Atlético-MG

Hulk, Rodrigo Caetano e Éder Aleixo se revoltam com arbitragem no empate do Atlético contra a Chapecoense

Foto: Pedro Souza / Atlético

O Atlético apenas empatou com a Chapecoense, em casa, pela quinta rodada do Brasileirão. Apesar do jogo ruim por parte do time alvinegro, o que revoltou algumas pessoas do Galo foi a arbitragem. O atacante Hulk falou no pós-jogo e também se manifestou nas redes sociais, já o diretor de futebol Rodrigo Caetano e o auxiliar e ídolo do clube, Éder Aleixo, xingaram o quarto árbitro de acordo com a súmula da partida.

Hulk desabafou logo na saída de campo, alegando que o árbitro foi desrespeitoso com ele: “É preciso manter o diálogo com o árbitro, isso não é falta de respeito. Primeiro lance que eu driblo e chuto para fora, ele chega para mim e diz: ‘Isso que eu quero de você, Hulk, não caia’. Então estou caindo nos outros jogos? Eu sou o jogador que mais estou tomando pancada. E não reclamo”, disse o atacante.

O fato de eu ser forte impede que eu sofra falta?

Completou Hulk

Já nas redes sociais, Hulk postou o vídeo do lance que ficou pedindo pênalti na área e parabenizou ironicamente o árbitro Rodolfo Toskis Marques

Foto: Reprodução / Instagram

Rodrigo Caetano e Éder Aleixo foram relatados até na súmula. O diretor teria gritado para o quarto árbitro “você não trabalha mais nos jogos do Atlético”, dentre outras ofensas. Segundo relato da súmula, ele teria apontado o dedo no rosto do quarto árbitro após o fim do jogo e dito “você precisa sair de Minas para ver como os outros nos tratam lá. Você só quer prejudicar a gente”.

Parte da súmula que relata os possíveis xingamento de Caetano e Éder

Já o auxiliar Éder Aleixo foi ainda mais duro, segundo súmula. O ídolo do Galo teria ido em direção ao árbitro, no túnel após o apito final, e proferido palavras de baixo calão, tendo que ser contido por outros membros da comissão atleticana.

O Atlético agora terá dois jogos seguidos fora de casa para tentar recuperar os pontos perdidos, contra Ceará (24) e Santos (27).

Click to comment

Comente esta reportagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas

To Top