Ponte Preta

Presidente abafa protesto dos jogadores na Ponte Preta: ‘Não é greve’

Crédito: Álvaro Júnior / AA Ponte Preta

Sebastião Arcanjo não mostrou desespero depois do protesto dos jogadores da Ponte Preta após recusa de ir a campo para treinar, nesta manhã de quarta-feira, no CT do Jardim Eulina.

Em entrevista de quase 25 minutos em frente ao portão principal, o presidente da Macaca minimizou a crise de relacionamento com o elenco e classificou a reclamação coletiva como ‘legítima’.

LEIA MAIS: Tiãozinho abre salários atrasados na Ponte Preta: ‘Não estou de braço cruzado’

“Eu não considero que nós estamos diante de uma greve, de uma rebelião ou de um motim. Eu considero que os atletas, de forma legítima, estão buscando a melhor forma de encontrar a solução para um passivo trabalhista que a Ponte tem com esses atletas e os seus funcionários, diga-se de passagem. Nós estamos fazendo todos os esforços para resolver. É essa a questão”, explicou o mandatário.

“É bom que se diga também que, durante todo esse ano de 2020, a Ponte pagou rigorosamente em dia e, de forma antecipada os salários que estão na CLT. Então é a primeira vez, em 12 meses, que nós estamos com quatro dias de salários atrasados na CLT. É disso que se trata. Então, obviamente, tem toda uma mobilização e um esforço. Então eu quero focar na solução”, emendou.

DÉBITO CURTO?

Tiãozinho, de volta à imprensa após sete meses, garantiu que os vencimentos dos jogadores, de acordo com o registrado em CLT, tem apenas dois dias de atraso.

“Do ponto de vista legal, o que a Ponte deve aos seus trabalhadores é a CLT de dezembro, que venceu no dia 11 de janeiro. Tenho que deixar isso muito claro, além do 13º. Então nós estamos focando, agora, na busca solução. O que tem de positivo nisso? É respeitando os direitos que eles, trabalhadores, têm. Os jogadores apresentaram uma proposta para tentar construir um acordo”, justificou.

“Em torno da proposta que os jogadores nos fizeram nós vamos buscar um acordo o mais rápido possível. Nós precisamos convencer os atletas que isso está posto e está colocado. Fora das quatro linhas, cabe a nós e à diretoria a responsabilidade de buscar uma solução o mais rápido possível. É isso que nós estamos fazendo. Nós não estamos de braços cruzados fingindo que o problema não existe. Nós estamos enfrentando o problema”, completou.

TABELA

Em sétimo lugar com 48 pontos, a Ponte Preta volta a campo pela Série B do Campeonato Brasileiro no domingo, 17 de janeiro, diante do Náutico, no Estádio Moisés Lucarelli, às 16h.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top