Paralimpíadas

Na prorrogação, Brasil bate China e está na semifinal do goalball feminino

Ale Cabral / CPB

Foi com emoção, foi na prorrogação, e com gol de pênalti, mas o Brasil superou a China, favorita na competição, por 1 a 0 e avançou para a semifinal do goalball feminino, na Paralimpíada de Tóquio. Carol foi a heroína da vitória gigante da Seleção, cobrando a penalidade, no segundo tempo da prorrogação, em jogo disputado na manhã desta quarta-feira, 1.

A partida com China era vista com muita cautela pela equipe brasileira, já que as chinesas carregam muita tradição no goalball, foram vice-campeãs olímpicas nas últimas três edições dos Jogos e chegaram em Tóquio como principais candidatas ao título. Outro fator que elevou o nível da rivalidade e deixou a vitória no tempo extra ainda mais saborosa para as jogadoras brasileiras, foi o resultado da Paralimpíada do Rio de Janeiro, em 2016, quando o Brasil perdeu na semifinal para a própria China na prorrogação.

+ Siga o Esporte News Mundo no TwitterFacebook e Instagram

Agora, a Seleção Brasileira aguarda o resultado do jogo entre Estados Unidos e Comitê Paralímpico Russo, para saber seu adversário na semifinal. Se enfrentar as norte-americanas, terá a chance de mais uma revanche dos Jogos Parlímpicos do Rio de Janeiro, já que foram elas que ficaram com o bronze, ao derrotarem as brasileiras na disputa pelo lugar no pódio.

O Brasil teve uma grande partida defensiva, conseguindo segurar o ímpeto da China, que veio de uma campanha perfeita na fase inicial. As emoções foram fortes na primeira etapa, com Jéssica acertando a trave e Carol salvando o gol adversário, após deixar a bola escapar, se jogando em cima da linha.

No segundo tempo as duas equipes aceleraram o ritmo, mas o placar seguiu inalterado, levando a partida para a prorrogação, que também terminou sem gols nos seus primeiros três minutos. No segundo tempo extra, a China começou assustando, com uma bola na trave, mas o lance foi com uma bola longa, ou seja, sem tocar a área neutra da quadra, o que não é permitido. O que parecia um susto, na realidade acabou definindo o confronto a favor do Brasil, a infração gerou um pênalti, que Carol cobrou com perfeição e definiu a vitória

As atletas e a comissão técnica brasileira desabafaram toda a sua alegria na quadra, com direito a tropeção do técnico Dalton na comemoração. Ao chegar na semifinal, o Brasil já iguala a sua melhor participação no goalball feminino em Paralimpíadas.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado.

As últimas

To Top