Futebol americano

Os melhores momentos da 1ª rodada do Draft da NFL de 2022

Foto: Divulgação/NFL


A fonte que disse a Adam Schefter, da ESPN estadunidense, que o Draft de 2022 da NFL seria uma loucura, não estava enganada. No primeiro dia de recrutamento se viu o oposto do ano passado: muitas trocas e imprevisibilidade.

As primeiras cinco escolhas do draft foram puramente defensivas.:
Os Jaguars deram o pontapé inicial escolhendo Travon Walker, DE de Georgia, na primeira escolha geral. Alinhado com Josh Allen, o calouro poderá formar uma dupla que assombrará a AFC South por muitos anos. Contudo, Kayvon Thibodeaux e Aidan Hutchinson poderiam ser pass-rushers melhores nesta escolha.
Os Lions não desperdiçaram a chance, selecionando na 2ª escolha e quase imediatamente após a decisão de Jacksonville, Aidan Hutchinson, oriundo de Michigan, que tem tudo para ser o início de uma defesa sólida que o Lions procura há anos.

Os rumores já apontavam uma tendência nos últimos dias e ela se repetiu: o Houston Texans selecionou o CB Derek Stingley Jr., de LSU, na terceira escolha geral.

A escolha dos Texans é um tanto surpreendente se olharmos para trás nos mocks e nos depararmos com Ahmad “Sauce” Gardner, de Cincinnatti, cotado como o CB número 1 da classe. Contudo, ele não teve que esperar muito. Os Jets, ao menos em uma das suas escolhas de primeira rodada, ignoraram as necessidades do QB Zach Wilson e selecionaram o defensive back na 4ª escolha.

A queda de OLs não parou. Os Giants acertou em cheio na sua escolha e foi no melhor jogador disponível na posição 5. Kayvon Thibodeaux (Oregon) é por muitos o melhor edge rusher do draft e pode dominar a NFC East. Um dos questionamentos acerca dele vem da seu amor pelo jogo, porém, logo após ser selecionado, o DE tratou de mandar uma mensagem se comprometendo com os fãs.

Na 6ª escolha, os Panthers fugiram dos indícios e da paixão de seus técnicos pelo QB Kenny Pickett e foram pacientes com em moldar o futuro. A seleção do OT Ikem Enkwonu (NC State) mostra o compromisso da equipe em preparar um terreno mais favorável para o próximo quarterback a chegar em Carolina, seja Baker Mayfield ou um calouro em 2023.
Os Giants estiveram duas vezes no relógio essa noite e, após um frustrante 2019 com os reachs de Daniel Jones e Dexter Lawrence, optaram por ir pelo simples. Evan Neal, de Alabama, é provavelmente o melhor offensive tackle, dessa classe, um excelente valor para a 7ª escolha e, junto com Andrew Thomas, pode começar a montar uma trincheira dominante do lado ofensivo da bola.

E, finalmente, o caos absoluto tem início. Drake London foi a escolha do Falcons na posição 8. O WR de USC é um velocista nato e é tem boas qualidades como recebedor. Entretanto, haviam opções melhores para recomeço do ataque do time do estado de Georgia.

Os Seahawks também optaram por esperar e não se afobaram por um QB nesta classe, já conhecida pela fragilidade na posição. Assim como os Panthers, a franquia draftou uma peça para remontar um ataque que não conta com sua principal peça: quarterback. Charles Cross (Mississippi St.) é um excelente left tackle nos bloqueios de passe, contudo, precisa melhorar e muito seus conceitos na corrida. Uma boa 9ª escolha.

Se os Jets não fortaleceram o ataque na escolha 4, na 10 eles não decepcionaram. Com a escolha vinda dos Seahawks a equipe selecionou o principal WR do draft: Garrett Wilson, de Ohio St. A franquia até tentou trocar a escolha com os 49ers pelo WR Deebo Samuel, mas a oferta foi recusada.

As trocas começaram com os Saints oferecendo a escolha 16, 98 e 120 pela número 11 dos Commanders, que já tinham deixado claro que queriam descer neste draft. Embora a expectativa girasse em torno do primeiro QB a ser escolhido, a equipe de New Orleans selecionou o WR Chris Olave, também de Ohio St., que, embora tenha saído caro, adicionará velocidade a um ataque que conta com a volta de Michael Thomas e do forte braço de Jameis Winston.

Os Lions então vieram a procura de uma nova arma para Jared Goff. A equipe cedeu as escolhas 32, 34 e 66 para o Vikings em troca da 12 e da 46 para selecionar Jameson Wiliams, de Alabama, que era tido como o melhor recebedor da classe, até romper os ligamentos do joelho em janeiro. O WR postou um vídeo treinando e forçando o joelho dias antes do draft. A equipe de Detroit aparentemente confia em sua saúde e fez uma aposta que pode dar muito resultado.

Os Eagles trocaram a escolha 15, 124 e 166 com os Texans pela escolha 13, para selecionar o super atlético Jordan Davis, DT de Georgia, que será um poderoso motor a DL de Philadelphia e a futura reposição de Fletcher Cox. Com um índice RAS surpreendente, a franquia pode ter selecionado o jogador mais físico desse draft.

Na 14ª escolha há, talvez, um dos maiores steals da noite. O Baltimore Ravens não hesitou em selecionar o S Kyle Hamilton (Notre Dame), talvez o melhor defensive back da classe. Tendo assinado com Marcus Williams na free agency, a equipe de Baltimore monta uma secundária poderosa.

Os Texans até tentaram acumular mais capital de Draft, porém, acabou por reforçar sua OL selecionando o G Kenyon Green, de Texas A&M. Versátil, podendo jogar de right tackle e de right guard, Green era cotado para cair um pouco mais no draft. Todavia, Texans faz jus em pegar ele um pouco mais cedo e garantir proteção a Davis Mills na 15ª escolha.

Os Commanders selecionaram o WR Jahan Dotson (Penn St.), na  16ª escolha para auxiliar seu novo QB, Carson Wentz.
E Justin Herbert ganhou de presente um novo guard, na 17ª escolha: Zion Johnson, de Boston College é super versátil, podendo exercer qualquer posição dentro da OL. Essa capacidade é importantíssima considerando as dificuldades que uma OL tem em fazer 17 jogos completos com os 5 titulares sem se lesionar.

Os Eagles se movimentam novamente. A maior troca da noite destinou o WR AJ Brown para Philadelphia, que enviou sua escolha 18 e mais uma de terceira rodada para o Tennessee Titans.

mediatamente o recebedor assinou uma renovação com sua nova equipe: cerca de US$ 100 milhões (R$ 493,8 milhões) por quatro anos, como US$ 57 milhões (R$ 281 milhões) garantidos.

O time de Nashville também não perdeu tempo e imediatamente achou seu novo WR. Treylon Burks, apesar de cru, tem potencial para ser a reposição de AJ Brown, sendo muito mais barato.
Os Saints seguiram reforçando seu ataque na escolha 19 após um péssimo 2021. Trevor Penning, de Northern Iowa, fecha, junto com Ryan Ramczyk, uma ótima dupla de OTs, caso as expectativas do time se concretizem.

E, finalmente, sai o primeiro QB. Kenny Pickett, na vigésima escolha é o escolhido dos Steelers para suceder a Bem Roethlisberger. O quarterback de Pittsburgh continuará na cidade e, embora tenha diversos atributos questionáveis, terá uma estrutura de treinadores excelentes para seu desenvolvimento. Mike Tomlin cuidará bem do menino local.

Os Chiefs, entre os que disputaram o título na temporada passada, talvez tenha tido um dos melhores drafts da noite. A começar pela seleção do CB Trent McDuffie, de Washington, na posição 21. Após a perda de Charvarius Ward para os 49ers nesta free agency, o time de Patrick Mahomes clamava por um reforço na secundária, evitando repetir o desastre que foi a defesa em setembro do ano passado.

Os Packers mantiveram a tradição e deram um reach na escolha 22. Quay Walker, de Georgia, é um LB veloz e de boa leitura, porém, sua escolha só se justificaria na 2ª rodada.

Quando a 23ª escolha chegou, ela já não era do Cardinals há muitos minutos. A equipe a trocou pelo WR Marquise Brown antes mesmo da troca entre Titans e Eagles. Sem WRs disponíveis a essa altura, conforme a franquia esperava, unir Kyler Murray e seu principal alvo na época do College pareceu a melhor opção. A equipe ainda recebeu a escolha de número 100 como compensação.

Os Ravens, contudo, não a seguraram e passaram para o Bills, que retribuiu com as picks 25 e 130. Assim, Buffalo conseguiu reforçar sua já forte defesa e deu um companheiro a Tre’Davious White, selecionando o CB Kaiir Elam, de Flórida.

Os Cowboys deram um reach e selecionaram o OT Tyler Smith, também considerado uma escolha de segunda rodada, na 24ª escolha geral. Na posição 25, o Baltimore Ravens confirmou sua excelente primeira noite de draft com a seleção do C Tyler Linderbaum, de Iowa, o melhor da classe. Lamar Jackson, que enfrentou problemas com lesão em 2021, consegue um protetor muito atlético.

Os Jets subiram e voltaram a primeira rodada para um dos maiores steals da noite! Os Titans deram as escolhas 26 e 101 e receberam em troca as escolhas 35, 69 e 163. Assim, a equipe de New York pode selecionar Jermaine Johnson II, DE de Florida State que, embora tenha subido nos últimos mocks drafts como uma potencial pick top 10, acabou caindo para o fim da primeira noite de draft.
Na escolha 27, os Jaguars reforçaram ainda mais sua defesa com o LB Devin Lloyd, de Utah. Após subir enviando as escolhas 33, 106 e 180 para os Buccaneers, o time selecionou mais uma peça para um front7 que pode começar a se mostrar poderoso já em 2022.

E os Packers confirmaram mais um ano sem escolher uma peça ofensiva na primeira rodada. Mantendo a tradição iniciada em 2012, na 28ª escolha a equipe de Wisconsin selecionou o DT Devonte Wyatt. O jogador é um monstro atlético e pode produzir muito bem para a defesa de Green Bay. Mas, já tem 24 anos e tem um extracampo péssimo que inclui violência doméstica.

E os Patriots protagonizaram o maior reach da primeira rodada na escolha 29. O OL Cole Strange, da pequena Tennessee-Chattanooga, foi uma das grandes surpresas da noite. O jogador, embora produtivo no College, não enfrentou uma competição elevado no college.

Os Chiefs confirmaram um bom draft defensivo na escolha 30. George Karlafits, edge de Purdue, estava sendo posicionado, nos mocks drafts, da escolha 15 a 23. Contudo, sua seleção acabou saindo mais tarde que o esperado e caiu no colo de Kansas City para reforçar a defesa. Um ótimo reforço para o pass rush.

Os Bengals selecionaram o versátil S Daxton Hill de Michigan, deixando a proteção de Joe Burrow para segundo plano. Sendo produtivo tanto em nickel como de safety, Hill é o que a NFL procura em suas secundárias atualmente. Numa conferência recheada de QBs no mais alto nível, a adição na penúltima escolha da primeira rodada vem para reforçar algo que não pode ser hipótese alguma uma fragilidade: cobertura.

Para finalizar, os Vikings selecionaram o S Lewis Cine, Georgia. Com a última escolha oriunda da troca com os Lions ainda no início do Draft, a equipe de Minnesota procurou trazer uma dupla para a estrela Harrison Smith. O safety, contudo, tem sua especialidade voltada mais a parar corridas.

A primeira e empolgante primeira rodada do Draft de 2022 está encerrada e foi histórica. E tudo pode se repetir nesta sexta-feira, com a segunda e terceira rodada do Draft, que tem seu início a partir das 20h.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado.

As últimas

To Top