Campeonato Brasileiro

Presidente da CBF, Rogério Caboclo responde à críticas ao calendário e à arbitragem: ‘O campeão do Brasil se consagrou dentro das quatro linhas’

Foto: Reprodução/Twitter Brasileirão Assaí.

Durante a abertura da cerimônia do Prêmio Brasileirão 2020, o presidente da CBF, Rogério Caboclo fez um extenso discurso, no qual defendeu a arbitragem brasileira e respondeu às críticas ao calendário do futebol nacional. Ele iniciou sua fala ressaltando a dificuldade do Campeonato Brasileiro e ironizando as reclamações sobre os árbitros do país.

“Todos os 20 clubes se dizem prejudicados, e eu falo aos presidentes: ‘Se isso for verdade, quem será o favorecido’? Não existe clube prejudicado ou favorecido”, rebateu o presidente da CBF.

Na sequência, Caboclo defendeu os juízes e disse que as atuações da arbitragem no Brasil não ficam devendo em relação a outros campeonatos nacionais.

“A classe da arbitragem é isenta e profissional, merece nosso respeito. Os árbitros do Brasil não erram mais que qualquer um do mundo. O campeão do Brasil se consagrou dentro das quatro linhas”.

+ Tite elogia Claudinho, Gerson e Edenilson; técnico diz que pandemia aumenta chance de convocações de atletas que atuam no Brasil

O presidente da CBF tratou também sobre a manutenção dos campeonatos, mesmo em meio à pandemia da Covid-19 e rebateu as críticas ao número de partidas no futebol brasileiro.

“Os clubes jogam o número de partidas que contratam. Se jogam 80 partidas é porque assinaram isso. O calendário não é feito pela CBF. Se algum treinador ouviu errado, que agora entenda certo. Não existe calendário irracional feito pela CBF”, afirmou Caboclo.

Recentemente, em entrevista à “Rádio Bandeirantes”, o vice-presidente da entidade, Francisco Novelletto, ironizou o fato de o técnico do Palmeiras, Abel Ferreira, ter criticado a quantidade de jogos disputados no país e disparou: “Quem mandou querer ganhar tudo?”. O clube paulista terminará a temporada com 79 partidas disputadas.

Siga o Esporte News Mundo no TwitterInstagram e Facebook.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top