Campeonato Brasileiro - Série B

Rômulo revela ter reduzido 90% do seu salário para jogar pelo Cruzeiro e declara: ‘Se precisar sair sem dente, tem que fazer’

Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

O Cruzeiro somou mais uma derrota na conta da Série B do Campeonato Brasileiro nesta terça-feira (20). Isso porque o time celeste perdeu para o Remo, por 1 a 0, fora de casa. Agora, já são sete jogos seguidos sem vencer na competição. E, após a derrota cruzeirense, além do técnico Mozart, alguns atletas do clube vieram a público falar sobre o mal momento do clube dentro e fora do campo. Foi o caso de Rômulo, que retornou à Toca em março deste ano.

O meia/lateral revelou, em entrevista coletiva concedida ao canal oficial do Cruzeiro no YouTube, ter reduzido seu salário em 90% para se adequar a realidade celeste, assim como os demais jogadores fizeram, a fim de ajudar a Raposa a sair da atual situação financeira e desportiva. Além disso, Rômulo declarou que o elenco cruzeirense está unido.

— É uma situação que todos nós não gostaríamos de estar vivendo. Nós, jogadores, comissão, funcionários, diretoria, nos reunimos, e eu falo isso de verdade, eu me emociono de verdade e não precisaria estar falando dessa forma, porque quando a gente veio para o Cruzeiro, falo de uma maneira geral, sabíamos das dificuldades que íamos encontrar pelo momento que o clube está passando, por tudo que aconteceu no passado e pela lacuna tão grande que foi deixada aqui. A gente sabia que ia ter que remar muito com uma tempestade muito forte. Claro que o Cruzeiro não pode estar passando por isso, mas o verdadeiro torcedor pode ter certeza que tem homens aqui dentro. A maioria dos jogadores que vieram para cá, vieram reduzindo, e reduzindo muito, o salário, até um caso particular meu, eu reduzi 90% do meu salário para vir para cá.  Então, estamos aqui no Cruzeiro de verdade, para dar a nossa vida por esse clube para fazer com que o clube volte a ser o que ele sempre foi.

Rômulo afirmou, também, que não é, de fato, uma situação fácil e que o torcedor cruzeirense tem todo o direito de protestar e cobrar do clube. Mas, voltou a frisar que o clube se reuniu para “colocar tudo na mesa”. Segundo ele, é preciso que o elenco dê a vida pelo clube e até  mesmo um dente, se for preciso.

— Nos reunimos dois dias atrás e foi uma coisa que marcou a minha carreira pela nossa união dentro do vestiário. A gente chegou e colocamos tudo na mesa. Nosso empenho tem que ser cada vez maior, a gente tem que realmente suar, tem que dar a vida por esse clube. Se a gente precisar sair sem dente por colocar a cara na ponta da chuteira do adversário, a gente tem que fazer, a gente tem que fazer algo a mais para minimizar todos os problemas que o clube está passando. A gente conversou agora depois desse jogo também —, disse Rômulo.

SALÁRIOS ATRASADOS

O jogador assumiu a responsabilidade, assim como disse que todos os atletas cruzeirenses a tem, mas revelou que ele e seus companheiros de equipe seguem unidos. Além disso, Rômulo comentou especificamente sobre o atraso salarial. Conforme relato do meia/lateral, independente da ocupação, seja no futebol ou não, essas questões afetam sim o rendimento, porém afirmou que a diretoria está agindo para melhorar tal situação, o que os acalma.

— Claro que problemas externos afetam sim o rendimento, isso é inegável. Mas, não só no futebol, isso em qualquer área, para qualquer trabalhador. Mas, o clube tem dado satisfação quase que todos os dias, que vai fazer o máximo, que vai trazer parceiros, patrocinadores, levantar verba para que isso seja quitado o quanto antes. E não só dos jogadores, mas principalmente dos funcionários que estão ali todos os dias, que tem salário baixo e precisa. Então, o clube está se movimentando muito para isso. Até o Pastana está se mobilizando para trazer parceiros. Mas, isso com certeza não é desculpa, a gente está fechado, a gente está conversando para que os problemas externos não nos afetem dentro de campo. E pode ter certeza,  a gente vai dar a vida para que essa situação mude, e vocês vão ver isso no decorrer dos dias. Hoje, dou a entrevista triste, chateado, com a cabeça a mil, realmente desapontado. Só que eu tenho certeza absoluta, podem gravar essas palavras, dentro de pouco tempo a gente vai estar comemorando junto a levantada desse grupo, desse time, vamos estar nos abraçando. Nós vamos dar alegria aos torcedores, pode ter certeza disso.

INVASÃO NA TOCA

Rômulo, por fim, falou sobre a invasão de torcedores que ocorreu na Toca da Raposa II no último domingo (18). De acordo com ele, o movimento foi pacífico. Um ato de amor de torcedores que foram cobrar posicionamento e declarar apoio ao elenco, conforme o atleta.

— Estamos falando de um dos maiores clubes do Brasil, uma das torcidas mais apaixonadas e quando o momento não é bom é logico que eles vão estar insatisfeitos, como todos nós estamos. Nós não sabíamos da invasão, e antes da invasão estávamos todos reunidos no vestiário conversando para ajustar tudo que precisa ser ajustado para que a gente dê cada vez mais e faça o que ainda não foi feito, porque o que foi feito não foi suficiente, então temos que fazer algo a mais. Mas foi uma invasão pacífica, de torcedores que amam o clube, eles foram dizer que estão com a gente e que temos que tirar o Cabuloso dessa situação, teve até um torcedor que falou: “meu filho é autista e ele chorou quando o Cruzeiro foi rebaixado porque ele me viu deitado no chão chorando”. É amor pelo clube. E claro que estamos com o salário atrasado, mas o que dói mais é ver os funcionários que estão nessa situação e temos feito de tudo para ajudá-los. Temos visto um esforço enorme lá de cima para ajustar nisso. Estamos unidos de verdade. E vamos conseguir reverter essa situação.

Rômulo, atualmente com 34 anos, tem dupla nacionalidade e já atuou em 41 partidas com a camisa do Cruzeiro, marcando um gol. O atleta ítalo-brasileiro fez a sua estreia pela Raposa em 2010 e retornou ao clube neste ano para ajudar no momento de reconstrução.

Para saber tudo sobre o Cruzeiro, siga o Esporte News Mundo no Twitter, Instagram e Facebook.

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top