro de viagem – como você havia decidido chamá-lo – o fez descer do trem aos 58 anos, furtando-se de uma forma vergonhosa para novos horizontes e objetivos. Um bilhete para a vida que, afinal, valeu um pouco para todos os torcedores da Sampdoria.

Percorremos um longo caminho juntos, crescendo e buscando, vencendo e sonhando. Você chegou garotinho, nós o saudamos. Nós nos lembraremos de você como um menino e um centroavante implacável, porque os heróis são todos jovens e bonitos, e você, desde aquele verão de 1984, tem sido nosso herói. Forte e bonito, com aquele 9 estampado nas costas e a bandeira da Itália costurada no coração. Líder mais forte da Sampdoria, emparelhado na frente com seu gêmeo Bobby Gol (Roberto Mancini). Em três palavras: um de nós.

Uma percepção que permaneceu depois de se despedir de Gênova e da Curva Sul em lágrimas. Isso mesmo: enquanto levantava troféus pela Europa com diferentes cores, agasalhos e roupas, Gianluca Vialli era sampdoriano e os sampdórios estavam com Gianluca Vialli. Com você, na vitória e na derrota, na saúde e na doença. Em Berna como em Gotemburgo, em Marassi em 19 de maio de 1991 como em Wembley um dia e um ano depois. Ou como novamente em Wembley, mas em julho de 2021: estávamos todos naquele abraço em Mancio, naquele choro que nunca esqueceremos.

Não esqueceremos seus 141 gols, seus chutes, suas camisas da Caxemira, seu brinco, seu cabelo loiro platinado, sua jaqueta dos Ultras. Você nos deu tanto e nós lhe demos tanto: sim, foi amor, recíproco, infinito. Um amor que não vai morrer hoje com você. Continuaremos a amá-lo e adorá-lo porque – como você bem sabe – você é melhor que Pelé. E porque, apesar de tudo, nossa bela estação estará destinada a nunca acabar. Continuará brilhando naquele céu circundado de azul no qual você, Luca, assinou para sempre. “Para quem? Para nós.”

À sua esposa Cathryn, às filhas Olivia e Sofia e a toda a família Vialli, as mais sentidas condolências.”

Juventus: “Que tristeza infinita… Que dor”

“Que tristeza infinita, Gianluca. Hoje, 6 de janeiro de 2023, chega a notícia que esperávamos nunca receber. Um campeão, aliás, uma lenda, um grande homem, um pedaço de nós e da nossa história nos deixa.

Sempre estivemos com você, Gianluca. Desde que você chegou em 1992, foi amor à primeira vista. Você foi uma das primeiras peças de uma Juve que teria voltado, junto contigo, ao topo da Europa. Amamos tudo em você, absolutamente tudo: seu sorriso, ser campeão e líder ao mesmo tempo, em campo e no vestiário, seu adorável jeito gascão de ser, sua cultura, sua classe que você mostrou até o último dia como bianconero.

Nossos melhores momentos daqueles anos levam inevitavelmente a algo que te diz: aquela exultação na virada contra a Fiorentina em 1994, quando todo o estádio estava envolto em um estrondo e você não, você pegou a bola e disse: ‘Vamos vencer’. E nós sabemos como isso acabou. Aquela taça, que você ergueu ao céu numa noite quente de Roma, intercalando com aquele momento infinito um choro amargo que começou no momento do pênalti decisivo, E aquele grito era nosso: muito doce, imparável.

Mas nós dissemos: sempre estivemos com você e, portanto, também depois de nossa história juntos, acompanhando você com um largo sorriso quando você trouxe um novíssimo modelo italiano para a Inglaterra, dentro e fora de campo, e só agora entendemos o seu pioneirismo. E então, nós últimos anos, travando a última batalha com você, comovendo com você quando, em excelente forma, você levantou a Euro, coincidentemente em Londres, em 2021. E mesmo assim, levantamos essa Copa juntos, depois de tanto tempo. Sofremos sempre com você, vivemos a ansiedade destas últimas semanas. E, novamente no fim, tivemos que chorar, mas não de alegria desta vez.

Não somos originais em confessar a você que não sabemos como administrar um mundo sem Gianluca Vialli, embora saibamos que, como sempre estivemos com você, agora será você, para sempre, com sua família, a quem mandamos um forte abraço, e com a gente. Mesmo que isso não nos conforte, pelo menos não agora. Que dor, Gianluca.”

Todd Boehly, dono do Chelsea

“Realmente este é um dia terrível para o Chelsea Football Club. A lenda de Gianluca Vialli viverá em Stamford Bridge. Seu impacto como jogador, treinador e, mais importante, como pessoa, ficará para sempre escrito na história do nosso clube. Enviamos nossas sinceras e profundas condolências à sua família e a seus amigos.”

Genoa, arquirrival da Sampdoria: “Campeão a ser admirado

Lorenzo Insigne, atacante do Toronto FC e da Seleção Italiana

“Tão verdadeiro e tão importante. Obrigado Luca. Um período fantástico, uma memória para sempre!”

Franco Baresi, ex-zagueiro do Milan e da Seleção Italiana

“Como dói esta notícia. Você foi um gigante dentro e fora de campo. Fará falta a todos. Adeus, Luca. Descanse em paz.”

Walter Zenga, ex-goleiro de Internazionale, Sampdoria e Seleção Italiana

Adeus, Luca. Quero lembrar de você assim. Descanse em paz, meu amigo. Você vai fazer muita falta. Estou te vendo na Sky (canal de TV italiano) e não acredito. Ainda não acredito.”

Fedez, rapper italiano também acometido de câncer no pâncreas

“Nunca nos conhecemos pessoalmente, mas você me deu tanto. Chorei com você ao telefone, embora nunca tenha te visto pessoalmente. Tínhamos planejado nos encontrar para nos fotografar mostrando as cicatrizes um do outro, mas não foi possível.”

Alessandro del Piero, ex-jogador da Juventus e da Seleção Italiana

“Nosso capitão. Meu capitão. Sempre. Adeus, Luca.”

Manuel Locatelli, meia da Juventus e da Seleção Italiana

“Adeus, Gianluca. Cada frase sua, cada comportamento seu e cada ensinamento seu sempre levarei sempre comigo. Para mim você foi, é e sempre será um exemplo. Eu te amo. Boa viagem.”

Javier Zanetti, ex-lateral e atual vice-presidente da Internazionale

“Você era classe, elegância, respeito. Dentro e fora de campo, todos os dias. Seu sorriso ficará para sempre. Descanse em paz, Gianluca.”

Giovanni Malagò, presidente do Comitê Olímpico Nacional Italiano (CONI)

“O esporte italiano e o futebol em particular perderam um campeão, mas, acima de tudo, um homem de peso. Não há palavras para descrever a tristeza que se abateu sobre todos nós agora. Seu abraço em Wembley com Roberto Mancini na Euro do ano passado continua sendo uma imagem indelével dos valores do esporte inspirados no Olimpismo. Mas, por isso mesmo, há outra imagem que gostaria de recordar. A de 26 de fevereiro de 2006, quando Vialli, junto com outros ilustres campeões, carregou a bandeira olímpica durante a cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Inverno em Torino 2006, o único jogador de futebol a ter essa honra. Em meu nome e em nome do esporte italiano, estou próximo da família, lembrando as infinitas emoções que Vialli nos transmitiu. Adeus, Gianluca.”

Aleksander Čeferin, presidente da Uefa

“Um homem que nos deixa quando ainda é jovem é sempre motivo de grande tristeza. Todos os membros da família do futebol sentirão uma dor real e um sentimento de profunda consternação. Gianluca foi mais que um campeão. Foi gentil, comedido, respeitoso e corajoso acima de tudo, mais na vida do que no campo, como nos ensinou nos últimos anos através de sua luta digna contra a doença. Sempre nos lembraremos de seu esplendor nos tantos troféus que conquistou, até a imagem final, quando abraçou o amigo Roberto Mancini no meio do campo em Wembley – um momento de emoção no mais belo e brilhante de todos os triunfos. Ele fará muita falta.”

Zvonimir Boban, ex-jogador do Milan e atual diretor técnico da Uefa

“Gianluca era um jogador fantástico em campo. Mas, mais do que isso, era uma pessoa maravilhosa, que fazia todos ao seu redor sorrirem com sua personalidade contagiante. Ele estava sempre cheio de alegria e tinha um verdadeiro amor pela vida, o que ficou tão evidente no verão passado quando ajudou a Itália e seu amigo Roberto Mancini a se tornarem campeões europeus. Meus pensamentos estão agora com a família e os amigos de Luca. Todos no futebol irão sentir muito a falta a dele.”

Fabio Capello, ex-técnico de futebol italiano

“Lembro-me das muitas vezes em que as equipes que treinei jogaram contra ele. Era importante para a sua equipe, tinha um grande caráter. Era um líder e mostrou isso ao enfrentar sua doença.”

Marco Verratti, meia italiano do Paris Saint-Germain

“Nessas lágrimas vemos a pessoa que você era. Altruísta, generoso e com um coração imenso. Você sempre teve uma palavra de conforto para todos, mesmo quando era você quem precisava mais do que ninguém. Você me emocionou e chorou muitas vezes. Você ficará no coração de todos porque pessoas como você são impossíveis de esquecer. Você é um exemplo de força, coragem e dignidade. Sentiremos sua falta.”

Gianluigi Buffon, goleiro do Parma

“Não é fácil encontrar as palavras agora. Você foi um gigante, tanto no campo como na vida. Você lutou até o fim de cabeça erguida com uma dignidade única. Esta camisa que você me deu não tem preço e toda vez que olho para ela só posso agradecer por tudo o que você fez. O vazio que você deixa é imenso. Adeus, Gianluca.”

Alessandro Florenzi, lateral-direito do Milan

“Não pedi quase nada ao Papai Noel esse ano, só que você pudesse responder àquela mensagem, mas não foi e nunca será. Você deixa um vazio impossível de preencher em nosso grupo. Seu exemplo de como você enfrentou tudo e da força incrível que você nos deu todos os dias. Juntos, chegamos ao topo da Europa, mas você fez algo ainda maior, ficou no coração de todos nós e te garanto, meu amigo, que isso é mais importante que qualquer vitória. Eu fiz uma promessa e farei de tudo para cumpri-la. Quando eu fizer minha 50ª partida pela Seleção, pensarei em você. Adeus, Gianlu. Obrigado por todos os ensinamentos que você me deu e que levarei comigo para sempre. Descanse em paz, campeão da vida.”

Leonardo Bonucci, zagueiro da Juventus

“Grande

Inteligente

Amável

Nobre

Líder

(H)Umilde

Carismático

Amigo

Você tem sido um exemplo para todos nós. Em um momento de dor tão forte penso em você, nas tuas palavras em cada encontro, na tua força, na vontade de estar sempre conosco mesmo à custa de tua saúde. Um homem com valores importantes que terá de viver dentro de cada um de nós porque grandes homens como você merecem ser lembrados para sempre.”

David Beckham, ex-jogador inglês

“Um verdadeiro cavalheiro com um enorme coração. Nós te amamos, Gianluca. Adeus, meu amigo.”

Ciro Immobile, atacante da Lazio

“Querido Luca, gostaria de ter falado contigo mais uma vez. Em cada palavra sua, em cada fala, havia tudo o que eu precisava como se você me conhecesse desde sempre. Mas não fiquei surpreso com isso porque te observei e olhei para um verdadeiro homem, gentil e sempre cortês com todos. Gosto de lembrar de você assim, gosto de lembrar o que você me deu do seu ser. Obrigado, Luca. Onde quer que você esteja eu te abraço forte.”

Ciro Ferrara, ex-jogador de Napoli e Juventus

“Como você se deixa levar? Você era como um irmão.”

Gianfranco Zola, ex-meia italiano

“Vencemos muitos jogos juntos e compartilhamos alguns dos melhores momentos de nossas vidas. Por amor ao nosso futebol, às vezes nos enfrentamos. Sem descontos, mas sempre com respeito. Porque no fundo sempre fomos nós mesmos: dois italianos e uma bola. Adeus, Luca, companheiro de viagem.”

Andrea Abodi, ministro italiano dos Esportes, diagnosticado recentemente com câncer

“Um amigo se foi, não de uma vida, mas da vida. Com Luca havia uma relação de estima que se tornou humana ainda mais profundamente quando, no início de 2021, eu disse a ele que tínhamos nos tornado ‘colegas’. A partir deste momento, foi ele quem me enviou mensagens para saber sobre minha saúde e me dar forças. Ele estava doente, mas tinha bons pensamentos para mim e eu não poderia não ter para ele. Quando, meses depois, ele disse que os médicos haviam me dito ‘por enquanto curado’, ele ficou feliz por mim e eu por ele se sentir melhor. Além da excelência demonstrada nas suas várias funções futebolísticas, penso em Luca. Uma pessoa sensível, elegante, generosa, sorridente, tenaz e corajosa, que procurava confundir e afastar o ‘mal’ porque ainda queria viver e fazer muitas coisas. Uma delas era um pensamento recorrente, um sonho, uma paixão: melhorar o futebol. Sua última mensagem: “Boa sorte, Andrea!” Em um dia triste como este, meus pensamentos vão para sua família, para aqueles que o amaram sinceramente e para seu sonho, sua paixão.”

Marco di Vaio, ex-atacante do Bologna

“Adeus, ídolo. Cresci com seus gols e sonhei em marcar um chute de bicicleta como você fez tantas vezes. Você tem sido um exemplo como jogador, como homem e na forma como lidou com a doença. Descanse em paz.”

Salvatore ‘Totò’ Schillaci, ex-atacante da Seleção Italiana

“Não há palavras para descrever este momento. A única coisa é encontrar memórias e laços ao longo do tempo que ninguém pode tirar, nem mesmo a morte. Não sei onde você está agora que partiu, mas com certeza sei onde ficará para sempre, no meu coração. Obrigado por tudo. Boa viagem, companheiro.”

Federica Cappelletti, esposa de Paolo Rossi, ex-atacante italiano morto em 2020

“Adeus, Luca. Alma bela. Apesar de sua doença e de sua batalha pela vida, você tem estado perto de mim desde quando Pablito (como você gostava de chamá-lo) partiu. Só espero que Paolo possa te receber em seus braços reconfortantes. Você foi um verdadeiro lutador. É uma dor que se renova.”

Filippo ‘Pippo’ Inzaghi, ex-atacante do Milan e atual técnico da Reggina

“Adeus, Gianluca. Estou arrasado com esta notícia. Para mim você tem sido um exemplo e também um ídolo. Foi um orgulho vestir sua camisa 9. Descanse em paz, campeão.”

Francesco Acerbi, zagueiro da Internazionale

“Você foi como um companheiro de equipe, você foi simplesmente um grande. Obrigado pela paixão que você conseguiu passar para mim, pelos ensinamentos que você me deu e obrigado por conhecê-lo. Eu poderia continuar lembrando de você com todas as suas qualidades, mas guardo-as no coração, porque todos sabemos o homem que você foi e apenas digo que fomos campões europeus juntos.”

Antonio Conte, técnico do Tottenham

“Em um jantar juntos em Londres, alguns meses atrás, enquanto nos divertíamos relembrando todas as nossas aventuras e batalhas no campo. Infelizmente, nos últimos anos, você teve que travar uma grande e terrível batalha na vida. Eu lhe disse e escrevi que você é sempre uma fonte de inspiração para mim, como meu capitão e como você estava demonstrando forte, feroz e corajoso, lutando como um leão contra esta doença. Sempre em meu coração, meu amigo.”

Prefeito de Cremona, Gianluca Galimberti fala sobre mudança do estádio Giovani Zini para Gianluca Vialli

“Eu o vi há pouco tempo, sentado não muito longe no estádio, torcendo pela minha e Cremonese. Lembro-me do campeão que engrandeceu o Cremona, mas, acima de tudo, não vou esquecer o homem. É uma ideia maravilhosa (alterar o nome do estádio), que deve ser compartilhada com a cidade, a sociedade e a família. Vamos avaliar nas próximas semanas.”

Giacomo Raspadori, atacante do Napoli

“Acho que você não quer que a gente chore. Só as boas lembranças podem amenizar a dor, sou grato pelos momentos onde pude compartilhar a sua presença. Você sempre será um exemplo para todos! Foi uma honra te conhecer.”

Alessandro Costacurta, ex-zagueiro do Milan e da Seleção Italiana, à Sky Sport Italia

“Ele foi o meu exemplo. Sempre me atraiu a sua forma de falar e de vestir. Sempre foi uma referência, tinha uma capacidade única de envolver a gente.”

Roberto ‘Codino’ Baggio, ex-meia da Juvnetus e da Seleção Italiana, à ANSA

“É sempre difícil aceitar e compreender o mistério da vida. Principalmente quando você é arrebatado do afeto de entes queridos tão jovem e tão cedo. Querido Gianluca, desejo que sua jornada celestial seja envolvida por uma luz tranquila para seu descanso eterno. Meus sentimentos mais profundos vão para sua esposa, filhos, pais, irmãos, amigos queridos. Com seu sorriso e alegria, leve sua amada bola para lá também. Sua coragem permanecerá conosco para sempre e seu precioso exemplo. Boa viagem, Gianluca.”

Gianni Infantino, presidente da Fifa

“O futebol perdeu um de seus sorrisos mais bonitos e possivelmente contagiantes, o sorriso de Gianluca Vialli. O sorriso de um homem que treinou e jogou. O sorriso de um homem que fez sucesso e que assim, na sua alegria, contribuiu para transformar e fazer crescer os clubes, como nos tempos de Sampdoria. Ele manteve o sorriso apesar da doença durante sua última passagem pela seleção italiana. Vialli era um grande jogador de futebol e um homem inteligente. Um dia ele me viu fazendo repetições e me disse: ‘Gianni, convenhamos, você não pode fazer repetições. Eu vou te ensinar.’ E sorriu mais uma vez. Está é a forma de recordá-lo, com a sua expressão feliz. Ele foi grande, porque se divertiu e divertiu a todos nós. Sua paixão era a melhor personificação do futebol. Um grande abraço à sua família e aos seus amigos”.

Lazio: “Mais um dia triste ao mundo do futebol”

“É mais um dia triste para o mundo do futebol. O presidente Claudio Lotito e toda a SS Lazio saúdam com afeto e comoção Gianluca Vialli, lenda do esporte italiano e internacional. Um campeão e um grande lutador no campo e na vida, que soube representar durante a sua longa e dolorosa doença um exemplo de tenacidade e, ao mesmo tempo, de grande serenidade.”

Marco Lanna, atual presidente da Sampdoria

“Gostaria de organizar um quadrangular com Sampdoria, Chelsea, Cremonese e Juventus. Um Troféu Luca Vialli, cuja renda fosse destinada à caridade. Ele era um mestre nisso e gostaria que se tornasse algo indelével. Também veremos outras iniciativas na cidade. A Sampdoria sempre o teve no coração, ele me ligava para saber como iam as coisas, as várias dinâmicas internas. Ele sempre esteve muito próximo do clube. Eu também vou sentir falta dele. Ele foi um guerreiro, um lutador. Ele vai deixar um vazio muito grande.”

Massimo Mauro, ex-meia de Juventus e Napoli, ao Tg1

“É difícil falar de um homem assim. Vi o Gianluca há dez dias em Londres e ele já estava em um estado muito, muito crítico. Era difícil ter uma boa comunicação. Mas, por dez minutos a cada duas horas, conseguiu ser lúcido e depois falamos da Juventus, da Sampdoria, da fundação, falamos do que falávamos. Felizmente fui a Londres para saudá-lo. Ele tinha me pedido e foi muito importante para mim. Gianluca era um homem incrível e sabia exercer a liderança, o seu trabalho na seleção nacional junto com Roberto Mancini, e nunca deixarei de agradecer ao presidente da FIGC por ter lhe concedido esta experiência extraordinária nos últimos anos de vida dele, que Luca ajudou muito. Na tarde que cheguei em Londres, acordando, Luca me pediu para fazer uma massagem. Eu peguei sua panturrilha e massageei, momento em que ele olhou para mim e disse: ‘Apesar da minha condição, você não tinha esse músculo quando jogava’, e nós rimos muito. Ele entendeu a condição em que estava, mas me pareceu igualmente sereno. Até porque ele tem uma família extraordinária, duas meninas fantásticas como Olivia e Sofia, uma esposa (Cathryn) que tem sido incrível ao lado dele ao longo dos anos. A única coisa que deixou de fazer foi ser presidente da Sampdoria, clube o qual poderia passar todos os seus conhecimentos futebolísticos.”

Federico Bernadeschi, meia italiano do Toronto FC, à Sky Sport Italia

“Me sinto sortudo por tê-lo conhecido e passado tanto tempo com ele. Ele era um homem extraordinário, uma pessoa rara, mas o que mais me tocou e aos companheiros da Seleção Italiana é um assunto específico: Vialli foi além das barreiras do futebol. Sem Gianluca, não teríamos vencido a Euro.”

Giorgio Chiellini, zagueiro italiano do Los Angeles FC, à Sky Sport Italia

“Hoje foi um péssimo despertar. Todos nós carregamos conosco as imagens e as palavras de Gianluca. Ele era uma grande pessoa, que gostaria de nos ver sorrir e não chorar. Ele nos deixa com tantos valores a trazer para nossas vidas fora de campo. Ele soube expressá-los melhor do que muitos outros, não é tão óbvio tocar o coração com as palavras certas. A dupla com Roberto Mancini ficará para sempre. Eles se complementaram, foram perfeitos. Ele sempre foi uma pessoa generosa, cuidava dos outros. Tive a sorte de vivenciar isso, foi especial ouvir suas palavras. O altruísmo e a generosidade sempre fizeram parte de sua vida, essas coisas devem ser lembradas e levadas adiante tanto quanto possível. Eu encontrei suas palavras na minha carreira. Nós, jogadores de futebol, não gostamos das câmeras atrás de nós o tempo todo. O vestiário é um lugar fechado, coisa nossa. Os discursos de Vialli permitiram que outros o conhecessem um pouco mais e experimentassem Gianluca como homem. É bom lembrar dele por tudo que ele nos deu. Ele nos deixou muito cedo, mas nos deixou muito. Lembro dele depois da conquista da Euro, nas primeiras convocações. Ele chutou a gol e eu disse a ele: ‘vamos para a Copa do Mundo, só falta um ano’. E ele, sorrindo: ‘Espero chegar lá também.’ Ele colocou o interesse da seleção à frente de sua saúde.”

Clique para comentar

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

Para o Topo