Santos

Cuca assume culpa pela derrota do Santos: ‘Se eu tivesse cobrado no intervalo, poderia ser diferente’

Foto: Reprodução

Neste domingo (24), o Santos foi derrotado pelo Goiás por 4 a 3 na Vila Belmiro. O Peixe que entrou com força máxima, abriu dois no placar, mas viu o Esmeraldino se recuperar e marcar quatro gols em 22 minutos. Marinho ainda descontou o terceiro, mas a derrota foi inevitável. Após o apito final, o técnico Cuca assumiu a culpa:

– Tivemos dois tempos distintos. E aí entra a culpa do treinador. Eu fui mal hoje, jogadores não têm culpa. Eu poderia ter dado a concentração ideal para o segundo tempo e não fiz, deixei fluir ao natural. Responsabilidade e culpa totais são minhas. Por isso tomamos os gols. Jogada de bola parada, que geralmente cortamos, e dois erros em saídas de bola que geralmente não temos. Se eu tivesse cobrado no intervalo, sido assíduo como geralmente sou, a postura poderia ser diferente. Isento eles do segundo tempo e assumo essa culpa.

De olho na final da Libertadores no próximo sábado (30), às 17h (de Brasília), no Maracanã, o técnico Cuca disse não se preocupar com a derrota sofrida ante o Goiás. Antes da decisão, o Peixe ainda enfrente o Atlético MG, no meio da semana:

– Estou tranquilo e consciente porque uma derrota, por pior que ela seja, pode ter significado melhor que uma má vitória. Poderei trabalhar coisas que não trabalharia na vitória. Serei mais humilde ainda durante a semana e tirarei deles o máximo, quando vitória às vezes não dá essa chance. Agradeço a Deus por esse momento que pode ser um alerta para fazer diferente. E vamos fazer.

Sobre a arbitragem, Cuca aproveitou o espaço para criticar, entretanto, não acredita que tenha influenciado na partida:

– Pesou mais que a arbitragem (o apagão). Mesmo com nosso pênalti não dado e se não tivessem dado o pênalti do Goiás… Não interferiu nos gols que tomamos além do pênalti que foi fora da área. Não vou passar a responsabilidade do fracasso ao árbitro.

Para saber tudo sobre o Santos, siga o Esporte News Mundo no TwitterInstagram Facebook!

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top