Mais Esportes

‘Federer é um fenômeno’, afirma preparador físico do suíço

Roger Federer
Divulgação/Facebook de Wimbledon

Pierre Paganini, italiano e preparador físico, é um especialista conceituado e trabalha com Roger Federer há 21 anos. Após mais de um ano sem conceder entrevistas, o ítalo conversou com o jornal The Tages Anzeiger, da Suíça, sobre todo esse período de inatividade do Leão da Montanha e do que esperar da sua volta.

—  Esse joelho vinha causando problemas a ele há vários anos. Mas você pode mantê-los sob controle, com planejamento adaptado e exercícios específicos. Ele e toda a equipe estavam trabalhando nisso há muito tempo. O fato de um jogador que disputou mais de 1.500 partidas ter vários canteiros de obras no corpo faz parte do dia a dia — explicou.

Federer escondeu muito bem a gravidade da sua lesão e a mídia ficou sabendo quando a operação aconteceu.

— Roger é alguém que sempre vê as coisas positivamente. E contanto que ele pudesse jogar e treinar livremente, não seria um grande problema. Então, quando aconteceu e ele decidiu fazer a cirurgia, assumiu total responsabilidade. Em público, parecia: tudo estava bem, agora ele foi operado. Para nós foi um processo que conduziu a este ponto.

— Nunca dou qualquer informação sobre questões médicas. O que posso dizer: se um problema já existe há vários anos, é claro que será complexo. E então, acima de tudo, é importante que avance devagar, a passo de caracol. Para que você não tenha mais contratempos. E ele também não teve isso depois da segunda operação — completou o italiano.

Falou também sobre a segunda operação de Roger Federer, que aconteceu em maio do ano passado.

— Porque era carregado e complicado. A segunda operação realmente aconteceu no mesmo tempo que a primeira. Isso também explica que ele pouco podia fazer depois e que precisávamos de muito tempo para as várias etapas. O joelho ficou particularmente frágil após duas operações. Isso nos fez mover ainda mais devagar. Agora estamos na reta final, mas ainda estamos trabalhando.

Mostrou a diferença do retorno do Leão da Montanha em 2016, quando permaneceu seis meses parado e venceu o Australian Open, com o tempo inativo que transcorreu agora.

— A grande diferença é: quando Federer fez uma pausa na Austrália depois de Wimbledon em 2016, seus músculos estavam sempre presentes. Agora tivemos uma interrupção total em que os músculos se deterioraram consideravelmente. Passou um longo tempo entre a primeira operação e o momento em julho quando dissemos que poderíamos voltar a trabalhar aos poucos e progressivamente. Seus músculos não estavam mais na mesma condição, os desequilíbrios eram extremos.

Pierre Paganini disse que Roger Federer é um tenista acima da média depois de passar por um período turbulento na carreira.

— Ele é um fenômeno. E você tem que confiar em si mesmo para dizer isso – e também que é objetivo. A primeira vez que saltou o obstáculo novamente, ficou quase eufórico. E, agora não são mais as muletas, agora são os obstáculos. E você viu como ele se alimentava com esses exercícios. Com o primeiro salto – depois de muitos meses trabalhando nele – você também sentiu a incerteza. E então ele estava realmente orgulhoso de ter pulado isso. Você geralmente pula pelo menos quatro obstáculos e faz mais três ou quatro exercícios reativos antes de começar a ficar interessante. Quando você vê isso, as emoções surgem. Você fica mais jovem quando o vê se exercitando.

O regresso do Leão da Montanha está previsto para o ATP de Doha em março. Ansioso para a volta do tenista suíço?

LEIA MAIS

Serena de volta ao Top 10 e Medvedev pela primeira vez em terceiro lugar; veja a atualização dos rankings da ATP e da WTA

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top