Futebol americano

Grupo de quinze mulheres denuncia executivos do Washington Redskins por assédio sexual e abusos verbais

Washington Redskins
(Créditos: Divulgação/Washington Redskins)

POR JOÃO JORGE E JONATAS PACHECO

Quinze mulheres denunciaram executivos e funcionários do Washington Redskins, time da NFL, por assédio sexual e abusos verbais. Os casos teriam ocorrido de 2006 a 2019, enquanto elas trabalharam na franquia. A história foi revelada pelo jornal The Washington Post nesta quinta-feira (16) em uma matéria bombástica.

Os jornalistas Will Hobson e Liz Clarke conversaram com 40 funcionários e ex-funcionários, além de analisar mensagens de texto e documentos internos. No total, quinze mulheres fizeram as denúncias, das quais 14 se mantiveram no anonimato por acordos de confidencialidade e medo de represálias.

Emily Applegate, única que revelou a identidade, trabalhou no Washington Redskins entre 2014 e 2015. Ela conta que se encontrava com outra funcionária da franquia no banheiro durante o intervalo do almoço para chorarem e desabafarem sobre os constantes assédios sexuais e abusos verbais que sofriam.

Applegate ainda fala que um ex-diretor de operações pedia para que ela comparecesse a reuniões com clientes vestindo roupas provocantes, além de a xingar constantemente.

– Foi a experiência mais miserável da minha vida. Todas nós tolerávamos, porque sabíamos, e eles faziam questão de nos lembrar, que havia mil pessoas que aceitariam nossas funções em um piscar de olhos – disse Applegate.

Segundo os relatos das ex-funcionárias, alguns dos assediadores eram pessoas próximas do atual dono da franquia, Dan Snyder. Três deles já foram demitidos na última semana, como o diretor esportivo, Alex Santos. O narrador oficial da equipe e vice-presidente de conteúdo, Larry Michael, também foi citado no escândalo. Ele se aposentou na última quarta-feira (15).

De acordo com o The Post, nenhuma vítima acusou o dono Dan Snyder. As mulheres, no entanto, afirmam que o dono da franquia era conivente com o “ambiente toxico” existente, onde os executivos costumavam assediar verbalmente as mulheres. Bruce Allen, ex-presidente da equipe, também não foi denunciado, mas assim como Snyder, ele não desconhecia completamente o comportamento inadequado dos demais funcionários.

– Eu diria que Bruce sabia. Ele sentava muito perto de mim e me via chorando na minha mesa muitas vezes toda semana – afirmou Emily Applegate.

Dan Snyder foi procurado pelo veículo, mas os jornalistas não conseguiram contado com o proprietário da franquia.

A ex-vice presidente de comunicações dos Redskins, Julia Payne, não foi vítima de assédio. Porém, ela, que também trabalhou durante anos como assessora de políticos, disse que o ambiente do clube era o mais hostil que ela já viu.

De acordo com outras vítimas, os casos de assédio não eram registrados, pois muitas mulheres ficavam com vergonha e acabavam aceitando as atitudes agressivas, como um carinho no ombro ou um elogio sobre o corpo.

– Era o meu primeiro emprego, então eu acabei normalizando. Isso acontecia com todas as minhas colegas mulheres que tinham menos de 40 anos – disse uma das vítimas que deixou o time, em 2019.

O diretor esportivo, Alex Santos, e o assessor dele, Richard Mann II, foram demitidos na última semana. Santos foi acusado por seis vítimas de fazer comentários de conotação sexual sobre funcionárias do clube.

O novo treinador dos Redskins, Ron Rivera, preferiu não discutir as demissões dos executivos. Procurado pela ESPN americana, o técnico disse que o clube está adotando novas políticas.

– O mais importante é que temos que seguir em frente e garantir que todos entendam que temos políticas portas abertas. Além disso, minha filha trabalha para a equipe e eu certamente não vou permitir nada desse tipo! – afirmou.

O narrador dos jogos da equipe, Larry Michael também foi acusado por sete mulheres. Segundo elas, Michael, que era conhecido como “a voz dos Redskins”, tinha o costume de fazer comentários sexuais sobre funcionárias.

Entre os tipos de assédios, as vítimas relataram tentativas de olhar debaixo das saias, elogios indesejados e massagens nos ombros.

Outros nomes denuciados pelas vítimas na reportagem do Washington Post são: Dennis Greene, ex-presidente de operações comerciais, e Mitch Gershman, ex-diretor de operações.

2 Comments

2 Comments

  1. Pingback: NFL e proprietário do Washington Redskins se posicionam sobre denúncias de assédio

  2. Pingback: Washington Redskins passa a se chamar ‘Washington Football Team’

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top