Cruzeiro

Cruzeiro precisa vencer os dois próximos jogos para seguir rumo ao acesso, aponta estudo

Cruzeiro precisa vencer os dois próximos jogos para seguir rumo ao acesso, aponta estudo

Um estudo feito pelo matemático Tristão Garcia, do site InfoBola, apontou a quantidade de pontos necessários para o Cruzeiro conseguir subir para a Série A do Campeonato Brasileiro. No total são 64 pontos e atualmente o time mineiro tem oito, com dez rodadas disputadas. Com isso, seguindo essa lógica, a Raposa precisa vencer dois a cada três jogos para conseguir o acesso à elite do futebol nacional.

Por coincidência, o Cruzeiro terá dois jogos em casa, contra o Avaí e Ponte Preta. Caso o time celeste vença, chega a 14 pontos, precisando de mais 50 em 26 rodadas. A situação é alarmante e faz o torcedor cruzeirense pensar nos números para a Raposa conseguir voltar à elite do futebol brasileiro. Nas próximas 28 rodadas da competição, o clube celeste precisa de um aproveitamento de 66,6%sendo que atualmente tem sido de apenas 46%.

Ainda seguindo essa lógica matemática, caso o Cruzeiro perca 10 jogos nas próximas 28 rodadas, a chance de chegar entre os quatro primeiros colocados é mínima. Lembrando também que o empate não é interessante para o clube celeste, pois deixa de ganhar mais pontos e fica atrás dos concorrentes no primeiro critério de desempate que é o número de vitórias.

Porcentagens

Trazendo os números para as porcentagens, de acordo com o site Chance de Gol, o Cruzeiro tem 4,4% de probabilidade de acesso, o que é quase o mesmo tanto de rebaixamento, que é 4,3%. Quanto às chances de ser campeão, a Raposa tem 0,2% de chance.

A necessidade de uma sequência de vitórias é urgente para o time celeste, precisando mudar o panorama e dar uma guinada rumo ao G-4. Além disso, as probabilidades e números vão mudando e dependendo cada vez mais apenas dele mesmo para conseguir o acesso. Deixar de conquistar pontos faz com que o Cruzeiro tenha que depender cada vez mais de outros resultados para conseguir seus objetivos na temporada.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top