Figueirense

Julgamento do zagueiro Alemão, do Figueirense, é adiado após queda de internet

Foto: Reprodução/STJD

O julgamento do zagueiro Alemão, do Figueirense, começou nesta quarta-feira (28), através de uma videoconferência. O Furacão contratou o advogado Marcelo Jucá Barros para fazer a defesa do atleta, que foi denunciado no STJD devido à expulsão do camisa 4 no clássico contra o Avaí. Porém, uma queda de internet impossibilitou a sequência do julgamento, que continuará apenas no dia 4 de novembro.

Como principal prova, a defesa apresentou um vídeo onde, supostamente, o árbitro Rafael Traci havia chamado Alemão para a briga. O jogador ainda complementou e justificou o contexto das reclamações.

– A todo momento ele me dizia “vem para cima, me dá cabeçada”. Eu sou um ser humano e estava em um momento de nervosismo. Eu fiquei de frente para ele, cara a cara, e não agredi em momento algum. Sequer peitei ele. O que eu queria, a todo momento, era chamar a atenção dele para a falta não marcada – disse o zagueiro.

Zagueiro pode desfalcar o Figueirense na sequência da Série B. Foto: Patrick Floriani/FFC

Em entrevista à CBN Diário, de Florianópolis, o árbitro Rafael Traci negou a acusação e afirmou que Alemão quer diminuir o que fez, uma vez que a denúncia inclui o zagueiro em quatro artigos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD).

– Ele (Alemão) pode dizer o que ele quiser. A atitude dele foi vista por todos. Jamais iria chamar alguém para a briga. Ridícula essa acusação por parte dele. Você acha que eu teria algum tempo de dizer algo? Não, né. Ele quer diminuir o que ele fez me acusando. Aí é golpe baixo. Ele tem que assumir o que fez. Todos nós somos homens e adultos o suficiente. Estou muito tranquilo em relação a isso – comentou o árbitro, que não participou do julgamento.

O camisa 4 do Figueirense pode pegar até 36 partidas de suspensão, além de uma multa de R$100 a R$100 mil reais.

PARA SABER TUDO SOBRE OS TIMES DE SANTA CATARINA, SIGA O ESPORTE NEWS MUNDO NO TWITTERINSTAGRAM FACEBOOK.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top